Lee Joon Seok, 68, é acusado de negligência, abandono do barco, ausência de busca de resgate e violação da 'lei do mar'

O capitão da balsa que afundou na Coreia do Sul foi formalmente acusado e está sob custódia policial, disse a mídia estatal na manhã de sábado local (tarde de sexta-feira em Brasília), citando promotores e policiais.

Hoje: Coreia do Sul busca mandado de prisão de capitão de balsa naufragada

 Lee Joon-Seok (C), capitão da balsa naufragada sul-coreana Sewol, chega à corte em Mokpo
Reuters
Lee Joon-Seok (C), capitão da balsa naufragada sul-coreana Sewol, chega à corte em Mokpo

Leia também: Três questões não respondidas sobre o naufrágio na Coreia

Lee Joon Seok, 68, é acusado de cinco violações relacionadas a abandono do barco, negligência, ferimentos, ausência de busca de resgate de outras embarcações e violação da "lei do homem do mar".

Um mandato de prisão foi emitido contra Lee em conexão com o acidente, que deixou quase 30 mortes confirmadas e quase 270 desaparecidos.

"Lee é acusado de fazer o navio Sewol naufragar ao falhar em desacelerar enquanto navegava por rota estreita e por fazer uma curva em excesso", disse o promotor Lee Bong-chang à Yonhap. "Lee também é acusado de fracassar em fazer a coisa certa para guiar os passageiros durante a fuga e, portanto, os levou à morte e a ferimentos."

Vídeo: Menina de seis anos é resgatada de balsa na Coreia do Sul

Se condenado, Lee pode ser sentenciado a cinco anos. Outros dois membros da tripulação também podem ser presos, disse um porta-voz dos investigadores.

A investigação sobre o desastre da balsa analisa uma curva brusca que a embarcação fez antes de começar a inclinar e a possibilidade de que uma retirada mais rápida ordenada pelo capitão poderia ter salvado mais vidas.

Alguns analistas acreditam que a curva brusca pode ter deslocado cargas pesadas, desestabilizando o barco, enquanto outros sugerem que ela pode ter sido causada pela colisão com uma rocha. Segundo o promotor sul-coreano Yang Jung-jin, Lee não estava na cabine de comando quando o Sewol passava através de uma área com várias ilhas muito juntas, algo que disse ser uma exigência legal para que o capitão possa ajudar um colega a fazer uma curva. O capitão também abandonou pessoas que precisavam de ajuda e resgate, disse. "Ele escapou antes dos passageiros", afirmou.

Mãe após naufrágio sul-coreano: 'Não posso dormir com minha filha na água'

Os membros da tripulação na cabine de comando — uma mulher de 25 anos e um timoneiro de 55 anos — também fracassaram em reduzir a velocidade nas águas perto das ilhas e fizeram a manobra brusca, disse Yang. Eles também não tomaram medidas para salvar vidas, afirmou.

A balsa deixou o porto de Incheon, no noroeste, na terça-feira para uma jornada de madrugada para a ilha de férias de Jeju, no sul, com 476 pessoas a bordo, sendo 323 delas estudantes que viajavam em uma excursão escolar.

A balsa naufragou poucas horas depois de a tripulação fazer uma ligação de alerta às 9 horas de quarta-feira. Em pouco tempo apenas sua quilha azul estava acima da superfície. Nesta sexta, não havia nem isso, e mergulhadores da Marinha anexaram sacos de ar embaixo d'água na balsa de 6.852 toneladas para evitar que ela afunde ainda mais, disse o Ministério da Defesa. Funcionários da Guarda Costeira disseram que os mergulhadores começaram a bombear ar dentro do navio em uma tentativa de manter vivos quaisquer sobreviventes.

Adeus: 'Mãe, eu te amo', diz torpedo de estudante em balsa naufragada

Uma transcrição de uma ligação de rádio entre o navio e comando em terra mostrou que o capitão atrasou a retirada em meia hora depois que uma autoridade de Transportes sul-coreana disse que o navio deveria ser esvaziado.

Oficial americana no navio de assalto anfíbio USS Bonhomme Richard ajuda em esforços de buscas após naufrágio de balsa na Coreia do Sul
AP
Oficial americana no navio de assalto anfíbio USS Bonhomme Richard ajuda em esforços de buscas após naufrágio de balsa na Coreia do Sul

Oh Yong-seok, um timoneiro na balsa, disse à Associated Press que as primeiras instruções do capitão foram para que os passageiros colocassem os coletes salva-vidas e permanecessem onde estavam enquanto a tripulação tentava controlar o navio.

Cerca de 30 minutos depois, o capitão finalmente deu a ordem de retirada, disse Oh, acrescentando não ter certeza se, na confusão e caos, a ordem foi repassada aos passageiros. Vários sobreviventes disseram à AP que nunca ouviram uma ordem de retirada.

Hoje: Vice-diretor de escola que tinha alunos em naufrágio na Coreia comete suicídio

Nesta sexta, a polícia disse que Kang Min-kyu, o vice-diretor de uma escola secundária que havia sido resgatado da balsa, foi encontrado enforcado nesta sexta em um pinheiro em Jindo, uma ilha perto do navio afundado onde os sobreviventes foram abrigados. Ele era o líder do grupo de 323 estudantes e disse em uma nota de suicídio que se sentia culpado por estar vivo enquanto mais de 200 de seus alunos haviam desaparecido.

Além do diretor, há confirmação de ao menos 28 mortos na balsa, que afundou na quarta-feira. Segundo autoridades, há 174 sobreviventes e cerca de 270 ainda continuam desaparecidos, muitos deles estudantes. Com as chances de encontrar sobreviventes cada vez menor, o desastre deve se tornar um dos maiores da Coreia do Sul, sendo ainda mais comovente pela perda de tantas pessoas com idades entre 16 e 17 anos.

*Com AP, BBC e informações da rede de TV CNN

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.