Secretário de Estado americano pede a colega em Moscou que Rússia repudie atividades de separatistas no Leste ucraniano

BBC

O governo dos Estados Unidos expressou "grande preocupação" com o aumento da tensão no leste da Ucrânia, após manifestantes pró-Rússia terem invadido sedes do governo em três cidades.

Ontem: Rússia tenta desmembrar a Ucrânia com protestos, acusa governo em Kiev

Ativistas pró-Rússia invadiram sede do governo de Donetsk e hastearam bandeira da Rússia
Reprodução/BBC
Ativistas pró-Rússia invadiram sede do governo de Donetsk e hastearam bandeira da Rússia


Donetsk: Ativistas pró-Rússia proclamam república separatista em cidade da Ucrânia

O secretário de Estado americano, John Kerry, disse ao ministro das Relações Exteriores russo, Sergei Lavrov, que eventuais atividades russas para "desestabilizar" a Ucrânia "terão custos".

A Ucrânia está enviando oficiais a Donetsk, Luhansk e Kharkiv, após milicianos terem ocupado uma a sede do governo de Donetsk e ter declarado uma "república popular" no local na segunda-feira (7). Eles pediram ainda a realização de um referendo no dia 11 de maio na cidade para decidir sua possível separação da Ucrânia.

A Rússia recentemente anexou a península da Crimeia, onde a maioria das pessoas são de etnia russa, após a realização de um referendo em que a grande maioria dos votantes optou pela anexação da região pela Rússia.

O referendo foi considerado ilegal pelo governo ucraniano e pelas grandes potências ocidentais.

Movimentação militar

Moscou agora conta com milhares de soldados na região da fronteira entre a Rússia e o Leste da Ucrânia. Apesar de insistir que não tem a intenção de invadir a Ucrânia, o governo russo disse que se reserva o direito de defender russos étnicos no país vizinho.

A Rússia vem se recusando a reconhecer novas autoridades que assumiram o poder em Kiev após o presidente pró-Moscou, Viktor Yanukovych, ter sido deposto em fevereiro.

Confira fotos da ocupação russa na Crimeia, no início deste ano

Domingo: Manifestantes pró-Rússia invadem prédio do governo no leste da Ucrânia

A porta-voz do Departamento de Estado americano, Jen Psaki, afirmou, em um telefonema, que Kerry pediu "que a Rússia publicamente repudiasse as atividades dos separatistas, sabotadores e provocadores", na Ucrânia. Ela afirmou que as ações vistas no leste da Ucrânia "não parecem ser uma série de eventos espontâneos".

"Ele deixou claro que quaisquer esforços por parte da Rússia para desestabilizar a Ucrânia terão novos custos para a Rússia", afirmou a Psaki.

Acusações de Lavrov

Os Estados Unidos e a União Europeia já impuseram sanções contra autoridades russas em represália à anexação da Crimeia. O chanceler russo, Sergei Lavrov, em um artigo no jornal britânico The Guardian, negou que a Rússia esteja tentando desestabilizar a Ucrânia.

Lavrov acusou os Estados Unidos e a União Europeia de estarem tentando "compelir a Ucrânia a fazer uma dolorosa escolha entre o Leste e o Ocidente, agravando ainda mais diferenças internas".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.