Líbia destitui premiê e ministro da Defesa assume como interino

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Parlamentares dizem ter recusado voto de confiança a Zidan após navio-tanque apreendido conseguir partir de porto líbio

O parlamento da Líbia depôs seu primeiro ministro, Ali Zidan, nesta terça-feira (11) após votação confidencial. A câmara nomeou o ministro da Defesa, Abdullah al-Thinni, como primeiro-ministro interino até que o substituto oficial seja escolhido.

Navio: Líbia autoriza uso de força contra petroleiro com bandeira da Coreia do Norte

AP
Ali Zidan fala com a mídia durante conferência em Rabat, Morrocos (2013)

Encontrado: Níger extradita filho do ex-ditador Kadafi para a Trípoli, na Líbia

A saída do chanceler aprofunda o caos no país norte-africano e membro da Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo), onde o governo tem sofrido para conter as milícias que ajudaram a depor Muammar Kadafi em 2011 e agora desafiam as autoridades.

Nesta terça-feira, a marinha líbia abriu fogo contra um navio-tanque que partia com petróleo de um porto dominado por rebeldes ao sul do país. Embarcações italianas estão ajudando a proteger o navio agora estacionário, disse um porta-voz dos militares da Líbia. Na segunda-feira, Zidan disse em entrevista à Reuters que a marinha e milícias aliadas haviam detido o navio e o estavam escoltando a um porto controlado pelo governo no oeste líbio.

2012: Embaixador dos EUA na Líbia é morto em ataque em Benghazi

Os parlamentares disseram ter recusado dar um voto de confiança ao premiê após o navio-tanque conseguir partir do porto de Es Sider carregado de petróleo e seguir para águas internacionais.

Há meses o então primiê enfrentava uma oposição crescente dos islamistas e do público em geral, que o culpam pela transição acidentada da Líbia desde a revolta de 2011, que teve apoio da Otan.

"O governo vem enfraquecendo há algum tempo, e precisamos de uma nova personalidade", afirmou Al-Sharif al-Wafi, um legislador independente. Um novo primeiro-ministro será eleito por parlamentares dentro de duas semanas, disse.

No sábado, Zidan havia dito que a Marinha iria bombardear o navio-tanque se ele tentasse sair do porto, um dos três ocupados pelos rebeldes, que exigem uma parcela maior da riqueza do petróleo e do poder.

Em mais um sinal preocupante para o governo de Trípoli, atiradores rebeldes bloquearam o portão de acesso de uma base áerea em Sirte, cidade localizada próxima de Es Sider. Moradores relataram embates de tarde entre forças pró-governo e rebeldes na cidade costeira.

*Com AP e Reuters

Leia tudo sobre: zidanataquelibiachancelerprimeiro ministrotripole

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas