Americano é inocentado após passar 25 anos no corredor da morte

Por BBC Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Glenn Ford foi preso em 1984, acusado de assassinar joalheiro. Ele deixou a penitenciária após seu álibi ter sido confirmado

BBC

Um americano, que foi preso em 1984 e passou mais de 25 anos no corredor da morte, nos Estados Unidos, finalmente deixou a prisão após sua condenação pelo assassinato de um joalheiro, em 1983, ter sido revista.

2013: Justiça dos EUA revoga pena de morte contra mãe condenada por morte de filho

Reprodução/AP
Ford foi libertado após seu álibi, que sugeria que ele não estava no local do crime na hora do assassinato, ter finalmente sido confirmado


No Irã: Americano é condenado à morte por espionagem

Glenn Ford, de 64 anos, foi condenado pelo assassinato de Isadore Rozeman, que tinha 56 anos na época e para quem Ford trabalhava ocasionalmente. O americano sempre negou ter cometido o crime. Ao deixar a prisão de segurança máxima, no Estado da Louisiana, Ford lamentou ter perdido três décadas de sua vida pagando por um crime que não cometeu.

"Eu não tenho como voltar e fazer as coisas que deveria ter feito quando tinha 35, 38, 40. Meu filho, quando eu parti, era um bebê. Agora, ele é um adulto com bebês", disse a jornalistas ao deixar a prisão.

Ford foi libertado após seu álibi, que sugeria que ele não estava no local do crime na hora do assassinato, ter finalmente sido confirmado. O processo que levou à condenação de Ford à morte, segundo a defesa da vítima de erro da Justiça, foi prejudicado por uma série de fatores.

Inicialmente, por exemplo, o americano foi implicado no crime por uma mulher que, posteriormente, admitiu ter mentido. A arma do crime nunca foi encontrada e o crime não teve testemunhas. O caso tem ainda um componente racial, uma vez que Ford, que é negro, foi condenado por unanimidade por um júri formado apenas por brancos.

A família da vítima do assassinato, que continua não esclarecido, celebrou a libertação de Ford. A Justiça determina que prisioneiros que são posteriormente inocentados sejam indenizados pelo Estado. As indenizações vão de US$ 25 mil (R$ 58 mil) a 250 mil (R$ 586 mil) por cada ano perdido na prisão, além de 80 mil (R$ 200 mil) relativo a "perdas de oportunidades na vida".

Leia tudo sobre: fordcorredor da morteliberdadepreso por enganoeua1984

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas