Após tomar o controle de seis blindados ucranianos, milicianos pró-Moscou hastearam bandeiras russas sobre os veículos

Insurgentes pró-Rússia tomaram o controle de seis veículos blindados da Ucrânia juntamente com seus ocupantes e hastearam bandeiras russas sobre eles nesta quarta-feira, diminuindo as esperanças do governo de retomar o controle sobre o leste ucraniano.

Hoje: Otan reforça proteção terrestre, marítima e aérea no leste da Europa

Atirador pró-Rússia abre caminho para veículo de combate com homens armados em seu topo em Slovyansk, Ucrânia
AP
Atirador pró-Rússia abre caminho para veículo de combate com homens armados em seu topo em Slovyansk, Ucrânia

Terça: Ucrânia lança operação antiterrorista; grupos pró-Rússia mantêm posições

Os soldados ucranianos que dirigiam os veículos não ofereceram nenhuma resistência armada, e milicianos mascarados pró-Rússia em uniformes de combate sentaram-se sobre eles enquanto se dirigiam à cidade oriental de Slovyansk, um reduto do levante contra o governo interino do país.

Em Bruxelas, a Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) anunciou o fortalecimento imediato de sua presença militar ao longo da fronteira oriental — que frequentemente se delineia perto da Rússia — em resposta à agressão russa na Ucrânia. Enquanto isso, os líderes da Rússia e da Alemanha conversaram sobre a tensão na Ucrânia, mas chegaram a conclusões bem diferentes, disseram seus gabinetes.

Entenda: Saiba quais são as cidades afetadas pelo movimento separatista na Ucrânia

Insurgentes em Slovyansk capturaram o quartel-general da polícia e o prédio da administração, reivindicando mais autonomia para o leste da Ucrânia e vínculos mais próximos com a Rússia. Suas ações foram repetidas em ao menos oito cidades na região oriental ucraniana — e, segundo o governo central, Moscou está fomentando o levante.

Veja imagens da presença militar da Rússia e de grupos pró-Rússia na Ucrânia:

Um dos soldados ucranianos disse que eles desertaram para o lado pró-russo — o que levanta a possibilidade de um motim liderado pelas descontentes forças ucranianas. Mas um jornalista da Associated Press ouviu outro soldado sugerindo que foram forçados sob a mira de uma arma a entregar os veículos. "Como devia me comportar se havia armas apontadas para mim?", indagou o soldado, que não se identificou, a um morador.

Apelo: Ucrânia pede tropas de paz da ONU no leste

Quebrando horas de silêncio, o Ministério da Defesa da Ucrânia emitiu uma declaração dizendo que soldados ucranianos entraram em Kramatorsk, no sul de Slovyansk, na manhã desta quarta, onde locais e "membros dos grupos de sabotagem russos" capturaram seis veículos blindados e os levaram para Slovyansk.

O Exército disse que "o paradeiro dos oficiais ucranianos" ainda não é conhecido. A agência de notícias Interfax citou Miroslav Rudenko, um dos líderes insurgentes em Slovyansk, dizendo que aos soldados será oferecida a chance de entrar para um milícia local ou deixar a região.

Dia 7: Rússia tenta desmembrar a Ucrânia com protestos, acusa governo em Kiev

O leste da Ucrânia era a base de apoio do presidente deposto Viktor Yanukovych , que fugiu para a Rússia depois de meses de protestos contra sua decisão de rejeitar relações mais próximas com a União Europeia (UE) e, em vez disso, se voltar para a Rússia.

Refletindo a preocupação do Ocidente sobre a tensão na Ucrânia, a chanceler alemã, Angela Merkel, ligou para o presidente russo, Vladimir Putin, para discutir a situação e os preparativos para as negociações diplomáticas de quinta-feira em Genebra sobre a Ucrânia.

O Kremlin disse que Putin disse a Merkel que "a forte escalada da conflito coloca na realidade o país à beira de uma guerra civil". O gabinete de Merkel afirmou que ela e Putin tiveram "diferentes avaliações" dos eventos na Ucrânia.

*Com AP

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.