Jovem grávida morre meio a protesto na Venezuela

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Adriana Urquiola foi alvejada ao descer de um ônibus ao sul de Caracas. Ela tinha 28 anos e estava no quinto mês de gravidez

Reprodução/Facebook
Adriana Urquiola tinha 28 anos e estava grávida de cinco meses. Ela foi morta a tiros durante protesto ao sul de Caracas, Venezuela

Uma grávida foi morta com um disparo na cabeça em meio à onda de protestos em uma municipalidade ao sul de Caracas, capital venezuelana, no domingo (23). Nesta segunda-feira, um membro da Guarda Nacional foi morto nos episódios de violência vinculados aos atuais protestos que atingem o país.

Hoje: Opositora tem mandato cassado no Congresso e perde imunidade judicial

Adriana Urquiola, de 28 anos, morreu enquanto saía de um ônibus que estava preso no trânsito por causa de uma barricada. Ela estava grávida de cinco meses.

O líder da oposição venezuelana e governador do Estado de Miranda, Henrique Capriles, disse que Adriana foi baleada duas vezes, "uma delas na cabeça".

Perfil: Estudantes nas ruas apoiam a direita na Venezuela

Segundo ele, uma mulher que acompanhava Adriana, Rosalba Pérez Ibáñez, foi ferida no braço durante o tiroteio e que nenhuma delas participava dos protestos.

As autoridades ainda estão investigando o que levou o atirador a atingir a vítima. Opositores de Maduro estão chamando Adriana de a mais recente vítima das manifestações.

Adriana era intérprete de língua de sinais e trabalhava na emissora de TV Venevisión. Em comunicado por meio de seu site, a emissora informou nesta segunda que, "perto das 19h deste domingo, um homem armado abriu fogo contra manifestantes em uma barricada colocada na Rodovia Pan-Americana até a Los Teques Novo Estado de Miranda" e que "o atirador descarregou sua arma em pelo menos oito oportunidades e uma delas feriu Adriana Urquiola".

Veja as fotos das manifestações na Venezuela:

Polícia nacional da Venezuela dispara gás lacrimogêneo enquanto manifestante antigoverno se ajoelha segurando pedra durante confrontos em Caracas (6/4). Foto: ReutersManifestantes mostram cartazes com fotos de ativistas mortos durante protestos antigoverno na Plaza Altamira em Caracas, Venezuela (20/3). Foto: APPartidários do líder da oposição Leopoldo López se reúnem para protesto que pede a libertação do político após um mês de sua prisão, na Venezuela (18/03). Foto: APGuardas das forças bolivarianas patrulham a Plaza Altamira após tomarem o controle do local em Caracas, Venezuela (17/3). Foto: APEstudante da Universidade Central da Venezuela grita contra governo de Nicolás Maduro durante protesto em Caracas (12/3). Foto: APManifestante antigoverno corre em meio ao gás lacrimogêneo lançado pela polícia durante protesto em Caracas, Venezuela (12/3). Foto: ReutersManifestante joga lata de gás lacrimogêneo em direção à polícia durante protesto antigoverno em Caracas, Venezuela (11/3). Foto: APGuardas prendem manifestante durante conflitos entre ativistas e motociclistas em Los Ruices, Venezuela (10/3). Foto: APPolícia impede passagem de manifestantes que protestavam contra escassez de alimentos (8/3). Foto: APManifestantes se preparam para jogar coquetéis molotov durante confrontos em Caracas, Venezuela (6/3). Foto: APOficiais da Guarda Nacional Bolivariana se protegem de fogos de artifício lançados contra eles por manifestantes em Caracas, Venezuela (março/2014). Foto: APManifestantes seguram cartazes com imagens de venezuelanos que foram mortos nas duas últimas semanas durante marcha em Caracas (28/2). Foto: APManifestantes rolam cano de água na tentativa de bloquear uma rodovia importante em Caracas, Venezuela (27/02). Foto: APOficiais da Guarda Nacional Bolivariana avançam em direção a protestos antigoverno em Valencia, Venezuela (26/2). Foto: APManifestante segura placa em frente de cordão da Guarda Nacional Bolivariana durante protesto perto da Embaixada de Cuba em Caracas, Venezuela (25/2). Foto: APObjetos colocados por manifestantes da oposição bloqueiam estrada no bairro de Altamira, em Caracas, Venezuela (20/2). Foto: APOpositor caminha perto de acusação feita a presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, em rua no bairro de Altamira, Caracas (21/2). Foto: ReutersManifestante envolto com a bandeira da Venezuela coloca mais objetos em barricada em chamas no bairro de Altamira, em Caracas, Venezuela (20/2). Foto: APPartidários do governo venezuelano marcham no centro de Caracas (20/2). Foto: APManifestante levanta os braços em direção à polícia que lança gás lacrimogêneo em bairro de Caracas, Venezuela (19/2). Foto: APMiss Génesis Carmona é levada de moto a hospital. Ela morreu após ter sido atingida por disparo na cabeça em 18/2. Foto: Reprodução/TwitterManifestante usa máscara caseira para se proteger de gás durante protestos em avenida de Caracas, Venezuela (18/02). Foto: APEstudantes gritam slogans contra o presidente Nicolás Maduro durante marcha em Caracas, Venezuela (18/2). Foto: APLeopoldo López, líder da oposição da Venezuela, é preso vestido de branco e segurando flor em Caracas, Venezuela (18/2). Foto: APManifestante cobre a boca com pano durante protesto contra a censura do governo venezuelano em Caracas (17/2). Foto: APManifestante atira pedras na Força Nacional Bolivariana durante protesto na Venezuela (15/2). Foto: APManifestantes fecham a principal via da Venezuela (15/2). Foto: ReutersManifestantes na Venezuela são dipersados com canhões de água e gás lacrimogêneo (15/2). Foto: Carlos Garcia Rawlins/ReutersUniversitária segura cartaz em que se lê 'E quem tem as armas?' enquanto se manifesta contra o presidente Nicolás Maduro em Caracas, Venezuela (13/2). Foto: APEstudantes choram durante vigília em Caracas por dois jovens mortos em confrontos violentos na Venezuela (13/2). Foto: APEstudantes comparecem à vigília em Caracas por dois jovens mortos em confrontos violentos na Venezuela (13/2). Foto: APJovem segura livro marcado em espanhol com a frase 'Esta é a minha arma' durante protesto contra repressão de estudantes em Caracas, Venezuela (13/2). Foto: APEstudante segura cartaz em que se lê 'Paz e liberdade' durante manifestação em Caracas, Venezuela (13/2)
. Foto: APEstudantes gritam slogans contra o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, durante protesto em Caracas (13/2)
. Foto: AP

Dia 5: Aniversário de morte de Chávez na Venezuela é marcado por pompa e protestos

Segundo o site da emissora, "O homem que disparou teria fugido em um modelo de picape preta Toyota Quatro Runner e está sendo procurado pelos órgãos de segurança", acrescentou. "A família de Noticiero Venevisión lamenta a perda de nossa colega Adriana Urquiola e estende as palavras mais sinceras de condolências a toda a sua família", declarou a rede de TV.

O sargento Miguel Antonio Parra, da Guarda Nacional, morreu nesta segunda-feira durante uma manifestação de rua em Mérida, disse o prefeito da cidade que fica no sudoeste do país, Carlos Garcia. O político opositor afirmou que Parra foi atingido quando ele e outros dois guardas tentavam limpar bloqueios de rua e foram confrontados por manifestantes.

Os protestos começaram em fevereiro, menos de um ano depois de Maduro suceder a Hugo Chávez. A onda de violência no país deixou mais de 30 mortos.

*Com AP e La Nación

Leia tudo sobre: protestos na venezuelamortegravidamadurocaprilesurquiola

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas