EUA alertam para capacidade iraniana de produzir bomba nuclear em 2 meses

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Comentários de John Kerry mostram preocupação do ocidente sobre arma nuclear do país; Irã diz que seu programa é pacífico

Reuters

Os Estados Unidos disseram na terça-feira (8) que o Irã tem a capacidade de produzir material físsil para uma bomba nuclear em dois meses, se assim decidir, um comentário feito no dia em que o Irã e seis potências mundiais entraram em uma nova rodada de negociações, em Viena, para resolver sua disputa atômica.

AP
Secretário de Estado John Kerry testemunha na Comissão de Relações Exteriores do Senado para discutir próximos passos da diplomacia dos EUA no mundo, em Washington (8/04)


Os comentários do secretário de Estado norte-americano, John Kerry, em Washington, evidenciaram as preocupações do Ocidente com as intenções nucleares do Irã e as divergências entre os dois lados que ainda podem frustrar um acordo. O Irã diz que seu programa nuclear é inteiramente pacífico.

O objetivo primordial das potências -- Grã-Bretanha, França, China, Rússia, Alemanha e Estados Unidos -- nas negociações é convencer o Irã a reduzir seu programa para o ponto que ele levaria muito mais tempo, talvez até um ano, para produzir combustível para uma bomba, se o país quisesse.

"Acho que é de conhecimento público, hoje, que estamos operando com um período de tempo de cerca de dois meses para a chamada 'fuga'. Isso tem sido de domínio público", declarou Kerry em uma audiência no Senado.

O tempo de "fuga" do Irã é definido como o tempo que iria levar para produzir material físsil para uma arma nuclear, se decidisse construir tais armas de destruição em massa.

Para alongar esse cronograma, as potências querem que o Irã reduza o número de centrífugas que opera para refinar urânio e também a quantidade de urânio enriquecido que produz, bem como limitar a sua pesquisa de novas tecnologias e se submeter a inspeções invasivas pela agência nuclear da Organização das Nações Unidas.

A República Islâmica diz que sua atividade nuclear de produção de combustível é apenas para fins pacíficos, como a geração de eletricidade, e quer que as sanções econômicas duras impostas pelo Ocidente e a ONU sejam removidas como parte de qualquer acordo final.

O negociador sênior do Irã, o vice-chanceler Abbas Araqchi, disse que as "discussões gerais" tinham sido concluídas.

"O reator (nuclear de água pesada) de Arak permanecerá como um reator de água pesada... mas existem meios técnicos para diminuir as preocupações sobre suas atividades. O Irã também não vai parar ou suspender os seus trabalhos de enriquecimento de urânio em nenhuma circunstância", disse Araqch. "Mas o nível de enriquecimento pode ser discutido."

O urânio refinado pode ser usado para abastecer usinas nucleares, o propósito declarado do Irã, mas também pode fornecer material para uma bomba, que o Ocidente suspeita ser o objetivo final de Teerã.

O reator de Arak, uma vez operacional, pode produzir plutônio, outro material físsil para armas. Mas o Irã diz que pretende usar o reator apenas para fins de investigação médica e agrícola.

Leia tudo sobre: kerryarma nuclear do iraplutonioaraqchreuniao

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas