Referendo traz perspectiva real de escalada militar na Ucrânia

Por BBC Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Pesquisador diz que apoio da população e o investimento russo em propaganda devem contribuir para anexação da Crimeia

BBC

O resultado do referendo deste domingo na Crimeia não é difícil de prever. Com a força da máquina russa de propaganda nos meios de comunicação locais e o apoio evidente de muitos moradores da península a Moscou, a única dúvida real é por qual margem a integração do território à Federação Russa será aprovada. A votação e seu resultado, porém, têm uma importância simbólica muito forte.

Hoje: Crimeia, na Ucrânia, inicia referendo sobre anexação à Rússia

AFP
Crimeia vota neste domingo se quer ou não se tornar parte da Rússia


Ontem: Rússia veta resolução da ONU contra referendo na Crimeia

Este pode ser o momento que tornará finalmente visível, no horizonte, o que diplomatas sequer têm mencionado até agora: a possibilidade de uma escalada militar na Ucrânia envolvendo o Ocidente. A cautela usada até então nas declarações diplomáticas pode estar ligada ao poderio militar de Moscou.

A Rússia é uma potência nuclear, com o maior território do mundo, vastos recursos humanos e minerais e um arsenal imenso. O fracasso da via diplomática em frear o referendo ampliou a ênfase ocidental no caminho das sanções financeiras e comerciais para resolver o problema na Crimeia.

Mas sanções já fracassaram contra países com muito menos influência e força, econômica e política, que a Rússia. Será que desta vez vão funcionar? E se funcionarem, quanto tempo vai demorar para convencerem Moscou a negociar? Até lá, será que a Rússia deixará de avançar com sua estratégia na Ucrânia?

Os dias seguintes ao referendo deverão trazer indicações de como os Estados Unidos e União Europeia poderão responder a questões como estas. Se julgarem que as sanções podem não dar resultado e, eventualmente, permitir a Moscou mais tempo para implementar uma estratégia, restariam duas opções: ou se ressuscita o caminho diplomático ou as armas poderão vir a ser escolhidas para o duelo.

Entenda: Quais são as motivações da Rússia na crise da Ucrânia?

Diplomacia

O canto do cisne da diplomacia para resolver o dilema do referendo na Crimeia foi o longo e amigável encontro entre o secretário de Estado americano, John Kerry, e seu colega russo, Sergei Lavrov, na sexta-feira. O tom das declarações dos dois chanceleres após as seis horas de conversa deixava claro que, embora amigos cordiais, não havia muito o que pudessem fazer dadas as posições praticamente irreconciliáveis dos dois lados da mesa.

"O encontro com o secretário Kerry foi proveitoso, apesar de EUA e Rússia não terem a uma visão comum sobre a Ucrânia", resumiu Lavrov, ressaltando que a Rússia vai "respeitar a vontade do povo da Crimeia".

O Ocidente, defende que o referendo na Crimeia é ilegal, e a intervenção da Rússia violaria acordos internacionais, inclusive o Memorando de Budapeste, assinado pelos russos em 1994, no qual prometem zelar pela integridade territorial da Ucrânia.

EUA e UE defendem a necessidade de a Rússia dialogar com o governo atual da Ucrânia, empossado com aprovação do parlamento ucraniano, e a retirada imediata de suas tropas da Crimeia, além da adoção de medidas para diminuir a tensão na região.

"Se a Rússia fizer algo que aumente as tensões ou ameace o povo ucraniano, então obviamente isso vai requerer uma resposta ainda maior e terá custos", disse John Kerry.

Para a Rússia, o governo em Kiev não é legítimo, logo não pode ser o interlocutor de um diálogo. O governo empossado inclui representantes que naturalmente ameaçam, com sua plataforma nacionalista, os interesses russos no país. Moscou insiste que houve um acordo político que estabelecia um governo de união na Ucrânia, mas que esse tratado foi jogado pela janela e que um governo sem representantes pró-Rússia foi empossado.,

Confira fotos do referendo que está sendo realizado na Crimeia

Pessoas marcham em apoio à anexação da Crimeia pela Rússia em Moscou (18/3). Foto: APIdosa segura calendário com imagem do líder soviético Josef Stalin na Crimeia enquanto assiste a pronunciamento de presidente russo (18/3). Foto: APDuas mulheres seguram bandeira em que se lê: 'Crimeia está com a Rússia' em Simferopol (16/3). Foto: ReutersMulher celebra com bandeira russa resultados preliminares de referendo em Simferopol, Crimeia (16/3). Foto: ReutersHomem pró-Rússia deposita cédula em urna durante votação sobre anexação da Crimeia pela Rússia em Bachisaray, Ucrânia. Foto: APCrimeia vota neste domingo se quer ou não se tornar parte da Rússia. Foto: AFPUma mulher pega sua cédula de votação sobre referendo na Crimeia em Simferopol, Ucrânia. Foto: APEleitor segura cédula do referendo em Simferopol, Ucrânia. Foto: APMulher coloca cédula do referendo em urna eleitoral, durante votação em Simferopol, Ucrânia. Foto: APNovo primeiro-ministro da Crimeia, Sergei Aksyonov lança seu voto em assembleia de votos de Simferopol, Ucrânia. Foto: APCom sua filha, eleitor participa do referendo da Crimeia, Ucrânia. Foto: APIdoso participa de referendo sobre anexação da Crimeia à Rússia, em Simferopol, Crimeia. Foto: APMilitares protegem o edifício do parlamento regional durante referendo da Crimeia em Simferopol. Foto: APBandeira da Rússia na entrada do prédio do parlamento regional da Crimeia. Foto: AP

Após reunião de 6 horas: EUA e Rússia fracassam em chegar a acordo sobre Crimeia

Nesse cenário, era de se esperar que a União Europeia, que viabilizou o acordo de 21 de fevereiro, seria mais idicada para implementá-lo novamente. Mas a desconfiança de países da UE em relação a Moscou, principalmente daqueles que faziam parte da chamada Cortina de Ferro, tornou tal tarefa impossível.

Com a postura adotada pelos EUA no início dos confrontos, os americanos acabaram por prejudicar sua posição como um eventual mediador. Desde o início do envolvimento russo na Crimeia, o presidente dos EUA, Barack Obama, disse que haveria "custos" para a Rússia se o país não mudasse sua postura.

Quem poderia, então, assumir o papel de mediador em uma renascida negociação diplomática pós-referendo? Um possível candidato é a China, o único país a ter se abstido no Conselho de Segurança da ONU do sábado, durante a votação de uma resolução rejeitando o referendo.

Mas é difícil imaginar a China aprofundar o envolvimento na questão, com todo o seu retrospecto de não intervenção. Na sexta-feira, o porta-voz do Ministério do Exterior chinês, Hun Lei, enfatizou a necessidade de diálogo, mas não indicou que o país está disposto a ajudar diretamente a encontrar uma saída para a crise.

"Nós esperamos que desentendimentos sejam resolvidos por meio de diálogo e consultas. Quando mais difícil é o problema, mas cuidadosa deve ser a reação", disse Hun.

O que deixa, novamente, a questão nas mãos de diplomatas ocidentais. Kerry e Lavrov já indicaram que o diálogo continua, mas provavelmente só um encontro frente a frente entre o líder russo Vladimir Putin, Obama e os demais líderes do G7 poderia dar início a um caminho de solução. Enquanto isso, nesta segunda-feira, os chanceleres da União Europeia devem votar a adoção das primeiras sanções contra Moscou.

Confronto

Para complicar a equação, temos o elemento-surpresa: Kiev. Como as autoridades na capital ucraniana vão reagir imediatamente após o referendo? Num ambiente de grande tensão, como o atual, qualquer faísca pode dar início a um grande incêndio.

Nos últimos dias, a imprensa mostrou fotos de voluntários fazendo fila para o alistamento em Kiev. O governo decidiu criar uma força de reservistas com 20 mil homens para combater o que vê como ameaça russa. É plausível acreditar que, com a Crimeia anunciando sua saída do país, Kiev não fique de braços cruzados.

Dar o primeiro tiro pode ser uma manobra calculada: as autoridades podem acreditar que, dessa forma, o Ocidente terá que se mexer a apoiar militarmente, com rapidez, os ucranianos. Por outro lado, isso pode ser exatamente o que Moscou está esperando - uma desculpa para uma intervenção militar sem eufemismos, sob a alegação de que russos foram atacados, reforçando a percepção de que o caos provocado por "fascistas" (como são descritos nacionalistas ucranianos pela mídia russa) tomou conta da Ucrânia.

É difícil dizer como um confronto militar se desenvolveria. Provavelmente, através do apoio militar indireto de EUA e UE às forças armadas da Ucrânia. No caso de um conflito armado, há que se considerar a possibilidade de uma escalada para países vizinhos, com uma possível onda de refugiados; uma eventual instabilidade em ex-países soviéticos com significativas populações russas; e, é claro, o fantasma dos arsenais nucleares.

São todos temas preocupantes que evidenciam a escala de um problema que só poderá ser resolvido se houver gestos reais de confiança vindos dos dois lados. Em cerca de 40 anos de Guerra Fria, tais gestos foram raros.

*Rafael Gomez é mestre em Estudos da Rússia e da Europa Oriental pela Universidade de Birmingham, Reino Unido.



Leia tudo sobre: russia na crimeiareferendoucraniagomezpesquisador

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas