Ucrânia prepara resposta armada após cidade ser tomada por forças pró-Rússia

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Enquanto a crise na Ucrânia ainda não está resolvida, a disputa pelo gás ameaça afetar milhões de pessoas em toda a Europa

Reuters

Por Pavel Polityuk e Thomas Grove

REUTERS/Gleb Garanich
Manifestantes Pró-Rússia balançam a bandeira russa em frente a um grupo de policiais da Ucrânia em Slaviansk neste sábado (12/04)

KIEV, 12 Abr (Reuters) - Separatistas armados praticamente tomaram controle de uma cidade no leste da Ucrânia neste sábado enquanto Kiev prepara tropas para lidar com o que chamou de "um ato de agressão da Rússia".

Ativistas pró-Rússia carregando armas automáticas tomaram prédios do governo em Slaviansk e levantaram barricadas nos arredores da cidade. Prédios oficiais em diversas cidades vizinhas também foram atacados.

Os acontecimentos elevaram preocupações sobre uma possível "guerra do gás", que pode interromper o fornecimento de energia no continente.

"As autoridades ucranianas consideram os eventos uma demonstração de agressão externa por parte da Rússia", disse o ministro do Interior, Arsen Avakov, em comunicado.

"Unidades dos ministérios do Interior e Defesa estão implementando um plano de resposta operacional", acrescentou.

A Rússia e a Ucrânia estão inseridas em uma tensa disputa depois que protestos em Kiev derrubaram o presidente pró-Kremlim Viktor Yanukovich. Logo depois, os russos enviaram suas tropas para anexar a Crimeia, que era parte da Rússia até 1954.

Moscou nega quaisquer planos de enviar forças para o país ou dividir a Ucrânia, mas autoridades de Kiev favoráveis à integração com o ocidente acreditam que a Rússia está tentando criar um pretexto para uma nova intervenção.

A Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) afirmou que forças armadas russas estão se concentrando na fronteira leste da Ucrânia, enquanto Moscou disse que se tratam de movimentações rotineiras.

Ao menos 20 homens armados com pistolas e rifles tomaram a estação de polícia e a sede de serviços de segurança em Slaviansk, cidade com mais de 100 mil habitantes a cerca de 150 quilômetros da fronteira com a Rússia.

Funcionários afirmaram que os homens coletaram centenas de pistolas de arsenais nos prédios. Os militantes substituíram a bandeira ucraniana em um dos prédios pela bandeira vermelha, branca e azul da Rússia.

Washington ecoou a avaliação de Kiev de que Moscou é responsável pelos acontecimentos. "Violência preocupante na Ucrânia hoje. A Rússia parece estar por trás disso novamente", disse a porta-voz do Departamento de Estado norte-americano Jen Psaki no Twitter.

Comboio de caminhões brancos com ajuda humanitária deixa Alabino, nos arredores de Moscou, Rússia (12/08). Foto: APManifestante ao lado de transeuntes na Praça da Independência em Kiev (9/08). Foto: ReutersManifestante segura coquetel molotov enquanto tenta impedir que trabalhadores municipais e voluntários limpem barricadas em Kiev (9/08). Foto: ReutersMembro de equipe antibomba inspeciona cratera com os restos de um projétil depois de uma noite de combates em Donetsk, Ucrânia (6/08). Foto: APMulher deixa prédio danificado por suposto bombardeio levando seus pertences na área central de Donetsk, Ucrânia (29/07). Foto: ReutersRebeldes pró-Rússia em um tanque com a bandeira da Rússia em uma estrada a leste de Donetsk, Ucrânia (21/07). Foto: APPrimeiro-ministro ucraniano Arseniy Yatsenyuk, à dir., conversa com um oficial durante inspecção ao Exército fora da cidade de Slovyansk, Ucrânia (16/07). Foto: APPremiê ucraniano, Arseniy Yatsenyuk (E), cumprimenta soldado ao inspecionar tropas em Slovyansk, leste da Ucrânia (16/07). Foto: APMulher chora perto de prédio que desmoronou após ataque aéreo em Snizhne, a 100 km a leste da cidade de Donetsk, no leste da Ucrânia (15/07). Foto: APCombatente da República Popular de Donetsk se despede de sua família, que deixa essa cidade no leste da Ucrânia para refugiar-se na Rússia (14/07). Foto: APCombatentes separatistas pró-russos esperam atrás de sacos de areia em posto de controle em Donetsk, Ucrânia (10/07). Foto: ReutersMilitares ucranianos perto das armas apreendidas de separatistas pró-russos perto Slaviansk, Ucrânia (8/07). Foto: ReutersMilitante mascarado pró-Rússia organiza o trânsito em posto de controle após ataque das tropas ucranianas em Slovyansk (24/4). Foto: APAtiradores mascarados pró-Rússia guardam entrada de escritório regional ucraniano do Serviço de Segurança em Luhansk com bandeira russa ao fundo (21/4). Foto: APAtivista mascarado pró-Rússia guarda barricada em prédio da administração regional capturado em Donetsk. Cartaz diz: 'EUA, tirem as mãos do leste da Ucrânia' (19/4). Foto: APAtivista mascarado pró-Rússia olha para o lado de fora de janela em prédio da administração regional de Donetsk, Ucrânia (18/4). Foto: APAtirador pró-Rússia abre caminho para veículo de combate com homens armados em seu topo em Slovyansk, Ucrânia (16/4). Foto: APAtivista mascarado pró-Rússia guarda barricada em prédio da administração regional em Donetsk, Ucrânia (15/4). Foto: APAtivista pró-Rússia é visto durante invasão de delegacia na cidade de Horlivka, leste da Ucrânia (14/4). Foto: APAtivistas armados pró-Rússia ocupam a delegacia de polícia no leste da Ucrânia, na cidade de Slaviansk (12/04). Foto: APAtivistas pró-Rússia ocupam delegacia de polícia e constroem uma barricada na cidade ucraniana oriental de Slovyansk (12/04). Foto: APHomens armados não identificados caminham em área perto de unidade militar ucraniana em Simferopol, Crimeia (18/3). Foto: APSoldado armado, provavelmente russo, anda perto de uma base militar ucraniana na aldeia de Perevalnoye (9/3). Foto: ReutersUm homem armado, que se acredita ser um soldado russo, anda perto da base naval ucraniana na Crimeia, no porto de Yevpatory (8/3). Foto: ReutersMarinheiro observa navio inativo Ochakov, que foi afundado por tropas russas e bloqueou o tráfego de cinco embarcações ucranianas em Myrnyi, oeste da Crimeia, Ucrânia (6/3). Foto: APCriança brinca perto de soldado russo (D) enquanto soldados ucranianos observam do outro lado do portão de base em Perevalne, Crimeia (4/3). Foto: APSoldado pró-Rússia bloqueia base naval na vila de Novoozerne, Crimeia, na Ucrânia (3/3). Foto: APGrupo de homens armados sem emblemas em uniformes cortam luz do Quartel-General das forças navais ucranianas em Sevastopol, Crimeia, Ucrânia (2/3). Foto: APComboio russo se move de Sevastopol para Sinferopol na Crimeia, Ucrânia (2/3). Foto: APHomem com uniforme sem identificação monta guarda enquanto tropas tomam controle de escritórios da Guarda Costeira em Balaklava, em Sevastopol (Crimeia), na Ucrânia (1/3). Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda em Balaklava, nos arredores de Sevastopol, na ucraniana Península da Crimeia (1/3)
. Foto: APEmblema em veículo e placas de outros carros indicam que tropas são do Exército russo (1/3). Foto: APHomens armados não identificados e vestidos com uniformes de camuflagem bloqueiam a entrada do prédio do Parlamento da Crimeia em Simferopol, Ucrânia (1/3). Foto: APHomens armados não identificados bloqueiam entrada de Parlamento da Crimeia em Simferopol, Ucrânia (1/3). Foto: APHomem armado não identificado com uniforme de camuflagem bloqueia estrada que leva a aeroporto militar em Sevastopol, na Crimeia. Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda durante tomada de controle de escritórios da Guarda Costeira em Balaklava, Crimeia, na Ucrânia (1/3). Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda durante tomada de controle de escritórios da Guarda Costeira em Balaklava, Crimeia, na Ucrânia (1/3). Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda nos arredores de Sevastopol, na ucraniana Crimeia. Foto: APHomem com uniforme sem identificação patrula aeroporto de Simferopol, na Ucrânia (28/2). Foto: AP

Bloqueios de estrada

Em uma estrada que conduz Slaviansk, outros membros do grupo, armados com rifles automáticos, criaram um obstáculo à passagem e passaram a verificar os veículos que entram na cidade, disse um repórter da Reuters.

Não havia nenhum sinal de policiais ucranianos na cidade.

O governo atual da Ucrânia, apoiado pelo Ocidente, advertiu para uma reação dura se militantes não depuserem as armas, mas não ficou claro se as agências locais ainda estavam recebendo ordens de Kiev após o chefe da polícia local deixar o cargo.

Kostyantyn Pozhydayev saiu para falar com manifestantes pró-Rússia em seus escritórios na capital regional, Donetsk, e lhes disse que estava saindo do cargo "de acordo com suas demandas." Alguns de seus funcionários deixaram o prédio.

Os manifestantes ocuparam o andar térreo da sede da polícia de Donetsk e uma bandeira preta e laranja adotada por separatistas pró-Rússia sobrevoava o prédio no lugar da bandeira ucraniana.

As ocupações são um potencial problema, porque se os manifestantes forem mortos ou feridos por forças ucranianas, o Kremlin poderia intervir para proteger a população de língua russa local, uma repetição do cenário ocorrido na Crimeia.

Oleksandr Turchynov, presidente em exercício da Ucrânia, convocou uma reunião de emergência do Conselho de Segurança Nacional para sábado à noite para discutir a instabilidade no leste.

Guerra do Petróleo

Enquanto a crise na Ucrânia ainda não está resolvida, a disputa pelo gás ameaça afetar milhões de pessoas em toda a Europa.

Grande parte do gás natural que a União Europeia compra da Rússia passa pelo território ucraniano. Portanto, se os russos cortarem o fornecimento à Ucrânia por inadimplência, vários clientes europeus ficariam sem esse gás.

Por Conor Humphries em Kiev, Alexei Anishchuk, Alessandra Prentice e Vladimir Soldatkin em Moscou, William Schomberg em Londres, Annika Breidthardt em Berlim, Lina Kushch em Donetsk e Gleb Garanich em Slaviansk.

Leia tudo sobre: ucrâniarússiagásinvasãocriméiarussia na ucraniacrise na ucrania

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas