Manifestantes pedem recontagem dos votos em Ancara, cujo resultado da eleição de domingo foi especialmente apertado

Reuters

A tropa de choque da polícia disparou canhões de água em Ancara nesta terça-feira para dispersar milhares de turcos que pediam uma recontagem parcial dos votos da eleição na qual o partido governista do primeiro-ministro, Recep Tayyip Erdogan, obteve grandes vitórias.

Segunda: Primeiro-ministro ataca inimigos após triunfo em eleições na Turquia

Polícia usa canhões de água para pôr fim a protesto de centenas de pessoas reunidas em frente de Conselho Eleitoral da Turquia, em Ancara
AP
Polícia usa canhões de água para pôr fim a protesto de centenas de pessoas reunidas em frente de Conselho Eleitoral da Turquia, em Ancara

Domingo: Eleições na Turquia registram oito mortes

O Partido AK, de raízes islâmicas, manteve o controle das duas maiores cidades, o centro financeiro Istambul e a capital Ancara, e ampliou sua votação nacional na votação municipal de domingo, apesar do escândalo de corrupção que atormenta o governo de Erdogan. A oposição disse que vai contestar alguns dos resultados.

Corrupção: Oposição pede que primeiro-ministro da Turquia seja investigado

Os manifestantes, que pediam uma recontagem do resultado de Ancara, especialmente apertado, reuniram-se diante do Supremo Conselho Eleitoral (YSK) entoando "Tayyip ladrão!", e "YSK, o povo está com você!" até a chegada da polícia.

Nenhum resultado oficial foi anunciado ainda, mas as estimativas publicadas pela mídia turca dão cerca de 44% do voto nacional para o AK, e entre 26% e 28% para o opositor Partido Republicano do Povo (CHP).

A eleição no único Estado predominantemente muçulmano da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) ocorreu em meio a uma disputa de poder acirrada entre Erdogan e Fethullah Gulen, clérico islâmico radicado nos EUA que o premiê acusa de conduzir uma campanha suja de publicações anônimas de gravações de áudio que o implicam em um esquema de corrupção.

Erdogan nega as acusações, assim como Gulen nega qualquer envolvimento com as gravações, obtidas de comunicações secretas do governo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.