Líder dos monitores detidos no leste ucraniano diz que grupo está com boa saúde, mas ansioso para voltar logo para casa

Um dos oito observadores europeus detidos por separatistas pró-russos na cidade de Slovyansk, no leste da Ucrânia, foi libertado na noite deste domingo (horário local).

Hoje: Militantes pró-Rússia mostram observadores capturados na Ucrânia

Um repórter da Reuters em frente ao prédio da administração da cidade em Slovyansk disse que o homem saiu escoltado por três homens armados, entrou em um jipe branco da Organização para Segurança e Cooperação na Europa (Osce, na sigla em inglês) e partiu. O grupo se recusou a responder às perguntas dos jornalistas.

Captura: Militantes pró-Rússia detêm observadores militares europeus na Ucrânia

Vacheslav Ponomarev, autoproclamado prefeito de Slovyansk (C), é visto tendo ao lado monitores europeus capturados em Slovyansk, leste da Ucrânia
AP
Vacheslav Ponomarev, autoproclamado prefeito de Slovyansk (C), é visto tendo ao lado monitores europeus capturados em Slovyansk, leste da Ucrânia

Premiê ucraniano: Rússia busca Terceira Guerra Mundial

Stella Khorosheva, porta-voz do prefeito separatista de Slaviansk, disse que o observador que deixou o local é cidadão sueco. "Ele tem uma forma leve de diabetes e por isso decidimos deixá-lo ir", disse a jornalistas. Questionada se ele seria o único observador a ser liberado neste domingo, ela respondeu: "Sim."

Previamente, o alemão Axel Schneider, o líder dos observadores internacionais detidos, disse que todos do grupo estavam em boa saúde, mas que estavam ansiosos para poder voltar logo para casa.

Quinta: Rússia anuncia novo exercício militar após ação da Ucrânia contra separatistas

Aparecendo em público pela primeira vez desde que foram detidos há três dias , sete funcionários da equipe de observadores e seu tradutor foram levados para uma sala onde jornalistas estavam, em um prédio da administração pública que foi ocupado pelos separatistas.

Guardas em uniformes de camuflagem e portando rifles também estavam na sala enquanto jornalistas falavam com os observadores, que estavam na Ucrânia sob os auspícios da Osce.

Veja imagens de militantes pró-Rússia e homens armados russos na Ucrânia:

O coronel Axel Schneider, que liderava a missão de observadores, disse que o grupo foi à Slovyansk sem armas e estava em estrita consonância com seu mandato sob as regras da Osce para realizar o trabalho de verificação militar.

Schneider, que tinha a cabeça raspada, barba bem curta e vestia uma camisa de botão xadrez, disse a jornalistas que "não tinha sido tocado" e que não houve nenhum maltrato físico ao grupo. "Todos os funcionários europeus estão em boa saúde e ninguém está doente", disse Schneider.

"Não temos nenhuma indicação de quando seremos enviados de volta para nossos países", disse Schneider. "Desejamos do fundo de nossos corações que voltemos para nossas nações tão logo quanto possível."

Donestsk

Em Donetsk, cidade que também fica no leste ucraniano, separatistas pró-russos tomaram controle neste domingo da sede da televisão estatal regional e disseram que vão tirar o canal do ar e passar a transmitir um canal russo apoiado pelo Kremlin.

Um repórter da Reuters disse que quatro separatistas usando máscaras e portando cassetetes e escudos estavam de pé na entrada do prédio controlando o acesso, enquanto mais separatistas com vestimentas de camuflagem podiam ser vistos dentro do prédio.

Cerca de 15 policiais observavam de curta distância sem impor resistência aos separatistas. Sentado em um veículo da polícia nas proximidades, um tenente da polícia disse que teria sido inútil intervir.

Essa é a primeira vez que a estação foi invadida por separatistas, embora anteriormente uma torre de transmissão na região de Donetsk tenha sido ocupada e técnicos tenham sido obrigados a transmitir programação de estações russas.

Separatistas pró-russos, alguns deles armados, tomaram cerca de uma dúzia de edifícios oficiais no leste da Ucrânia. Eles dizem que estão se levantando contra um governo ucraniano que consideram "ilegítimo", mas Kiev diz que eles são agentes do governo russo que querem desestabilizar a Ucrânia.

*Com Reuters

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.