Jornalista venezuelana é libertada após sequestro de uma semana

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Sequestro de Nairobi Pinto, chefe de correspondentes de TV privada, chamou atenção mais uma vez para violência do país

Reuters

Reprodução/Facebook
Nairobi Pinto, editora no canal de notícias 24 horas Globovisión, havia sido sequestrada no domingo (6), na Venezuela

Uma destacada jornalista venezuelana foi libertada nesta segunda-feira depois de um sequestro de uma semana que chamou a atenção mais uma vez para a violência endêmica no país.

Nairobi Pinto: Jornalista de uma rede de TV é sequestrada na Venezuela

Janeiro: Venezuela desperta para violência epidêmica após assassinato de ex-miss

Nairobi Pinto, de 32 anos, chefe de correspondentes da emissora de TV privada Globovisión, foi encontrada na cidade de Cúa, cerca de 60 quilômetros ao sul da capital, Caracas, disseram as autoridades.

"Ela está indo para casa sã e salva", declarou o ministro do Interior, Miguel Rodríguez, em coletiva com Nairobi, cujo desaparecimento foi notícia de primeira página por uma semana no país.

Rodríguez disse que 3 mil policiais estavam em busca de Nairobi, mas nenhum outro detalhe foi dado sobre quem a havia sequestrado ou em que circunstâncias ela foi libertada. Sequestros são frequentes na Venezuela, principalmente para obter dinheiro.

"Obrigado Deus por me dar força e pôr um fim nisto", disse ela. A Globovisión foi durante anos veementemente contra o governo, até ter mudado de dono em 2013.

ONU: Países da América Latina lideram índice de homicídios no mundo

A Organização das Nações Unidas (ONU) informou na semana passada que a Venezuela tem a segunda taxa de homicídios mais alta do mundo, citando 53,7 homicídios por 100 mil pessoas em 2012.

O governo do presidente venezuelano, Nicolás Maduro, disse que a cifra caiu para 39 no ano passado, mas um órgão não governamental de defesa de direitos afirma que, na realidade, o nível real é o dobro.

Ela foi levada por homens armados em 6 de abril ao voltar para casa após ir a um supermercado em Caracas. Colegas e parentes fizeram vigílias diárias e caminhadas para exigir o seu resgate seguro.

Leia tudo sobre: venezuelasequestro

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas