Papa Francisco pede perdão por abusos sexuais cometidos por padres

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Papa diz ter ouvido um 'chamado' para pedir perdão e afirma que não haverá recuo da Igreja em investigações sobre crime

O papa Francisco pediu nesta sexta-feira (11) o perdão das vítimas de abusos sexuais de padres e prometeu que não haverá recuo da Igreja em sua luta para proteger as crianças.

2013: Papa estabelecerá comissão para combater abuso sexual infantil e ajudar vítimas

Reuters
Papa Francisco toca a própria testa ao liderar audiência geral na Praça de São Pedro, no Vaticano (9/4)


Vaticano: Relatório da ONU sobre abuso é distorcido, injusto e tendencioso

Francisco fez as declarações após as críticas de grupos de defesa das vítimas, que reclamavam da falta de atenção da Igreja Católica para o problema e as demandas em andamento para punir bispos que encobriram pedófilos.

Em seu discurso aos membros do Secretariado Internacional Católico da Infância (BICE – Bureau Internationale Catholique de l'Enfance), da França, Francisco disse ter ouvido um "chamado para assumir a responsabilidade" e "pedir perdão" pelo mal que alguns sacerdotes cometeram contra crianças.

Crítica: ONU acusa Vaticano de adotar políticas que permitiram abuso sexual

"A Igreja está consciente dos danos", afirmou o pontífice, citado pela Rádio Vaticano. "Me senti compelido a pessoalmente assumir todo esse mal cometido por alguns padres - em pequeno número, obviamente não comparável ao número de todos os padres -, a pessoalmente pedir perdão pelo dano que causaram ao abusar sexualmente de crianças."

"Não queremos regredir em lidar com esse problema e com as punições que devem ser impostas. Pelo contrário, acho que devemos ser ainda mais fortes! Não se brinca com as vidas das crianças."

Janeiro: ONU pressiona Vaticano a revelar dimensão de abuso sexual

No mês passado, o papa nomeou os membros de uma comissão para aconselhá-lo sobre as melhores práticas para o combate do abuso sexual na Igreja. Metade do grupo é composto por mulheres que foram agredidas por padres quando eram crianças.

O Vaticano disse que os membros vão elaborar os estatutos da comissão e observaria para os "deveres e responsabilidades legais" do pessoal da Igreja, uma sugestão que pode levar até a questão crítica de disciplinar bispos cúmplices. A lei da Igreja prevê sanções se um bispo é negligente no exercício das suas funções, mas até agora nenhum bispo foi disciplinado por proteger um abusador.

*Com Reuters e AP

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas