Presidente da Rússia completa anexação da Crimeia apesar de sanções do Ocidente

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Putin sanciona lei após aprovação de tratado pelo Parlamento. União Europeia assina acordo de associação com a Ucrânia

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, sancionou nesta sexta-feira as leis de anexação da Crimeia, que antes era território da Ucrânia, após a Câmara alta do Parlamento ter aprovado de forma unânime um tratado assinado pelo líder russo na terça para a integração da estratégica península à Federação Russa. Putin descreveu a incorporação da península à Rússia como um "evento notável".

Terça: Presidente da Rússia assina tratado para a anexação da Crimeia

AP
Presidente da Rússia, Vladimir Putin, coordena reunião de membros do Conselho de Segurança no Kremlin, em Moscou

Segunda: Crimeia se declara independente e pede anexação à Rússia

A Rússia apressou a anexação da península do Mar Negro depois de um referendo de domingo, em que os moradores locais apoiaram de forma avassaladora a secessão da Ucrânia e a integração à Rússia. A Ucrânia e o Ocidente rejeitaram a votação, realizada duas semanas depois de tropas russas terem tomado o controle da Crimeia. Os EUA e a União Europeia (UE) responderam às medidas com a imposição de sanções contra a Rússia.

Chefe de gabinete incluído: EUA impõem sanções contra aliados de líder russo

Dia 17: UE e EUA anunciam sanções contra russos e ucranianos

Na quinta, o presidente dos EUA, Barack Obama, expandiu as sanções econômicas contra 20 indivíduos, incluindo Sergei Ivanov, chefe de gabinete e associado de longa data de Putin. Também foram alvo Arkady Rotenberg e Gennady Timchenko, ambos amigos antigos de Putin cujas companhias compilaram bilhões de dólares em contratos do governo. Além disso, as sanções têm como alvo o Banco Rossiya, instituição privada que pertence a Yuri Kovalchuk, que é considerado banqueiro de Putin.

Dia 6: EUA impõem sanções contra envolvidos em ameaças à soberania da Ucrânia

Dia 6: UE suspende negociações econômicas e de vistos com a Rússia

As sanções americanas se seguiram a uma primeira rodada de penalidades econômicas dos EUA ordenadas no início desta semana contra 11 pessoas que Washington disse estarem envolvidas na disputa na Ucrânia. A Rússia enviou seus militares para a Península da Crimeia há três semanas e desde então formalmente anexou a importante região estratégica a suas fronteiras.

Veja a presença militar russa na Crimeia:

Comboio de caminhões brancos com ajuda humanitária deixa Alabino, nos arredores de Moscou, Rússia (12/08). Foto: APManifestante ao lado de transeuntes na Praça da Independência em Kiev (9/08). Foto: ReutersManifestante segura coquetel molotov enquanto tenta impedir que trabalhadores municipais e voluntários limpem barricadas em Kiev (9/08). Foto: ReutersMembro de equipe antibomba inspeciona cratera com os restos de um projétil depois de uma noite de combates em Donetsk, Ucrânia (6/08). Foto: APMulher deixa prédio danificado por suposto bombardeio levando seus pertences na área central de Donetsk, Ucrânia (29/07). Foto: ReutersRebeldes pró-Rússia em um tanque com a bandeira da Rússia em uma estrada a leste de Donetsk, Ucrânia (21/07). Foto: APPrimeiro-ministro ucraniano Arseniy Yatsenyuk, à dir., conversa com um oficial durante inspecção ao Exército fora da cidade de Slovyansk, Ucrânia (16/07). Foto: APPremiê ucraniano, Arseniy Yatsenyuk (E), cumprimenta soldado ao inspecionar tropas em Slovyansk, leste da Ucrânia (16/07). Foto: APMulher chora perto de prédio que desmoronou após ataque aéreo em Snizhne, a 100 km a leste da cidade de Donetsk, no leste da Ucrânia (15/07). Foto: APCombatente da República Popular de Donetsk se despede de sua família, que deixa essa cidade no leste da Ucrânia para refugiar-se na Rússia (14/07). Foto: APCombatentes separatistas pró-russos esperam atrás de sacos de areia em posto de controle em Donetsk, Ucrânia (10/07). Foto: ReutersMilitares ucranianos perto das armas apreendidas de separatistas pró-russos perto Slaviansk, Ucrânia (8/07). Foto: ReutersMilitante mascarado pró-Rússia organiza o trânsito em posto de controle após ataque das tropas ucranianas em Slovyansk (24/4). Foto: APAtiradores mascarados pró-Rússia guardam entrada de escritório regional ucraniano do Serviço de Segurança em Luhansk com bandeira russa ao fundo (21/4). Foto: APAtivista mascarado pró-Rússia guarda barricada em prédio da administração regional capturado em Donetsk. Cartaz diz: 'EUA, tirem as mãos do leste da Ucrânia' (19/4). Foto: APAtivista mascarado pró-Rússia olha para o lado de fora de janela em prédio da administração regional de Donetsk, Ucrânia (18/4). Foto: APAtirador pró-Rússia abre caminho para veículo de combate com homens armados em seu topo em Slovyansk, Ucrânia (16/4). Foto: APAtivista mascarado pró-Rússia guarda barricada em prédio da administração regional em Donetsk, Ucrânia (15/4). Foto: APAtivista pró-Rússia é visto durante invasão de delegacia na cidade de Horlivka, leste da Ucrânia (14/4). Foto: APAtivistas armados pró-Rússia ocupam a delegacia de polícia no leste da Ucrânia, na cidade de Slaviansk (12/04). Foto: APAtivistas pró-Rússia ocupam delegacia de polícia e constroem uma barricada na cidade ucraniana oriental de Slovyansk (12/04). Foto: APHomens armados não identificados caminham em área perto de unidade militar ucraniana em Simferopol, Crimeia (18/3). Foto: APSoldado armado, provavelmente russo, anda perto de uma base militar ucraniana na aldeia de Perevalnoye (9/3). Foto: ReutersUm homem armado, que se acredita ser um soldado russo, anda perto da base naval ucraniana na Crimeia, no porto de Yevpatory (8/3). Foto: ReutersMarinheiro observa navio inativo Ochakov, que foi afundado por tropas russas e bloqueou o tráfego de cinco embarcações ucranianas em Myrnyi, oeste da Crimeia, Ucrânia (6/3). Foto: APCriança brinca perto de soldado russo (D) enquanto soldados ucranianos observam do outro lado do portão de base em Perevalne, Crimeia (4/3). Foto: APSoldado pró-Rússia bloqueia base naval na vila de Novoozerne, Crimeia, na Ucrânia (3/3). Foto: APGrupo de homens armados sem emblemas em uniformes cortam luz do Quartel-General das forças navais ucranianas em Sevastopol, Crimeia, Ucrânia (2/3). Foto: APComboio russo se move de Sevastopol para Sinferopol na Crimeia, Ucrânia (2/3). Foto: APHomem com uniforme sem identificação monta guarda enquanto tropas tomam controle de escritórios da Guarda Costeira em Balaklava, em Sevastopol (Crimeia), na Ucrânia (1/3). Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda em Balaklava, nos arredores de Sevastopol, na ucraniana Península da Crimeia (1/3)
. Foto: APEmblema em veículo e placas de outros carros indicam que tropas são do Exército russo (1/3). Foto: APHomens armados não identificados e vestidos com uniformes de camuflagem bloqueiam a entrada do prédio do Parlamento da Crimeia em Simferopol, Ucrânia (1/3). Foto: APHomens armados não identificados bloqueiam entrada de Parlamento da Crimeia em Simferopol, Ucrânia (1/3). Foto: APHomem armado não identificado com uniforme de camuflagem bloqueia estrada que leva a aeroporto militar em Sevastopol, na Crimeia. Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda durante tomada de controle de escritórios da Guarda Costeira em Balaklava, Crimeia, na Ucrânia (1/3). Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda durante tomada de controle de escritórios da Guarda Costeira em Balaklava, Crimeia, na Ucrânia (1/3). Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda nos arredores de Sevastopol, na ucraniana Crimeia. Foto: APHomem com uniforme sem identificação patrula aeroporto de Simferopol, na Ucrânia (28/2). Foto: AP

Hoje: União Europeia e Ucrânia assinam acordo histórico de associação

A UE, por sua vez,  anunciou na quinta sanções contra mais 12 pessoas vinculadas à anexação do território antes da Ucrânia, elevando para 33 o número de indivíduos enfrentando sanções do bloco europeu. Nesta sexta-feira, a UE assinou um acordo para estreitar as relações com a Ucrânia, em uma mostra de apoio depois da anexação da Crimeia pela Rússia.

O Acordo de Associação da UE tem o objetivo de dar apoio político e econômico à liderança interina da Ucrânia sob o comando do primeiro-ministro Arseniy Yatsenyuk.

Reação: Rússia impõe sanções a norte-americanos após 'ação hostil' dos EUA

Na quinta, a Rússia retaliou rapidamente as sanções dos EUA impondo proibições de entrada a legisladores americanos e a autoridades da Casa Branca. Entre elas estão o líder da maioria do Senado, o democrata Harry Reid, e o presidente da Câmara, o republicano John Boehner. O conselheiro-sênior de Obama, Dan Pfeiffer, e seu vice-conselheiro de segurança nacional, Ben Rhodes, também foram atingidos pelas proibições de entrada na Rússia.

Os EUA declararam a incursão russa na Crimeia uma violação da lei internacional e não reconhecem a anexação da península. Apesar disso, nos bastidores autoridades americanas reconhecem que é improvável que a Rússia abra mão da Crimeia. Em vez disso, sua principal prioridade é evitar que a Rússia entre em outras áreas da Ucrânia que têm populações pró-Rússia.

Retirada: Ucrânia planeja retirar soldados da Crimeia

Funcionários disseram que os indivíduos que são alvo das sanções de quinta-feira terão bens congelados nos Estados Unidos, serão proibidos de fazer quaisquer negócios nos EUA e não terão permissão para fazer transações com dólares americanos.

As forças da Rússia efetivamente tomaram o controle de Crimeia depois da destituição do presidente pró-Rússia Viktor Yanukovych após meses de protestos e violência esporádica. A crise teve início no ano passado, depois que Yanukovych abriu mão de um acordo de associação com a UE para favorecer a promessa de um pacote de resgate russo no valor de US$ 15 bilhões. Isso enraiveceu ucranianos das região central e oeste da Ucrânia, que são pró-Europa.

*Com APe BBC

Leia tudo sobre: rússiarússia na ucrâniacrimeiaputinueeuaucrânia

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas