Sobe para 58 o número de mortos em naufrágio na Coreia do Sul

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Promotores querem prolongar detenção do capitão e de dois outros tripulantes até que se confirme causa do acidente

Reuters

Mergulhadores conseguiram chegar ao casco da balsa naufragada Sewol pela primeira vez durante a madrugada deste domingo (20) e o número de mortes confirmadas aumentou para 58, com 254 pessoas ainda listadas como desaparecidas.

Leia também: Balsa não foi esvaziada porque mar arrastaria pessoas, diz capitão

Promotores sul-coreanos disseram que querem prolongar a detenção do capitão e de dois outros tripulantes da embarcação, enquanto tentam determinar a causa do acidente da semana passada que provavelmente tirou a vida de mais de 300 pessoas.

AP
Corpos são retirados do mar durante as buscas neste sábado (19)

A balsa Sewol fazia uma viagem de rotina de 400 quilômetros de Incheon até a ilha de Jeju, em uma quarta-feira de clima tranquilo, transportando 476 passageiros e tripulantes, entre os quais 339 crianças e professores de um colégio que participavam de uma excursão.

Uma ideia mais clara sobre a hora do naufrágio começou a surgir depois que a guarda costeira divulgou uma gravação entre os controladores do tráfego marítimo e o navio.

AP
Parentes de passageiros que estavam na balsa que naufragou oram durante culto de Páscoa

Testemunhas disseram que o Sewol virou bruscamente antes de começar a naufragar. Ainda não ficou claro por que o navio virou. Mais de duas horas se passaram até ele afundar completamente, mas os passageiros receberam ordens para que ficassem em suas cabines.

De acordo com a transcrição, às 9:25 os controladores disseram ao capitão Lee Joon-seok, de 69 anos, para "resolver qual seria a melhor forma de retirar os passageiros" e que ele deveria "tomar a decisão final sobre se devia ou não deixar a embarcação".

Causas

Lee não estava à frente da balsa quando ela virou. A navegação estava nas mãos de um terceiro oficial de 26 anos, que estava no comando pela primeira vez naquele trecho, de acordo com membros da tripulação.

A transcrição mostra a tripulação do navio preocupada por não haver botes de salvamento suficientes para acomodar todos os passageiros. Testemunhas disseram que o capitão e alguns tripulantes entraram nos botes salva-vidas antes dos passageiros.

Mais cedo, Lee disse que temia que os passageiros fossem arrastados pelas fortes correntezas se saltassem para o mar, porém não explicou por que ele abandonou o navio.

Parente de uma das vítimas, segurando retrato envolto em lençol branco, chora após tributo em Ansan, Coreia do Sul (23/4). Foto: ReutersMergulhadores buscam sobreviventes de naufrágio de balsa na Coreia do Sul (22/4). Foto: BBCParente de passageiro que estava a bordo de balsa naufragada em Seul chora enquanto aguarda informações em porto de Jindo (19/4). Foto: APBoias são rebocadas por um barco da marinha sul-coreana para ser instalada na balsa afundada na Coreia do Sul (18/4). Foto: ReutersCriança é resgatada por policiais marítimos sul-coreanos ao sair do navio 'Sewol', que naufragou em Jindo, Coreia do Sul (16/04). Foto: ReutersCorpo de um dos passageiros da balsa que afundou na região costeira da Coreia do Sul é levado para hospital em Jindo (16/04). Foto: APAdolescentes resgatadas após naufrágio na Coreia do Sul choram em academia para onde foram levadas (16/04). Foto: ReutersMulher se emociona ao ver o nome do filho em lista de sobreviventes na academia para onde eles foram levados, na Coreia do Sul (16/04). Foto: ReutersUma mãe se emociona ao ver o filho entre os resgatados após naufrágio na Coreia do Sul (16/04). Foto: ReutersHomem é socorrido no porto após ser resgatado de balsa que afundou na Coreia do Sul (16/04). Foto: ReutersEquipes de resgate auxiliam sobrevivente de naufrágio na Coreia do Sul (16/04). Foto: ReutersParente espera por notícias sobre os desaparecidos sozinho, em uma área do porto em Jindo, Coreia do Sul (16/04). Foto: APGrupo de familiares espera por notícias dos desaparecidos após naufrágio, em Jindo, Coreia do Sul (16/04). Foto: APEquipes da guarda costeira resgatam as vítimas de um navio que afundou na Coreia do Sul (16/04). Foto: APPassageiros resgatados após naufrágio de balsa na Coreia do Sul são escoltados por equipes de resgate em sua chegada ao porto de Jindo, em Seul (16/04). Foto: APParentes a espera de notícias acompanham as buscas por desaparecidos na Coreia do Sul (16/04). Foto: APFamiliares choram enquanto aguardam por notícias de passageiros desaparecidos após naufrágio, na Coreia do Sul (16/04). Foto: APOficiais da guarda costeira sul-coreana tentam resgatar passageiros de naufrágio (16/04). Foto: APHelicópteros de resgate sobrevoam balsa de passageiros sul-coreanos que afundou com mais de 450 pessoas, na Coreia do Sul (16/04). Foto: APBalsa com tripulantes acabou afundando na Coreia do Sul. Maior parte das pessoas a bordo eram estudantes (16/04). Foto: APOficiais marítimos (de preto) tentam resgatar passageiros (com coletes salva-vidas) a bordo da balsa sul-coreana 'Sewol' (16/04). Foto: ReutersOficial marítimo (de preto) resgata passageiros a bordo da balsa sul-coreana 'Sewol', que naufragou na Coreia do Sul (16/04). Foto: ReutersEmbarcação estava cheia de estudantes e acabou naufragando na Coreia do Sul. Autoridades marítimas buscam por desaparecidos (16/04). Foto: ReutersBalsa sul-coreana 'Sewol' é vista afundando no mar ao longo de Jindo, na Coreia do Sul (16/04). Foto: ReutersFamiliares choram enquanto esperam por passageiros desaparecidos de uma balsa que naufragou, no porto Jindo, Coreia do Sul (16/04). Foto: APDurante as buscas noturnas, autoridades iluminaram região para fazer os primeiros resgates, na Coreia do Sul (16/04). Foto: ReutersBusca da polícia marítima por passageiros desaparecidos com sinalizadores, após naufrágio da embarcação 'Sewol', na Coreia do Sul (16/04). Foto: Reuters

O promotor Yang Joong-jin disse em entrevista coletiva em Mokpo, um dos centros da investigação, que alguns membros da tripulação disseram não ter recebido qualquer treinamento de segurança.

"Estamos tentando descobrir se houve negligência adicional", disse o promotor Yang Joong-jin, disse em entrevista coletiva, falando sobre o capitão e a tripulação.

Quando o capitão e dois tripulantes foram presos no sábado, eles foram detidos pela polícia por dez dias e os promotores conseguiram aumentar o período por mais dez dias. Se o novo pedido de prorrogação for concedido, eles poderão ficar presos por 30 dias.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas