Guiné tem 101 mortes confirmadas, enquanto a Libéria tem 10. Vírus mortal ainda se espalha em 3 regiões de Guinée Forestière

Reuters

A Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmou nesta terça-feira que precisará de dois a quatro meses para conter um surto "desafiador" do vírus ebola no oeste da África.

Dia 5: Multidão ataca centro de tratamento de ebola na Guiné

Cientista separa células de sangue de células do plasma para isolar RNA do ebola no Laboratório Móvel Europeu em  Gueckedou, Guiné (3/4)
Reuters
Cientista separa células de sangue de células do plasma para isolar RNA do ebola no Laboratório Móvel Europeu em Gueckedou, Guiné (3/4)

Cenário: Surto de ebola assusta brasileiros na Guiné

O vírus mortal ainda está se espalhando em três regiões críticas de Guinée Forestière, região do sudeste do país a cerca de 900 km da capital da Guiné, Conacri, cidade que relatou 20 casos até o momento, informou a agência das Nações Unidas.

Mas a OMS disse não recomendar nenhuma restrição de viagem à Guiné, que tem um total de 157 casos suspeitos e confirmados da doença, incluindo 101 mortes, ou à Libéria, que tem 21 casos suspeitos e confirmados e 10 mortes.

"Creio que vamos estar totalmente envolvidos com esse surto durante os próximos dois, três, quatro meses antes de podermos afirmar com segurança que o superamos", disse o doutor Keija Fukuda, ditetor-geral assistente da OMS, em uma coletiva em Genebra. "Esse é um dos surtos de ebola mais desafiadores que já enfrentamos", afirmou.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.