Assad avalia que guerra na Síria está virando a seu favor

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Presidente da Síria se prepara para concorrer e assumir o terceiro mandato na eleição prevista para julho

Reuters

Por Mariam Karouny

BEIRUTE, 13 Abr (Reuters) - O presidente da Síria, Bashar al-Assad, afirmou no domingo que o conflito que já dura três anos no país está em um momento decisivo, virando a seu favor, devido às conquistas militares de suas forças contra os rebeldes, informou a mídia estatal.

Aliados de Assad têm afirmado que o presidente está confiante, se mantém no controle e esperam que ele concorra e vença a eleição presidencial em julho, o que representa uma mudança em relação ao ano passado quando esteve prestes a ser derrotado pelos rebeldes quando avançaram rumo à capital Damasco, combateram no coração da cidade e tomaram o controle de áreas-chave.

Em declarações feitas a estudantes e funcionários do departamento de ciências políticas da Universidade de Damasco, Assad afirmou "que há um ponto de virada na crise na Síria em termos da continuidade das conquistas militares... pelo Exército e Forças Armadas na guerra contra o terror e em ... termos de reconciliação nacional", disse a agência de notícias estatal SANA.

Nos últimos meses, forças do governo, apoiadas por combatentes muçulmanos xiitas do grupo libanês Hezbollah, recapturaram várias áreas tomadas por rebeldes e de fronteira, fechando as rotas usadas para suprir os rebeldes e garantindo a segurança na principal rodovia que leva ao norte desde Damasco, através do centro da Síria, Homs e mediterrâneo.

Assad se prepara para concorrer e assumir o terceiro mandato na eleição prevista para julho, que potências internacionais que apoiam rebeldes já descreveram como uma "paródia da democracia".

Na semana passada, um ex-primeiro-ministro russo revelou que Assad disse esperar que grande parte do combate terminaria até o fim do ano. No mesmo dia, o líder do Hezbollah teria dito que o presidente sírio já não corria mais risco de ser deposto.

A guerra civil, que começou com um movimento de protestos pacíficos, já deixou mais de 150.000 morto e obrigou milhões a deixarem suas casas.

Assad tem usado tanques e aviões de guerra para atacar áreas dominadas por rebeldes, e os opositores o acusam de usar gás venenoso para forçar a saída de civis de territórios que os rebeldes controlam.

Leia tudo sobre: mundo árabesíriaassad

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas