Desaparecimento de avião foi proposital, diz premiê da Malásia

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Pessoas a bordo são investigadas. Comunicações de voo, cujo último sinal veio 7,5 horas após decolagem, foram cortadas

O Boeing 777 da Malaysia Airlines que está desaparecido há uma semana teve suas comunicações deliberadamente desativadas e seu último sinal veio cerca de sete horas e meia depois da decolagem, significando que voou para locais tão distantes quanto o Casaquistão ou o extremo sul do Oceano Índico, disse neste sábado o primeiro-ministro da Malásia, Najib Razak. 

Sexta: Buscas por avião desaparecido na Ásia são ampliadas ao Oceano Índico

AP
Premiê da Malásia, Najib Razak (C), faz pronunciamento sobre o voo MH370 da Malaysia Airlines, que desapareceu em 8 de março

Suposto pouso: Índia busca avião desaparecido da Malásia em ilhas inabitadas

A declaração de Razak confirmou dias de crescente especulação de que o desaparecimento do avião não foi acidental, recolocando a investigação na tripulação e nos passageiros do voo e destacando a grande tarefa para aqueles já encarregados de vasculhar vastas áreas do oceano. "Claramente a busca pelo voo MH370 entrou em uma nova fase", disse Najib em uma coletiva televisionada.

Najib lembrou que os investigadores analisam todas as possibilidades de por que o avião se desviou tão drasticamente de sua rota original, dizendo que as autoridades não poderiam confirmar se houve ou não sequestrado. No início da manhã deste sábado na Malásia (que tem uma diferença de 11 horas em relação ao Brasil), uma autoridade do governo malaio classificou o desaparecimento da aeronave de sequestro, embora tenha dito que nenhum motivo tenha sido estabelecido e nenhuma demanda tenha sido feita.

"Perante essa nova descoberta, as autoridades malaias enfatizam a investigação na tripulação e nos passageiros a bordo", disse Najib, que leu uma declaração, mas não respondeu perguntas.

Leia também: Como é possível um Boeing 777 simplesmente desaparecer?

Na manhã deste sábado, a polícia direcionou-se ao complexo onde o piloto do avião desaparecido vivia em Kuala Lumpur, de acordo com um guarda e vários repórteres locais que foram impedidos de entrar no local. Autoridades disseram que avaliarão os pilotos como parte da investigação, mas não divulgaram nenhuma informação sobre seu andamento.

Veja fotos sobre o desaparecimento do avião da Malásia:

Parente de passageiros chineses do voo desaparecido chora em frente de jornalistas em hotel em Sepang, Malásia (19/3). Foto: APParente de passageiros chineses de voo desaparecido da Malásia usa celular para assistir à coletiva sobre o caso em Pequim (17/3). Foto: APOficial das Forças Armadas do Vietnã olha pela janela durante buscas pelo voo desaparecido da Malaysia Airlines (14/3). Foto: APHomem observa telão mostrando diferentes decolagens no Aeroporto Internacional de Kuala Lumpur, Malásia (13/3). Foto: ReutersParentes dos passageiros a bordo do voo desaparecido da Malaysia Airlines deixam sala de hotel após reunião com oficiais malaios, em Pequim, China (12/3). Foto: APFotos de passageiros do voo da Malaysia Airlines que desapareceu no sábado são mostradas em coletiva em Chennai, Índia (12/3). Foto: APDiretor geral do departamento de aviação civil da Malásia, Azharuddin Abdul Rahman, explica rota do avião em coletiva de imprensa (10/03). Foto: APMembro da tripulação da Marinha indonésia observa águas na fronteira da Indonésia, Malásia e Tailândia durante buscas por avião (10/3). Foto: APParentes dos chineses a bordo do avião desaparecido da Malaysia Airlines aguardam notícias em sala de um hotel de Pequim, China (10/3). Foto: APMancha de óleo encontrada no fim de semana ao sul do Vietnã provou não ser de avião (9/3). Foto: APEquipes de resgate participam das buscas por vestígios do avião desaparecido com 239 pessoas a bordo (9/3). Foto: APEquipes de resgate participam das buscas por vestígios do avião desaparecido com 239 pessoas a bordo (9/3). Foto: APEquipes de resgate participam das buscas por vestígios do avião desaparecido com 239 pessoas a bordo (9/3). Foto: APEquipes de resgate participam das buscas por vestígios do avião desaparecido com 239 pessoas a bordo (9/3). Foto: APParentes de passageiros do voo da Malaysia Airlines desaparecido aguardam por informação das buscas (9/3). Foto: APParentes de passageiros do voo da Malaysia Airlines desaparecido aguardam por informação das buscas (9/3). Foto: APParentes de passageiros do voo da Malaysia Airlines desaparecido aguardam por informação das buscas (9/3). Foto: APParentes de passageiros do voo da Malaysia Airlines se desesperam à espera de informação das buscas (9/3). Foto: APJornais trazem informações do desaparecimento do avião na Malásia (9/3). Foto: APMovimentação no aeroporto de Pequim no domingo (9/3). Foto: APParente de passageiros do voo da Malaysia Airlines desaparecido aguarda informação das buscas (9/3). Foto: APParentes de passageiros do voo da Malaysia Airlines desaparecido aguardam por informação das buscas (9/3). Foto: APParentes se desesperam com falta de informações sobre voo desaparecido (9/3). Foto: APParentes de passageiros do voo da Malaysia Airlines desaparecido aguardam por informação das buscas (9/3). Foto: APParentes de passageiros do voo da Malaysia Airlines desaparecido aguardam por informação das buscas (9/3). Foto: APParentes de passageiros do voo da Malaysia Airlines desaparecido aguardam por informação das buscas (9/3). Foto: APFamiliares de passageiros se desesperam com o sumiço do voo da Malaysia Airlines (8/3). Foto: ReutersFamiliares de passageiro no aeroporto de Pequim, na China (8/3). Foto: ReutersFicha do avião de passageiros da Malásia que desapareceu com 239 pessoas a bordo (8/3). Foto: DivulgaçãoAvião como o desaparecido na Ásia (8/3). Foto: APO primeiro-ministro da Malásia, Najib Razak, chega ao centro de recepção para a família e amigos dos passageiros a bordo da aeronave (8/3). Foto: APParentes de passageiros buscam informações do voo MH370 da Malaysia Airlines que voava para Pequim (8/3). Foto: APMapa mostra a última posição informada do voo MH370 (8/3). Foto: APO ministro dos Transportes da Malásia, Hishammuddin Hussein, à direita, fala durante coletiva (8/3). Foto: APParentes de passageiros buscam informações do voo MH370 da Malaysia Airlines que voava para Pequim (8/3). Foto: APParentes de passageiros buscam informações do voo MH370 da Malaysia Airlines que voava para Pequim (8/3). Foto: APParentes de passageiros buscam informações do voo MH370 da Malaysia Airlines que voava para Pequim (8/3). Foto: APParentes de passageiros buscam informações do voo MH370 da Malaysia Airlines que voava para Pequim (8/3). Foto: APParentes de passageiros buscam informações do voo MH370 da Malaysia Airlines que voava para Pequim (8/3). Foto: APParentes de passageiros buscam informações do voo MH370 da Malaysia Airlines que voava para Pequim (8/3). Foto: APParentes de passageiros buscam informações do voo MH370 da Malaysia Airlines que voava para Pequim (8/3). Foto: APParentes de passageiros buscam por informações do vôo MH370 da Malaysia Airlines que voava para Pequim. Foto: APParentes de passageiros buscam informações do voo MH370 da Malaysia Airlines que voava para Pequim (8/3). Foto: APParentes de passageiros buscam informações do voo MH370 da Malaysia Airlines que voava para Pequim (8/3). Foto: APParentes de passageiros buscam informações do voo MH370 da Malaysia Airlines que voava para Pequim (8/3). Foto: APParentes de passageiros buscam informações do voo MH370 da Malaysia Airlines que voava para Pequim (8/3). Foto: APParentes de passageiros buscam informações do voo MH370 da Malaysia Airlines que voava para Pequim (8/3). Foto: APParentes de passageiros buscam informações do voo MH370 da Malaysia Airlines que voava para Pequim (8/3). Foto: APNotificação no Aeroporto Internacional de Pequim avisando de atraso do voo MH370, da Malaysia Airlines (8/3). Foto: APExecutivo da Malaysia Airlines dá informações sobre as buscas para os jornalistas (8/3). Foto: APPlaca de pouso no Aeroporto Internacional de Pequim, na China, aponta atraso na chegada de avião de passageiros de companhia da Malásia (8/3). Foto: AP

Especialistas haviam dito previamente que o responsável por desativar os sistemas de comunicação do avião e por então tomar o controle do avião deve ter um alto grau de conhecimento técnico e experiência de voo. Uma possibilidade levantada é de que um dos pilotos quis cometer suicídio.

Saiba mais: Relembre outros dez misteriosos desastres aéreos

O avião levava 239 pessoas a bordo quando decolou de Kuala Lumpur, na Malásia, para Pequim, China, às 0h40 do dia 8 (13h40 do dia 7 em Brasília). As comunicações da aeronave com os controladores aéreos civis foram cortadas à 1h20 e o jato desapareceu - criando um dos mistérios mais intrigantes na história moderna da aviação.

Investigadores agora têm um alto grau de certeza de que um dos sistemas de comunicação da aeronave - o Aircraft and Communications Addressing and Reporting System - foi desativado antes de o avião alcançar a costa leste da Malásia, disse Najib. Pouco depois disso, alguém a bordo desligou o transponder, que se comunica com os controladores de tráfego aéreo.

Entenda: Como é a tecnologia para acompanhar e rastrear um avião?

O premiê então confirmou que o radar de defesa da Força Aérea detectou sinais do avião voltando para a direção oeste, cruzando a Península da Malásia em direção à região norte do Estreito de Malaca. Previamente as autoridades disseram que os dados do radar não poderiam ser verificados.

Segundo Najib, o último sinal confirmado entre o avião e um satélite aconteceu às 8h11 - sete horas e 31 minutos depois da decolagem. Isso foi mais do que cinco horas depois do horário informado anteriormente pelas autoridades malais como o possível último contato. Autoridades de aviação disseram que o avião tinha combustível suficiente para voar por cerca de oito horas.

"Os investigadores estão fazendo cálculos adicionais que indicarão quão longe a aeronave voou depois desse último ponto de contato", afirmou Najib.

Segundo ele, as autoridades determinaram que a última comunicação do avião com um satélite foi em um de dois possíveis "corredores - um no norte da Tailândia através da fronteira do Casaquistão e Turcomenistão, dois países da Ásia central, e um ao sul, da Indonésia ao sul do Oceano Índico. Por conta disso, a busca no Mar do Sul da China, onde o avião primeiramente perdeu contato, foi finalizada.

Dois terços dos 227 passageiros eram chineses, e o governo chinês está sob pressão para dar aos parentes informações precisas sobre o destino da aeronave. Em uma declaração depois da fala de Najib, Pequim conclamou a "Malásia a expandir e a esclarecer as áreas de busca com base nas informações mais recentes e a aumentar os esforços de busca", disse o porta-voz do Ministério de Relações Exteriores Qing Gang. "Pedimos que a Malásia envolva mais países nessa tarefa." Quatorze países estão envolvidos atualmente nas buscas, que usam 43 navios e 58 aviões.

*Com AP

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas