Obama se diz 'inconsolável' após a morte de quatro militares no Texas

Por BBC Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Veterano de guerra atirou em 3 soldados e depois se matou na base militar de Fort Hood, Texas; local já foi palco de massacre

BBC

Um atirador abriu fogo na base americana de Fort Hood, no Estado do Texas, matando três militares e ferindo outros 16. Depois de um tiroteio contra outros militares, o próprio atirador cometeu suicídio.

Ontem: Tiroteio mata quatro, incluindo atirador, em base militar de Fort Hood, no Texas

Reuters
General Mark Milley fala com a mídia do lado de fora de uma entrada para a base militar de Fort Hood após tiroteio, no Texas, EUA


Agosto: Atirador de massacre de Fort Hood é sentenciado à pena de morte nos EUA

O local foi palco de episódio semelhante em 2009, quando outro atirador - o major Nidal Hassan - abriu fogo dentro da instalação matando 13 soldados e deixando outros 32 feridos. 

O presidente Barack Obama disse estar "inconsolável" com a notícia e prometeu uma investigação profunda sobre o ocorrido. Ele disse que Fort Hood se sacrificou muito em nome da liberdade.

"Nós conhecemos essas famílias. Nós sabemos do serviço incrível ao nosso país e dos sacrifícios que fizeram. Obviamente nossas orações estão com toda a comunidade", disse.

O porta-voz das Forças Armadas, o general Mark Milley, afirmou que até agora não há indícios de que o tiroteio esteja ligado a uma ação "terrorista", embora a hipótese não tenha sido descartada.

Veículos de imprensa americanos afirmaram que o atirador seria um militar chamado Ivan Lopes, mas autoridades do país não confirmaram sua identidade, dizendo apenas que ele serviu em combate em 2011 no Iraque.

Veja fotos da região onde fica o Fort Hood após o tiroteio:

Lucy Hamlin segura pé do marido, o militar Timothy Hamlin, enquanto aguardam permissão para voltar a Fort Hood, Texas, onde moram (2/4)
. Foto: APGeneral Mark Milley fala com a mídia do lado de fora de uma entrada para a base militar de Fort Hood após tiroteio, no Texas, EUA (2/3). Foto: ReutersPolicial verifica documentos de motorista fora do portão principal de Fort Hood, Texas (2/4). Foto: APKrystina Cassidy e Dianna Simpson tentam fazer contato com seus maridos dentro de Fort Hood do lado de fora do Portão Bernie Beck em Fort Hood, Texas (2/4). Foto: APPolicial para carro em Fort Hood, Texas, após incidente com tiros na base americana (2/4). Foto: APSecretário de Defesa dos EUA, Chuck Hagel, recebe informações atualizadas sobre incidente com tiros na base de Fort Hood, Texas (2/4). Foto: AP

2013: Provas mostrarão que 'sou o atirador', diz acusado de massacre em Fort Hood

Milley afirmou que o atirador sofria de depressão pós-traumática e estava sendo tratado na base. O general disse ainda que todos os mortos eram militares e não se sabe se a ação do atirador foi premeditada.

O Exército americano disse que o atirador usou uma pistola de calibre 45 para fazer os disparos. Ele teria dirigido até dois prédios para fazer os disparos, até ser encontrado por uma unidade de polícia militar. O atirador teria então atirado na própria cabeça.

Sacrifício

Médicos do hospital Baylor Scott & White disseram ter recebido ao menos quatro pessoas baleadas. Outras duas estavam a caminho da emergência. As vítimas foram atingidas no pescoço, abdome e peito e seus estados de saúde variavam de estável a crítico.

Autoridades da base militar deram o alarme de perigo nesta quarta-feira ordenando moradores e militares a procurar abrigo devido a "um atirador ativo". A 1º Divisão de Cavalaria, baseada em Fort Hood, divulgou uma mensagem no Twitter aconselhando moradores a fechar as portas e ficar longe das janelas.

Em relação ao ataque de 2009, o major Nidal Hassan foi sentenciado à morte em setembro do ano passado. Ele afirmou que cometeu o crime para proteger insurgentes do Talebã contra tropas americanas que estavam a ponto de ser enviadas ao Afeganistão.

Leia tudo sobre: ataque a fort hoodtexassuicidiomilitarobama

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas