Milhares voltam para casa após terremoto com danos limitados no Chile

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Governo havia ordenado a retirada de regiões costeiras ao norte do país. Alerta de tsunami foi suspenso nesta quarta (2)

Milhares de pessoas retiradas de zonas baixas do litoral chileno por causa de um terremoto foram autorizadas a regressar para casa nesta quarta-feira (2) após suspensão do alerta de tsunami.

Hoje: Chile suspende alerta de tsunami após terremoto que matou ao menos 6

AP
Barcos de pesca foram levados à terra firme por ondas na área costeira de Iquique, Chile


Abalo: Terremoto atinge a costa do Chile

Os primeiros relatos indicam que o sismo de terça (1), apesar da magnitude de 8,2, causou apenas danos limitados. O tremor teve seu epicentro no mar, em frente à costa norte do Chile, deixando seis mortos e provocando um tsunami com ondas de 2 metros. Empresas de mineração disseram que não foram afetadas pelo terremoto no Chile, maior produtor mundial de cobre.

Autoridades disseram que entre os mortos estavam vítimas de desabamentos ou ataques do coração. A TV chilena mostrou imagens de engarrafamentos causados por pessoas querendo deixar as áreas afetadas.

O epicentro do tremor foi no mar, a 89 quilômetros a sudoeste da cidade de Cuya, no norte do Chile. O terremoto aconteceu a 20 quilômetros de profundidade, de acordo com o serviço de monitoramento geológico dos Estados Unidos.

A presidente Michelle Bachelet declarou estado de calamidade em parte do norte do Chile, prometendo reforços policiais e militares para manter a ordem enquanto os danos são reparados. Michelle deve visitar as áreas afetadas nesta quarta, enquanto as autoridades ainda avaliam a dimensão dos danos. 

Um número excepcional de tremores antecedeu ao sismo de terça, causando nervosismo entre os moradores, que abandonaram as praias, estocaram mantimentos e se prepararam para uma eventual desocupação.

Confira galeria de imagens sobre o tremor

Barcos foram lançados em terra firme por ondas após abalo sísmico no Chile (2/03). Foto: APOndas imensas acabaram levando os barcos para o cais, no Chile (2/03). Foto: APSobreviventes se abraçam após abalo de magnitude 8,2, em Iquique, Chile. Países como Peru e Bolívia também sentiram o abalo (2/03). Foto: APVeículos militares fazem ronda após terremoto em Iquique, Chile. Governo ordenou que regiões litorâneas fossem esvaziadas (2/03). Foto: APSobreviventes tentam se comunicar após terremoto de magnitude 8,2 no Chile (2/03). Foto: APRestaurante pega fogo após terremoto em Iquique, Chile (2/03). Foto: APVisão noturna da cidade de Iquique, Chile, após terremoto (2/03). Foto: AP

Assista: Tremor leva pânico a populações costeiras do Chile

"O governo do Chile tem se empenhado em conscientizar as pessoas que moram no litoral sobre a ameaça de tsunamis e o que fazer caso um se aproxime", disse Steven Godby, especialista em gestão de desastres da Universidade Nottingham Trent, na Inglaterra.

"Várias simulações de tsunami ocorreram desde o tsunami que matou mais de 500 chilenos em fevereiro de 2010, e terremotos recentes na região ajudaram a manter a ameaça firmemente na cabeça das pessoas", acrescentou.

Evacuação

Na noite de terça, o governo ordenou o esvaziamento de áreas costeiras no norte do país por causa do risco de um tsunami. Mais de 900 mil pessoas foram retiradas de suas casas, onde ainda há duras lembranças do terremoto seguido de tsunami de 2010. Outros sete tremores com 5,4 de magnitude foram registrados no norte do Chile após o terremoto principal.

Segundo autoridades do país, a cidade de Arica ficou sem energia, enquanto deslizamentos de terra bloquearam estradas e incêndios foram registrados em Iquique. Cerca de 300 prisioneiros se aproveitaram do terremoto para fugir de uma prisão em Iquique, segundo o ministro do Interior, Rodrigo Penailillo. Por sua vez, a empresa LAN cancelou voos a Arica e Iquique.

*Com Reuters e AP

Leia tudo sobre: terremoto no chilegodbybacheletemergencia

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas