Israel é o primeiro país do Oriente Médio a condenar ex-premiê por corrupção

Por Nahum Sirotsky - correspondente em Israel |

compartilhe

Tamanho do texto

Crime foi cometido quando Ehud Olmert era prefeito de Jerusalém, há mais de dez anos. Pena ainda será anunciada

Uma das incontáveis observações de Winston Churchill que se transformaram em verdade aceita pelo mundo inteiro é a de que a democracia não é um sistema ideal, mas é o menos pior de todos. Churchill, como se sabe, foi o grande líder da frente ocidental que acabou derrotando o líder nazista Adolf Hitler, cujo sonho era ser imperador mundial. Hilter suicidou-se com a companheira num subterrâneo de Berlim, onde tropas soviéticas já entraram e acabaram por conquistar.

AP
Ex-premiê israelense Ehud Olmert em foto de 2009

O pequeno Israel, do tamanho de Sergipe, orgulha-se de sua democracia desde sua proclamação de independência, em 1948, como consequência da Partilha da Palestina, durante Assembleia Geral das Nações Unidas. Recordam-se os fatos.

Israel é o primeiro país do Oriente Médio a condenar um ex-primeiro-ministro por corrupção. O crime foi cometido durante a gestão de Ehud Olmert quando era prefeito de Jerusalém, há mais de dez anos. Ele, a secretária e outro funcionário “facilitaram” a construção de um gigantesco conjunto habitacional chamado “Holy Land”, em colina não prevista no Plano Diretor perto do Parlamento.

A polícia israelense investiga todas as denúncias que recebe com plena liberdade. Nos últimos anos, recolheu informações que levaram a Suprema Corte a condenar um líder de partido religioso.

Outra denúncia foi de funcionária do Ministério de Turismo, que teria sido forçada a fazer sexo com seu ministro. Ele já ocupava o cargo de presidente na ocasião. Em Israel, como na Inglaterra, o chefe de Estado é um símbolo, tem importância. Moshe Katsav renunciou, abrindo mão de imunidades, mas não conseguiu comprovar inocência. Foi condenado à prisão por decisão do Supremo.

2011: Ex-presidente de Israel começa a cumprir pena por estupro

No momento, estão em conclusão as investigações sobre suposta atuação de três altos oficiais das Forças Armadas para tentar impor seus candidatos ao cargo de chefe do Estado-Maior, em oposição ao designado pelo ministro da Defesa. Os métodos utilizados teriam sido impróprios e criminosos.

O tribunal ainda não declarou quais as penas serão impostas aos condenados por corrupção. Supostamente serão elevados valores monetários, entre outros. Em televisão árabe, de país mais liberal, comentarista ousou indagar “se em algum outro local da região poderia ocorrer o que acontece agora em Israel”.

*Com colaboração de Nelson Burd

Leia tudo sobre: israeloriente médiocorrupçãonahum sirotsky

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas