Assad concordou em se desfazer das armas químicas depois que centenas de pessoas foram mortas em um ataque com gás sarin nos arredores da capital, em agosto passado

A Síria enviou para fora ou destruiu cerca de 80% de seu material de armas químicas declaradas, disse neste sábado (19) o chefe da equipe internacional que supervisiona o processo de desarmamento.

Hoje: Jornalistas franceses sequestrados na Síria são soltos após quase um ano

Bashar al-Assad conversa com repórteres após viagem à França em 2010
AP
Bashar al-Assad conversa com repórteres após viagem à França em 2010

Sigrid Kaag, coordenador especial da missão conjunta das Nações Unidas e da Organização para a Proibição de Armas Químicas (Opaq), disse que, se o ritmo se manteve, a Síria deve ser capaz de cumprir o seu prazo de 27 de abril a entregar todos os agentes químicos declarados.

"O ritmo renovado dos movimentos é positivo e necessário para assegurar o progresso no sentido de um prazo apertado", disse Kaag.

Março: Conflito na Síria completa três anos com mais de 100 mil mortos; entenda

Infográfico: Saiba o que está em jogo para os países do Oriente Médio com a Síria

Cenário: Onda de refugiados sírios pressiona tecido social e econômico de vizinhos

O presidente sírio, Bashar al-Assad concordou com os Estados Unidos e a Rússia para se desfazer das armas químicas -um arsenal que Damasco nunca havia reconhecido formalmente- depois que centenas de pessoas foram mortas em um ataque com gás sarin nos arredores da capital, em agosto passado.

Washington e seus aliados ocidentais disseram que as forças de Assad espalharam o agente, no pior ataque químico do mundo em um quarto de século. O governo culpou o lado rebelde na guerra civil da Síria, que está agora em seu quarto ano.

* Com informações da Reuters

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.