Pergunta difícil de responder não é se quer ser presidente, mas 'o que se pode oferecer para fazer a diferença?', afirma Hillary

Reuters

Questionada mais uma vez sobre a dúvida que todos que acompanham a política dos EUA têm, Hillary Clinton disse na terça-feira que está "pensando" sobre uma candidatura presidencial em 2016.

2013: Por 'pressão', diretor cancela documentário sobre Hillary Clinton

Ex-secretária de Estado dos EUA Hillary Rodham Clinton gesticula antes de discursar em evento de marketing em São Francisco (8/4)
AP
Ex-secretária de Estado dos EUA Hillary Rodham Clinton gesticula antes de discursar em evento de marketing em São Francisco (8/4)

NYT: Indefinição de Hillary sobre corrida presidencial paralisa doadores e rivais

Convidada de uma conferência de marketing em São Francisco, Hillary, amplamente considerada a favorita dentro do Partido Democrata se entrar na disputa, foi perguntada: "Quais são seus planos? Você vai entrar (na corrida)? Você pode anunciar aqui se quiser."

"Na verdade estou aqui buscando alguns conselhos de marketing", disse Hillary, acrescentando: "Fico obviamente lisonjeada e profundamente honrada por ter as pessoas me perguntando e me incentivando. E estou pensando sobre isso, mas vou continuar pensando sobre isso por um tempo", afirmou, sob aplausos da plateia.

"Parte disso é porque as perguntas difíceis não são: 'Você quer ser presidente? Você pode ganhar?'. As perguntas difíceis são por quê. Por que você iria querer fazer isso e o que você pode oferecer que poderia fazer a diferença?", afirmou Hillary em um vídeo da conversa divulgado na internet.

A ex-primeira-dama e senadora dos EUA, que foi derrotada pelo presidente Barack Obama na corrida para a nomeação presidencial democrata de 2008, disse que os EUA estão passando por um período de disfunção política.

"Eu vi isso de longe, quando era secretária, e foi desanimador e até mesmo constrangedor... realmente as coisas estão além dos limites", disse Hillary, que serviu como secretária de Estado no primeiro mandato de Obama.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.