Oficial da Marinha dos Estados Unidos afirmou que a falta de informações sobre o local exato da queda da aeronave pode estender as buscas a um 'tempo incalculável'

Reuters

A procura pelo avião da Malaysia Airlines pode levar anos, afirmou um oficial da Marinha dos Estados Unidos neste domingo (30). As buscas pela caixa preta do avião continuam antes que a bateria acabe.

Dez navios e várias aeronaves fazem buscas em uma área enorme no Oceano Índico a oeste de Perth, tentando novamente encontrar algum vestígio da aeronave, que desapareceu há mais de três semanas.

Malásia: Dez questões ainda não respondidas sobre o avião desaparecido

Um navio da marinha australiana foi equipado com um sofisticado localizador de caixa preta norte-americano e espera-se que saia do porto para fazer parte da equipe de buscas no final do dia.

Autoridades australianas e americanas explicam buscas pela caixa preta do avião desaparecido
Jason Reed/Reuters
Autoridades australianas e americanas explicam buscas pela caixa preta do avião desaparecido

Mas o capitão da Marinha dos EUA, Mark Matthews, disse a jornalistas que a falta de informações sobre o local onde o avião caiu dificulta seriamente a possibilidade de encontrá-lo.

"Neste momento, a área de pesquisa é basicamente o tamanho do Oceano Índico, o que levaria uma quantidade incalculável de tempo para procurar", disse ele.

Leia mais: Austrália diz ter avistado mais três objetos em buscas por avião desaparecido

"Se você comparar isso ao voo da Air France 447, tivemos melhores informações de onde a aeronave caiu na água", disse ele, referindo-se ao avião que caiu em 2009 perto do Brasil e que levou mais de dois anos para ser encontrado.

Inúmeros objetos foram vistos nos dois dias desde que as autoridades australianas começaram as buscas, após nova análise de dados de satélite e de radar concluir que o avião viajou mais velocidade maior e por uma distância menor depois de desaparecer dos radares civis em 8 de março.

Veja imagens relacionadas ao voo desaparecido da Malásia:


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.