Crise na Ucrânia: veja as opções do Ocidente para conter a Rússia

Por BBC Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Kiev mostra disposição em retomar controle no leste e Moscou faz ameaças; o que EUA e UE podem fazer para deter a Rússia?

BBC

O governo ucraniano disse que suas tropas conseguiram desmantelar postos de controle erguidos por milícias pró-Rússia na cidade de Sloviansk e que pelo menos cinco "terroristas" forma mortos na operação.

Hoje: Ofensiva contra rebeldes pró-Rússia deixa ao menos cinco mortos na Ucrânia

AFP
Homem armado realiza a segurança de prédio tomado por separatistas pró-Rússia em Slavyansk


Ontem: Rússia promete retaliar se seus interesses forem ameaçados na Ucrânia

Em outra cidade da região leste do país, Mariupol, o governo diz que conseguiu expulsar milicianos que ocupavam a prefeitura. O presidente russo, Vladimir Putin, disse nesta quinta-feira que se o governo da Ucrânia usasse seu Exército contra "seu próprio povo", isso poderia ter "consequências sérias".

Enquanto aumenta o número de mortos e os confrontos se intensificam no país europeu, o Ocidente considera suas opções sobre como lidar com a situação, em particular com uma eventual ação militar russa.

Até agora, os Estados Unidos têm insistido em sanções a membros do governo russo como forma de pressionar o país, mas outras opções também podem ser consideradas.

Veja abaixo as possíveis linhas de ação que têm sido consideradas:

Ater-se à diplomacia

O caminho óbvio para aumentar a pressão diplomática - o Conselho de Segurança da ONU - está bloqueado porque a Rússia é membro permanente e pode vetar qualquer ação proposta. Outros órgãos da ONU, como a Assembleia Geral, poderão aprovar resoluções não compulsórias, mas a Rússia poderá simplesmente ignorá-las.

Onde é possível, o Ocidente tem feito movimentos para isolar a Rússia, como cancelar uma reunião do G8 no início do ano e suspender a adesão de Moscou. Mas a Rússia não pode ser expulsa tão facilmente do Conselho de Segurança ou da Organização Mundial do Comércio, que Moscou esperou tanto tempo para integrar. Os países podem ainda suspender vistos e aplicar outras restrições nas relações com a Rússia.

Apesar de acordo: Insurgentes pró-Rússia mantêm ocupação no leste da Ucrânia

Há sempre um ponto de interrogação sobre medidas punitivas. Elas ajudam ou são um obstáculo? Como princípio geral, países do Ocidente pregam publicamente os benefícios do diálogo e consideram o isolamento uma medida extrema.

Mas o diálogo não foi capaz de impedir o avanço russo - ou forçar uma mudança de atitude de Moscou. A Rússia agiu rápido anexando a Crimeia, e o pior cenário é que o país poderia integrar outras partes da Ucrânia, como áreas com grandes populações de etnia russa.

A opção militar

Aeronaves já foram mobilizadas para patrulhar o espaço aéreo do Báltico e jatos dos Estados Unidos estão realizando exercícios na Polônia. Unidades de paraquedistas estão sendo enviadas para Polônia, Lituânia, Letônia e Estônia.

Exercícios militares de pequena escala serão realizados e poderão continuar ao longo deste ano. Eles provavelmente são adequados para tranquilizar aliados da Otan na região - mas não o suficiente como uma arma de dissuasão.

É quase inimaginável que a atual crise na Ucrânia possa levar a um confronto militar em grande escala entre a Otan e a Rússia. A Otan não vai enviar tropas à Ucrânia. Se a Rússia enviar suas tropas para a região leste da Ucrânia, a resposta provavelmente será através de sanções econômicas severas – e não uma ação militar.

No entanto, qualquer movimento por parte da Rússia para ameaçar ou desestabilizar as repúblicas bálticas poderá levar a um potencial confronto militar.

A longo prazo, é improvável que a Otan eleve gastos com defesa e a aliança vai ter que analisar novamente uma forma melhor de defender os países membros que vivem perto das fronteiras da Rússia.

Ampliar sanções econômicas

É provável que haja uma divisão entre a UE e os Estados Unidos sobre a possibilidade de ampliar as sanções econômicas. Empresas europeias têm laços muito mais estreitos com a Rússia, e a recuperação econômica da zona do euro continua frágil.

Os Estados Unidos têm muito menos negócios com a Rússia, e poderiam ir muito mais longe em suas medidas. O governo americano já impôs sanções ao Banco Rossiya e congelou bens e proibiu vistos de políticos, empresas e figuras militares russas. Especialistas acreditam que o primeiro passo seria ampliar esta lista de sanções.

Veja fotos da ocupação militar russa na Ucrânia

Comboio de caminhões brancos com ajuda humanitária deixa Alabino, nos arredores de Moscou, Rússia (12/08). Foto: APManifestante ao lado de transeuntes na Praça da Independência em Kiev (9/08). Foto: ReutersManifestante segura coquetel molotov enquanto tenta impedir que trabalhadores municipais e voluntários limpem barricadas em Kiev (9/08). Foto: ReutersMembro de equipe antibomba inspeciona cratera com os restos de um projétil depois de uma noite de combates em Donetsk, Ucrânia (6/08). Foto: APMulher deixa prédio danificado por suposto bombardeio levando seus pertences na área central de Donetsk, Ucrânia (29/07). Foto: ReutersRebeldes pró-Rússia em um tanque com a bandeira da Rússia em uma estrada a leste de Donetsk, Ucrânia (21/07). Foto: APPrimeiro-ministro ucraniano Arseniy Yatsenyuk, à dir., conversa com um oficial durante inspecção ao Exército fora da cidade de Slovyansk, Ucrânia (16/07). Foto: APPremiê ucraniano, Arseniy Yatsenyuk (E), cumprimenta soldado ao inspecionar tropas em Slovyansk, leste da Ucrânia (16/07). Foto: APMulher chora perto de prédio que desmoronou após ataque aéreo em Snizhne, a 100 km a leste da cidade de Donetsk, no leste da Ucrânia (15/07). Foto: APCombatente da República Popular de Donetsk se despede de sua família, que deixa essa cidade no leste da Ucrânia para refugiar-se na Rússia (14/07). Foto: APCombatentes separatistas pró-russos esperam atrás de sacos de areia em posto de controle em Donetsk, Ucrânia (10/07). Foto: ReutersMilitares ucranianos perto das armas apreendidas de separatistas pró-russos perto Slaviansk, Ucrânia (8/07). Foto: ReutersMilitante mascarado pró-Rússia organiza o trânsito em posto de controle após ataque das tropas ucranianas em Slovyansk (24/4). Foto: APAtiradores mascarados pró-Rússia guardam entrada de escritório regional ucraniano do Serviço de Segurança em Luhansk com bandeira russa ao fundo (21/4). Foto: APAtivista mascarado pró-Rússia guarda barricada em prédio da administração regional capturado em Donetsk. Cartaz diz: 'EUA, tirem as mãos do leste da Ucrânia' (19/4). Foto: APAtivista mascarado pró-Rússia olha para o lado de fora de janela em prédio da administração regional de Donetsk, Ucrânia (18/4). Foto: APAtirador pró-Rússia abre caminho para veículo de combate com homens armados em seu topo em Slovyansk, Ucrânia (16/4). Foto: APAtivista mascarado pró-Rússia guarda barricada em prédio da administração regional em Donetsk, Ucrânia (15/4). Foto: APAtivista pró-Rússia é visto durante invasão de delegacia na cidade de Horlivka, leste da Ucrânia (14/4). Foto: APAtivistas armados pró-Rússia ocupam a delegacia de polícia no leste da Ucrânia, na cidade de Slaviansk (12/04). Foto: APAtivistas pró-Rússia ocupam delegacia de polícia e constroem uma barricada na cidade ucraniana oriental de Slovyansk (12/04). Foto: APHomens armados não identificados caminham em área perto de unidade militar ucraniana em Simferopol, Crimeia (18/3). Foto: APSoldado armado, provavelmente russo, anda perto de uma base militar ucraniana na aldeia de Perevalnoye (9/3). Foto: ReutersUm homem armado, que se acredita ser um soldado russo, anda perto da base naval ucraniana na Crimeia, no porto de Yevpatory (8/3). Foto: ReutersMarinheiro observa navio inativo Ochakov, que foi afundado por tropas russas e bloqueou o tráfego de cinco embarcações ucranianas em Myrnyi, oeste da Crimeia, Ucrânia (6/3). Foto: APCriança brinca perto de soldado russo (D) enquanto soldados ucranianos observam do outro lado do portão de base em Perevalne, Crimeia (4/3). Foto: APSoldado pró-Rússia bloqueia base naval na vila de Novoozerne, Crimeia, na Ucrânia (3/3). Foto: APGrupo de homens armados sem emblemas em uniformes cortam luz do Quartel-General das forças navais ucranianas em Sevastopol, Crimeia, Ucrânia (2/3). Foto: APComboio russo se move de Sevastopol para Sinferopol na Crimeia, Ucrânia (2/3). Foto: APHomem com uniforme sem identificação monta guarda enquanto tropas tomam controle de escritórios da Guarda Costeira em Balaklava, em Sevastopol (Crimeia), na Ucrânia (1/3). Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda em Balaklava, nos arredores de Sevastopol, na ucraniana Península da Crimeia (1/3)
. Foto: APEmblema em veículo e placas de outros carros indicam que tropas são do Exército russo (1/3). Foto: APHomens armados não identificados e vestidos com uniformes de camuflagem bloqueiam a entrada do prédio do Parlamento da Crimeia em Simferopol, Ucrânia (1/3). Foto: APHomens armados não identificados bloqueiam entrada de Parlamento da Crimeia em Simferopol, Ucrânia (1/3). Foto: APHomem armado não identificado com uniforme de camuflagem bloqueia estrada que leva a aeroporto militar em Sevastopol, na Crimeia. Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda durante tomada de controle de escritórios da Guarda Costeira em Balaklava, Crimeia, na Ucrânia (1/3). Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda durante tomada de controle de escritórios da Guarda Costeira em Balaklava, Crimeia, na Ucrânia (1/3). Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda nos arredores de Sevastopol, na ucraniana Crimeia. Foto: APHomem com uniforme sem identificação patrula aeroporto de Simferopol, na Ucrânia (28/2). Foto: AP

Terça: Rússia deve 'parar de falar e começar a agir', diz vice dos EUA na Ucrânia

Novas sanções poderiam ter como alvo uma ampla lista de empresas estatais, incluindo aquelas que vão além do círculo íntimo do presidente Putin.

Mas o Ocidente não parece estar disposto a atacar o setor de energia da Rússia, tendo em conta a dependência da Europa do gás russo e possíveis represálias de Moscou. Por isso, os Estados Unidos estariam sozinhos.

Não fazer nada

O Ocidente pode acreditar que suas sanções moderadas, a retórica e a postura militar podem deter a Rússia.

No entanto, alguns especialistas em política russa sugerem que o presidente Vladimir Putin está tentando forjar uma "Grande Rússia" usando uma retórica anti-Ocidente e uma filosofia de contornos místicos. Outros dizem que seu objetivo é trazer ordem a uma parte caótica do mundo.

Se a aposta em "não fazer nada" falhar, as repercussões poderão ser sentidas em todo o mundo. Líderes de países menos ilustres do que a Rússia poderão se sentir encorajados a anexar pedaços de terra que sempre cobiçaram, rebeliões como a ocorrida na Crimeia poderão se repetir, ameaçando a estabilidade e o desenvolvimento econômico.

Em suma, não fazer nada pode ser a maior aposta de todas.

Leia tudo sobre: russia na ucraniacrise na ucraniaputinobamaueeuarussiaucraniakievmoscou

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas