Presidente dos EUA busca apoio para presença de monitores internacionais na Crimeia e retorno de tropas russas a bases

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, telefonou nesta sexta-feira para o presidente norte-americano, Barack Obama, para discutir uma proposta diplomática dos Estados Unidos para a Ucrânia, informou a Casa Branca.

Hoje: Obama pede à Rússia que retire suas tropas da fronteira com a Ucrânia

Presidente russo, Vladimir Putin (C), o ministro da Defesa Sergei Shoigu (E) e comandante Anatoly Sidorov caminham após desembarcar em São Petersburgo (3/3)
AP
Presidente russo, Vladimir Putin (C), o ministro da Defesa Sergei Shoigu (E) e comandante Anatoly Sidorov caminham após desembarcar em São Petersburgo (3/3)

Reação: Rússia critica resolução da ONU contra anexação da Crimeia

Obama sugeriu a Putin que a Rússia coloque uma "resposta concreta por escrito" à proposta dos EUA, segundo um comunicado da Casa Branca.

Obama tem buscado apoio russo para uma solução diplomática em que monitores internacionais garantiriam que os russos da região da Crimeia fossem protegidos e que as tropas russas voltassem para suas bases.

Ontem: Assembleia Geral da ONU declara referendo da Crimeia como ilegal e inválido

"O presidente Obama destacou ao presidente Putin que os Estados Unidos continuam a apoiar um caminho diplomático em estreita colaboração com o governo da Ucrânia e em apoio ao povo ucraniano", disse a Casa Branca.

Veja imagens da presença militar russa na Crimeia:

Também de acordo com a Casa Branca, o líder americano reiterou seu pedido para que Putin recue para suas bases as tropas russas que estão na fronteira com a Ucrânia . Os dois países concordaram que o secretário de Estado dos EUA, John Kerry, se reunirá com o chanceler russo, Serguei Lavrov, para discutir passos adicionais.

Quarta: EUA e UE vão definir em conjunto possíveis sanções mais duras contra Rússia

Segundo Obama, o governo ucraniano tenta coibir a escalada da crise apesar da incursão da Rússia na Crimeia, península estratégica no Mar Negro que a Rússia anexou na semana passada.

A conversa entre os dois líderes ocorreu enquanto o governo em Kiev e o Ocidente temem uma possível invasão russa no leste da Ucrânia.

*Com Reuters e AP

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.