Ucrânia deve US$ 2,2 bilhões à Gazprom e deixou de pagar suas contas de março, num momento de forte tensão com Moscou

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, informou a vários líderes europeus sobre a "situação crítica" das dívidas ucranianas pela aquisição de gás natural, alertando para um possível impacto sobre o fluxo de gás da Rússia para a Europa, disseram agências russas de notícias nesta quinta-feira.

Condição: Otan pede que Rússia retire tropas da fronteira com a Ucrânia se quiser diálogo

Presidente da Rússia, Vladimir Putin, sorri durante encontro com ativistas da Frente Popular na residência de Novo-Ogaryovo, nos arredores de Moscou
AP
Presidente da Rússia, Vladimir Putin, sorri durante encontro com ativistas da Frente Popular na residência de Novo-Ogaryovo, nos arredores de Moscou

Putin manifestou "extrema preocupação com a situação que cerca as dívidas ucranianas pelo gás e o suprimento de gás para a União Europeia", disse a agência estatal RIA, citando o porta-voz presidencial Dmitry Peskov.

A estatal Gazprom parou de enviar gás à Ucrânia durante disputas sobre o preço nos invernos de 2005/6 e 2008/9, o que levou à redução da oferta para os países europeus que recebem gás russo via dutos que cruzam a Ucrânia.

A Gazprom diz que a Ucrânia lhe deve US$ 2,2 bilhões e deixou de pagar suas contas de março, num momento de forte tensão entre os dois países por causa da anexação da Crimeia por Moscou .

Crítica à Otan

Também nesta quinta-feira, o Ministério das Relações Exteriores da Rússia acusou a Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) de usar a crise na Ucrânia para aumentar seu apelo junto aos membros e justificar sua existência, reunindo-os contra uma ameaça imaginária.

Dia 1º: Otan suspende cooperação civil e militar com a Rússia em resposta à Crimeia

A crise na Ucrânia colocou a Rússia e os países ocidentais em um disputa ao estilo da Guerra Fria, e o secretário-geral da Otan, Anders Fogh Rasmussen, alertou Moscou para retirar suas tropas da fronteira com a Ucrânia se quiser evitar as consequências de uma ação da aliança.

Veja imagens da presença militar da Rússia na Crimeia:

O ministério russo disse que as declarações de Rasmussen são provocadoras e que, nos últimos meses, ele não ofereceu "qualquer agenda construtiva" para a crise da Ucrânia e que estaria aumentando a instabilidade na região.

Reação: Rússia acusa Otan de retomar discurso da Guerra Fria após suspensão de acordo

"As constantes acusações contra nós por parte do secretário-geral nos convence de que a aliança está tentando usar a crise na Ucrânia para reunir suas fileiras diante de uma ameaça externa imaginária aos membros da Otan e para fortalecer a demanda para a aliança no século 21", disse.

A Otan suspendeu toda a cooperação militar e civil com a Rússia , embora tenha dito que o diálogo político poderia continuar em nível de embaixador ou superior, desde que a Rússia incorporou a Crimeia no mês passado.

A aliança militar ocidental também tem limitado o acesso de diplomatas russos à sua sede e está revisando um acordo de 1997 de cooperação com a Rússia e a posterior declaração de Roma de 2002, que impede a criação de bases na Europa Central e Oriental.

A Rússia respondeu acusando a Otan de ter uma mentalidade da Guerra Fria e manifestou preocupação com a possibilidade do envio de tropas permanentes da aliança para a Europa Oriental.

*Com Reuters

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.