Policial afegão mata fotógrafa e fere jornalista às vésperas das eleições

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Anja Niedringhaus morreu na hora. Já Kathy Gannon foi levada ao hospital e sua condição é estável, de acordo com os médicos

Uma veterana fotógrafa da Associated Press foi morta e uma repórter ferida nesta sexta-feira (4), quando um policial afegão abriu fogo enquanto elas estavam sentadas em seu carro no leste do Afeganistão.

Fevereiro: Obama ordena plano do Pentágono para retirada completa do Afeganistão

AP
A fotógrafa alemã Anja Niedringhaus posa para foto em Roma, Itália, em 2005. Ela foi morta por policial do Afeganistão


Violência: Invasões e conflitos marcam história do Afeganistão

A alemã Anja Niedringhaus, 48, uma aclamada fotógrafa internacional, morreu instantaneamente, de acordo com um freelancer da AP Television News, que testemunhou o tiroteio. Já a canadense Kathy Gannon, 60, correspondente da AP que por muitos anos foi chefe da organização de notícias no Afeganistão, foi baleada duas vezes e está recebendo atendimento médico. Sua condição é estável e ela já conversa com a equipe médica.

"Anja e Kathy passaram anos no Afeganistão cobrindo conflitos juntas. Anja era uma jornalista vibrante, dinâmica e amada por suas fotografias perspicazes, com o coração quente e alegria de viver. Estamos inconsoláveis ​​com a perda dela", disse a editora executiva da AP Kathleen Carroll, em Nova York.

As duas estavam viajando em um comboio de funcionários eleitorais que entregavam cédulas na periferia de Khost, distrito de Tani. O comboio foi protegido pelo Exército Nacional Afegão e pela polícia. Elas estavam em seu próprio carro com um outro freelancer e um motorista.

De acordo com o freelancer, eles chegaram no distrito fortemente vigiado pouco antes do incidente. Enquanto estavam sentados no carro esperando para seguir o comboio, um comandante da unidade denominada Naqibullah caminhou até o carro, gritou “Allahu Akbar” - Deus é grande - e abriu fogo contra elas no banco de trás, com a sua AK-47. Ele, então, rendeu-se aos outros policiais e foi preso. Autoridades médicas em Khost logo confirmaram a morte de Anja.

2013: Obama e Karzai aceleram transição militar no Afeganistão

AP
Correspondente especial da AP regional para o Afeganistão e o Paquistão Kathy Gannon, com meninas de escola em Kandahar, Afeganistão (2011)


Os talibãs intensificaram seus ataques nas últimas semanas em uma tentativa de atrapalhar os preparativos para as eleições no país. De acordo com o correspondente da BBC no Afeganistão, David Loyn, a eleição está sendo protegida pela maior operação militar desde a queda do Talibã.

Em um memorando ao pessoal AP, o presidente AP Gary Pruitt lembrou Anja como "espírito, intrépido e destemido, com uma gargalhada estridente que vamos lembrar para sempre."

A fotógrafa cobriu várias zonas de conflito, incluindo Kuwait, Iraque, Líbia, Gaza e na Cisjordânia durante 20 anos, começando com os Balcãs na década de 1990. Ela tinha viajado ao Afeganistão várias vezes desde 2001 e recebeu inúmeros prêmios por suas obras.

Anja fazia parte da equipe da AP que ganhou o Prêmio Pulitzer de 2005 com a cobertura da guerra no Iraque, e foi agraciada com o Prêmio Coragem em Jornalismo pela Fundação Internacional de Mulheres da Media. Ela ingressou na AP em 2002.

*Com AP e BBC

Leia tudo sobre: afeganistaomortejornalistasapniedringhausgannon

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas