Líder dos monitores detidos no leste ucraniano diz que grupo está com boa saúde, mas ansioso para voltar logo para casa

Reuters

O líder dos observadores internacionais detidos por separatistas pró-Rússia na cidade ucraniana de Slaviansk, no leste do país, disse neste domingo que todos do grupo estavam com boa saúde, mas que estavam ansiosos para poder voltar logo para casa.

Captura: Militantes pró-Rússia detêm observadores militares europeus na Ucrânia

Vacheslav Ponomarev, autoproclamado prefeito de Slovyansk (C), é visto tendo ao lado monitores europeus capturados em Slovyansk, leste da Ucrânia
AP
Vacheslav Ponomarev, autoproclamado prefeito de Slovyansk (C), é visto tendo ao lado monitores europeus capturados em Slovyansk, leste da Ucrânia

Premiê ucraniano: Rússia busca Terceira Guerra Mundial

Aparecendo em público pela primeira vez desde que foram detidos há três dias, sete funcionários da equipe de observadores e seu tradutor foram levados para uma sala onde jornalistas estavam, em um prédio da administração pública que foi ocupado pelos separatistas.

Guardas em uniformes de camuflagem e portando rifles também estavam na sala enquanto jornalistas falavam com os observadores, que estavam na Ucrânia sob os auspícios da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (Osce).

Quinta: Rússia anuncia novo exercício militar após ação da Ucrânia contra separatistas

O coronel Axel Schneider, que liderava a missão de observadores, disse que o grupo foi à Slaviansk sem armas e estava em estrita consonância com seu mandato sob as regras da Osce para realizar o trabalho de verificação militar.

Veja imagens de militantes pró-Rússia e homens armados russos na Ucrânia:

Schneider, que tinha a cabeça raspada, barba bem curta e vestia uma camisa de botão xadrez, disse a jornalistas que "não tinha sido tocado" e não houve nenhum maltrato físico ao grupo. "Todos os funcionários europeus estão em boa saúde e ninguém está doente", disse Schneider.

"Não temos nenhuma indicação de quando seremos enviados de volta para nossos países", disse Schneider. "Desejamos do fundo de nossos corações que voltemos para nossas nações tão logo quanto possível."

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.