Rebeldes ucranianos libertam refém sueco e Obama pede unidade contra a Rússia

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Sete outros reféns continuam sob o poder dos rebeldes ao leste do país; EUA e UE devem anunciar mais sanções contra a Rússia

Reuters

Separatistas pró-Rússia exibiram os europeus detidos no leste da Ucrânia, libertaram um, mas disseram que não têm planos de liberar os outros sete reféns, enquanto os Estados Unidos e a Europa se preparam para adotar novas sanções contra Moscou.

Ontem: Militantes pró-Rússia detêm observadores militares europeus na Ucrânia

Reuters
Funcionários de missão especial na Ucrânia deixam o gabinete do prefeito com um observador internacional (C) que estava detido em Slaviansk, Ucrânia


Premiê ucraniano: Rússia busca Terceira Guerra Mundial

O presidente dos EUA, Barack Obama, pediu para que os EUA e a Europa juntem forças para impor medidas mais duras para conter Moscou. A Casa Branca disse que vai adicionar na segunda-feira (28) nomes de pessoas próximas ao presidente russo Vladimir Putin e suas empresas à lista de russos atingidos por sanções, e também impor novas restrições às exportações de alta tecnologia para a Rússia.

A União Europeia deve seguir o mesmo caminho adicionando à sua própria lista novas pessoas e empresas russas, mas Washington e Bruxelas ainda não chegaram a um acordo sobre medidas mais amplas destinadas a prejudicar a economia da Rússia de forma geral.

Em Donetsk, onde os rebeldes pró-russos proclamaram a independente "República Popular", combatentes armados tomaram a sede de uma televisão regional e ordenaram a transmissão de um canal russo estatal.

Quinta: Rússia anuncia novo exercício militar após ação da Ucrânia contra separatistas

Falando durante uma visita à Malásia, Obama disse que conter as ambições do presidente russo, Vladimir Putin, na Ucrânia vai depender de os Estados Unidos e seus aliados encontrarem uma posição única sobre sanções mais rígidas.

"Nós vamos estar em uma posição mais forte para dissuadir Putin quando ele ver que o mundo esta unido e os Estados Unidos e a Europa unidos, e que este não é apenas um conflito russo-norte-americano", disse Obama a jornalistas.

O vice-conselheiro de segurança nacional da Casa Branca, Tony Blinken, disse que novas sanções dos EUA serão impostas na segunda-feira, principalmente com a ampliação da lista daqueles impedidos de viajar para os Estados Unidos e atingidos por congelamento de bens.

O impasse sobre a Ucrânia, uma ex-república soviética de cerca de 45 milhões de pessoas, tem levado as relações entre a Rússia e o Ocidente ao seu nível mais baixo desde o fim da Guerra Fria.

Confira fotos da ocupação russa na Ucrânia

Comboio de caminhões brancos com ajuda humanitária deixa Alabino, nos arredores de Moscou, Rússia (12/08). Foto: APManifestante ao lado de transeuntes na Praça da Independência em Kiev (9/08). Foto: ReutersManifestante segura coquetel molotov enquanto tenta impedir que trabalhadores municipais e voluntários limpem barricadas em Kiev (9/08). Foto: ReutersMembro de equipe antibomba inspeciona cratera com os restos de um projétil depois de uma noite de combates em Donetsk, Ucrânia (6/08). Foto: APMulher deixa prédio danificado por suposto bombardeio levando seus pertences na área central de Donetsk, Ucrânia (29/07). Foto: ReutersRebeldes pró-Rússia em um tanque com a bandeira da Rússia em uma estrada a leste de Donetsk, Ucrânia (21/07). Foto: APPrimeiro-ministro ucraniano Arseniy Yatsenyuk, à dir., conversa com um oficial durante inspecção ao Exército fora da cidade de Slovyansk, Ucrânia (16/07). Foto: APPremiê ucraniano, Arseniy Yatsenyuk (E), cumprimenta soldado ao inspecionar tropas em Slovyansk, leste da Ucrânia (16/07). Foto: APMulher chora perto de prédio que desmoronou após ataque aéreo em Snizhne, a 100 km a leste da cidade de Donetsk, no leste da Ucrânia (15/07). Foto: APCombatente da República Popular de Donetsk se despede de sua família, que deixa essa cidade no leste da Ucrânia para refugiar-se na Rússia (14/07). Foto: APCombatentes separatistas pró-russos esperam atrás de sacos de areia em posto de controle em Donetsk, Ucrânia (10/07). Foto: ReutersMilitares ucranianos perto das armas apreendidas de separatistas pró-russos perto Slaviansk, Ucrânia (8/07). Foto: ReutersMilitante mascarado pró-Rússia organiza o trânsito em posto de controle após ataque das tropas ucranianas em Slovyansk (24/4). Foto: APAtiradores mascarados pró-Rússia guardam entrada de escritório regional ucraniano do Serviço de Segurança em Luhansk com bandeira russa ao fundo (21/4). Foto: APAtivista mascarado pró-Rússia guarda barricada em prédio da administração regional capturado em Donetsk. Cartaz diz: 'EUA, tirem as mãos do leste da Ucrânia' (19/4). Foto: APAtivista mascarado pró-Rússia olha para o lado de fora de janela em prédio da administração regional de Donetsk, Ucrânia (18/4). Foto: APAtirador pró-Rússia abre caminho para veículo de combate com homens armados em seu topo em Slovyansk, Ucrânia (16/4). Foto: APAtivista mascarado pró-Rússia guarda barricada em prédio da administração regional em Donetsk, Ucrânia (15/4). Foto: APAtivista pró-Rússia é visto durante invasão de delegacia na cidade de Horlivka, leste da Ucrânia (14/4). Foto: APAtivistas armados pró-Rússia ocupam a delegacia de polícia no leste da Ucrânia, na cidade de Slaviansk (12/04). Foto: APAtivistas pró-Rússia ocupam delegacia de polícia e constroem uma barricada na cidade ucraniana oriental de Slovyansk (12/04). Foto: APHomens armados não identificados caminham em área perto de unidade militar ucraniana em Simferopol, Crimeia (18/3). Foto: APSoldado armado, provavelmente russo, anda perto de uma base militar ucraniana na aldeia de Perevalnoye (9/3). Foto: ReutersUm homem armado, que se acredita ser um soldado russo, anda perto da base naval ucraniana na Crimeia, no porto de Yevpatory (8/3). Foto: ReutersMarinheiro observa navio inativo Ochakov, que foi afundado por tropas russas e bloqueou o tráfego de cinco embarcações ucranianas em Myrnyi, oeste da Crimeia, Ucrânia (6/3). Foto: APCriança brinca perto de soldado russo (D) enquanto soldados ucranianos observam do outro lado do portão de base em Perevalne, Crimeia (4/3). Foto: APSoldado pró-Rússia bloqueia base naval na vila de Novoozerne, Crimeia, na Ucrânia (3/3). Foto: APGrupo de homens armados sem emblemas em uniformes cortam luz do Quartel-General das forças navais ucranianas em Sevastopol, Crimeia, Ucrânia (2/3). Foto: APComboio russo se move de Sevastopol para Sinferopol na Crimeia, Ucrânia (2/3). Foto: APHomem com uniforme sem identificação monta guarda enquanto tropas tomam controle de escritórios da Guarda Costeira em Balaklava, em Sevastopol (Crimeia), na Ucrânia (1/3). Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda em Balaklava, nos arredores de Sevastopol, na ucraniana Península da Crimeia (1/3)
. Foto: APEmblema em veículo e placas de outros carros indicam que tropas são do Exército russo (1/3). Foto: APHomens armados não identificados e vestidos com uniformes de camuflagem bloqueiam a entrada do prédio do Parlamento da Crimeia em Simferopol, Ucrânia (1/3). Foto: APHomens armados não identificados bloqueiam entrada de Parlamento da Crimeia em Simferopol, Ucrânia (1/3). Foto: APHomem armado não identificado com uniforme de camuflagem bloqueia estrada que leva a aeroporto militar em Sevastopol, na Crimeia. Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda durante tomada de controle de escritórios da Guarda Costeira em Balaklava, Crimeia, na Ucrânia (1/3). Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda durante tomada de controle de escritórios da Guarda Costeira em Balaklava, Crimeia, na Ucrânia (1/3). Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda nos arredores de Sevastopol, na ucraniana Crimeia. Foto: APHomem com uniforme sem identificação patrula aeroporto de Simferopol, na Ucrânia (28/2). Foto: AP

Quarta: Rússia promete retaliar se seus interesses forem ameaçados na Ucrânia

Após os ucranianos terem derrubado um presidente pró-Rússia, Putin desconsiderou décadas de diplomacia internacional, no mês passado, ao anunciar o direito de usar a força militar na Crimeia, território de seu vizinho. Ele tomou e anexou a península ucraniana da Crimeia e deslocou dezenas de milhares de tropas para a fronteira.

Fortemente armados, atiradores pró-russos tomaram edifícios em cidades em todo leste da Ucrânia. Kiev e seus aliados ocidentais dizem que a revolta é organizada por agentes russos. Moscou nega que esteja envolvido e diz que a revolta é uma reação espontânea à opressão de Kiev aos falantes de russo.

Um acordo internacional alcançado este mês instou os rebeldes a desocuparem os prédios, mas Obama disse que a Rússia não "levantou um dedo" para levar seus aliados a cumprir o acerto.

A Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE, na sigla em inglês) enviou monitores desarmados para tentar incentivar o cumprimento do acordo de paz. Os rebeldes pró-russos detiveram oito monitores europeus há três dias, mantendo-os no seu reduto mais pesadamente fortificado na cidade de Slaviansk.

Crise na Ucrânia: Veja as opções do Ocidente para conter a Rússia

Um deles, um sueco, foi autorizado a sair no domingo, após negociadores da OSCE discutirem sua libertação. Uma porta-voz dos separatistas disse que o prisioneiro tinha sido liberado por razões médicas, mas que não há planos para libertar o resto do grupo.

Os detidos, naturais da Alemanha, República Checa, Dinamarca, Polônia e Suécia, foram exibidos para jornalistas neste domingo e disseram estar em boas condições de saúde.

Leia tudo sobre: russia na ucraniacrise na ucraniaobamaputinsancoesrefensosce

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas