Governo argentino enfrenta greve geral na quinta-feira

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Paralisação convocada por sindicatos tem como objetivo protestar contra inflação, insegurança e narcotráfico no país

Agência Brasil

O governo argentino enfrenta na quinta-feira (10) uma greve geral que deve afetar transporte público, saúde, hospitais, escolas, bancos e vários setores da economia. A paralisação foi convocada pela ala da Central Geral de Trabalhadores (CGT) comandada pelo líder do poderoso sindicato dos caminhoneiros, Hugo Moyano (que até 2011 era aliado do governo); pela CGT Azul e Branca e pela Central dos Trabalhadores Argentinos (CTA) opositora, liderada por Pabli Micheli. Agrupações de esquerda também ameaçam realizar mais de 40 bloqueios nas principais vias de acesso a Buenos Aires.

Violência: Onda de linchamentos preocupa governo na Argentina

AP
Presidente argentina, Cristina Kirchner, conversa com a imprensa no ano passado

Janeiro: Presidente da Argentina quebra silêncio de 40 dias com pronunciamento público

O chefe de gabinete da presidência argentina, Jorge Capitanich, criticou nesta terça-feira (9) a decisão de paralisar todo tipo de transporte. “É impossível medir o apoio a uma greve quando os trabalhadores que querem trabalhar não podem porque não têm como chegar ao seus locais de trabalho: porque não tem ônibus, trens ou metrô”, disse Capitanich em coletiva.

As autoridades argentinas avisaram que a greve também pode afetar o jogo do Botafogo, que enfrenta o San Lorenzo nesta quarta-feira (9), pelo Grupo 2 da Copa Libertadores. O jogo, no estádio do San Lorenzo (time do papa Francisco), em Buenos Aires, começa às 22 horas e deve terminar no mesmo horário em que a paralisação terá inicio. A delegação brasileira volta ao Rio na quinta e pode ter dificuldades para sair do país.

2013: Cristina Kirchner não concorrerá a cargos nas eleições de 2015

Na greve geral de 2012 - a primeira desde que os Kirchner chegaram ao poder, em 2003 - as companhias aéreas argentinas cancelaram voos ao Brasil e do Brasil à Argentina. Foi o maior protesto em dez anos e marcou o rompimento de parte do movimento sindical argentino com o governo.

Tradicionalmente, os sindicatos apoiaram os governos peronistas (do Partido Justicialista, fundado na década de 1950 pelo ex-presidente Juan Perón). Moyano foi aliado do ex-presidente Néstor Kirchner (2003-2007) e de sua viúva, a presidenta Cristina Kirchner, até 2011, quando decidiu passar para a oposição.

A greve é contra a inflação que, segundo os economistas do setor privado, deve superar 30% este ano. Desde janeiro, o índice inflacionário oficial (que sempre foi inferior) registrou aumentos mensais de custo de vida superiores a 3%.

A greve ocorre às vésperas do inicio das paritárias: negociações entre sindicatos e empresários por aumentos salariais que, na Argentina, são aprovadas pelo Ministério do Trabalho. O sindicato dos bancários já acertou um aumento de 29% e não aderiu à paralisação. Mas outros líderes sindicais exigem aumentos superiores, sem ter que negociar dentro de parâmetros estabelecidos, além de aumentos para os aposentados.

Faltando dois anos para o fim do segundo mandato presidencial de Cristina Kirchner, a oposição já se articula para as eleições de 2015. A greve geral também foi convocada para combater a crescente insegurança na Argentina e contra o narcotráfico - duas das bandeiras defendidas pela maioria dos aspirantes à presidência.

Leia tudo sobre: argentinacristina kirchnergreve geral

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas