Chanceleres da União de Nações Sul-Americanas se reúnem na quarta no Chile para discutir crise por protestos contra Maduro

Reuters

A União de Nações Sul-Americanas (Unasul) deve criar uma comissão para fazer a interlocução da crise na Venezuela, com vistas a construir um "ambiente de acordo, de consenso e de estabilidade" no país, disse a presidente Dilma Rousseff nesta terça-feira.

22 mortos: Líder estudantil é morto a tiros em confronto na Venezuela

A nova presidente do Chile, Michelle Bachelet (D), cumprimenta a presidente Dilma Rousseff no Congresso chileno em Valparaiso, Chile
AP
A nova presidente do Chile, Michelle Bachelet (D), cumprimenta a presidente Dilma Rousseff no Congresso chileno em Valparaiso, Chile

Segunda: Protestos e pedidos de diálogo ampliam divisões na Venezuela

No Chile, onde participou da posse da presidente Michelle Bachelet , Dilma disse a jornalistas que ministros das Relações Exteriores da região vão se reunir na capital chilena, na quarta-feira, para tratar das tensões na Venezuela, que levaram o presidente do país, Nicolás Maduro, a cancelar a ida à posse de Bachelet.

Posse: Bachelet volta à presidência do Chile com agenda ambiciosa

"Os presidentes mandataram os seus ministros de Relações Exteriores para amanhã fazer uma reunião, criar uma comissão que pode ser, inclusive, todos os países de região, representantes de todos os países da região, e fazer a interlocução pela construção de um ambiente de acordo, de consenso, de estabilidade lá na Venezuela", disse a presidente.

Dia 5: Aniversário de morte de Chávez na Venezuela é marcado por pompa e protestos

A Venezuela vive há um mês uma onda de manifestações que já deixou ao menos 22 mortos e ameaça colocar em risco o governo de Maduro, sucessor do presidente Hugo Chávez, morto há mais de um ano, e que está há somente 11 meses no cargo.

Veja as imagens dos protestos na Venezuela:

Os opositores de Maduro responsabilizam o governo pela alta da inflação, a escassez de produtos básicos e o aumento da criminalidade. Sua meta, segundo afirmam, é convocar um referendo para revogar o mandato do presidente, algo que a Constituição permite apenas em 2016.

O governo, por outro lado, acusa a oposição de semear o caos para tentar derrubar Maduro, seguindo o exemplo de um breve golpe de Estado contra Chávez em 2002.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.