Líderes europeus buscam formas de reduzir a dependência do gás russo

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

De acordo com uma fonte não identificada, ainda não se fala no rompimento definitivo das relações energéticas com a Rússia

Reuters

Os líderes europeus vão procurar maneiras de reduzir a sua dependência multibilionária do gás russo em negociações em Bruxelas entre quinta (20) e sexta-feira (21), mas não chegaram a falar, por ora, em romper os laços energéticos com Moscou.

Sanções: EUA convocam reunião do G7 após Rússia assinar tratado de anexação

AP
Secretário de Relações Exteriores britânico William Hague,centro, o chanceler francês Laurent Fabius, dir.,e o ministro da Estónia Urmas Paet, em prédio da UE, Belgica (17/03)


Anexação: Ucrânia planeja retirar soldados da Crimeia

A tomada da região ucraniana da Crimeia pela Rússia reviveu as dúvidas sobre se a União Europeia deve continuar a contar com a Rússia para suprir quase um terço de seu gás, proporcionando à Gazprom uma média de 5 bilhões de dólares por mês em receita. Cerca de 40 por cento do gás é transportado através da Ucrânia.

A Alemanha, a força motriz da UE, está entre os países com ligações energéticas particularmente estreitas com a Rússia e repetiu comentários da Gazprom, maior produtora russa de gás natural, de que a Rússia vem sendo um fornecedor confiável há décadas.

O fornecimento do gás russo para a UE foi interrompido em 2006 e 2009, mas apenas como consequência do corte do suprimento da Rússia para a Ucrânia por não pagar suas contas. Apesar desses incidentes resultarem em tentativas da UE de diversificar suas fontes de energia, os contratos com o bloco sempre foram honrados. Autoridades da UE disseram, porém, que a atual crise na Ucrânia convenceu muitos na Europa de que a Rússia não é mais confiável, e a vontade política de acabar com seu domínio nunca foi tão forte antes.

"Todo mundo reconhece que é necessária uma grande mudança de ritmo por parte da União Europeia", disse uma autoridade da UE, sob a condição de manter o anonimato. "No fundo da mente das pessoas sempre haverá a dúvida de que, se a relação azedar, a Rússia tem a arma, e não é algo que deveria ter", disse outra autoridade, referindo-se à opção da Rússia de cortar suprimentos.

Confira fotos da Crimeia após anúncio do resultado do referendo

Pessoas marcham em apoio à anexação da Crimeia pela Rússia em Moscou (18/3). Foto: APIdosa segura calendário com imagem do líder soviético Josef Stalin na Crimeia enquanto assiste a pronunciamento de presidente russo (18/3). Foto: APDuas mulheres seguram bandeira em que se lê: 'Crimeia está com a Rússia' em Simferopol (16/3). Foto: ReutersMulher celebra com bandeira russa resultados preliminares de referendo em Simferopol, Crimeia (16/3). Foto: ReutersHomem pró-Rússia deposita cédula em urna durante votação sobre anexação da Crimeia pela Rússia em Bachisaray, Ucrânia. Foto: APCrimeia vota neste domingo se quer ou não se tornar parte da Rússia. Foto: AFPUma mulher pega sua cédula de votação sobre referendo na Crimeia em Simferopol, Ucrânia. Foto: APEleitor segura cédula do referendo em Simferopol, Ucrânia. Foto: APMulher coloca cédula do referendo em urna eleitoral, durante votação em Simferopol, Ucrânia. Foto: APNovo primeiro-ministro da Crimeia, Sergei Aksyonov lança seu voto em assembleia de votos de Simferopol, Ucrânia. Foto: APCom sua filha, eleitor participa do referendo da Crimeia, Ucrânia. Foto: APIdoso participa de referendo sobre anexação da Crimeia à Rússia, em Simferopol, Crimeia. Foto: APMilitares protegem o edifício do parlamento regional durante referendo da Crimeia em Simferopol. Foto: APBandeira da Rússia na entrada do prédio do parlamento regional da Crimeia. Foto: AP

Ucrânia: Militar ucraniano é morto durante ataque à base na Crimeia

Um esboço de um documento preparado antes da reunião de cúpula pede que a Comissão Europeia, o braço executivo da UE, apresente até junho um plano abrangente para reduzir a dependência energética do bloco. Como alternativas ao gás importado, as conversações de Bruxelas vão debater "fontes domésticas" que incluem energia renovável e gás de xisto.

As autoridades também destacam a necessidade de eficiência energética e de estabelecer melhores ligações transfronteiriças para compartilhar recursos, controlar custos e desenvolver a capacidade de o bloco bombear gás para a Ucrânia, caso precise de ajuda.

Um documento de trabalho dos britânicos, que circulou entre os Estados membros, lista uma série de opções, incluindo intensificar as negociações sobre a exportação de gás via gasoduto iraquiano para a Europa e analisar a forma de "facilitar" as exportações de gás dos Estados Unidos, como parte de negociações comerciais com a UE.

Autoridades da UE disseram esperar que a questão seja levantada durante a visita do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, a Bruxelas na próxima semana, embora os analistas alertem que qualquer gás a ser exportado pelos EUA provavelmente iria para a Ásia, em vez de Europa, porque os preços lá são mais elevados.

Interessada em destacar a importância do seu serviço, a Gazprom na semana passada emitiu um comunicado para marcar o 40º aniversário do fornecimento de gás russo para a Alemanha, sob contratos de longo prazo. O gás russo é enviado diretamente para a Alemanha através do gasoduto Nord Stream, construído especificamente para contornar a Ucrânia.

Leia tudo sobre: russia na ucraniarussiagasbruxelasobamaeuauniao europeia

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas