Negociações de grandes potências sobre Ucrânia avançam pouco

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

A Rússia e o Ocidente estão estancados na mais grave batalha desde o fim da Guerra Fria: a luta pela influência na Ucrânia

Reuters

Uma reunião diplomática de alto nível para tentar resolver a crise na Ucrânia fez pouco progresso aparente nas negociações em Paris nesta quarta-feira (5), marcadas pelo desacordo entre Rússia e Estados Unidos e a recusa do chanceler russo de se encontrar com seu homólogo ucraniano.

Ajuda: UE prepara pacote de auxílio de US$ 15 bilhões para a Ucrânia

Alerta: Rússia ameaça confiscar bens estrangeiros se sofrer sanção do Ocidente

O secretário de Estado norte-americano, John Kerry, disse que as discussões continuarão e que deve se reunir com o ministro do Exterior russo, Sergei Lavrov, novamente em Roma na quinta-feira. "Concordamos em continuar as discussões intensas nos próximos dias com a Rússia, com a Ucrânia, a fim de ver como podemos ajudar a normalizar a situação, estabilizá-la e superar a crise", Kerry disse a repórteres.

KEVIN LAMARQUE/REUTERS/Newscom
Secretário de Estado dos EUA e ministro das Relações Exteriores da França após reunião para discutir crise na Ucrânia

"Não pense que nós não tivemos conversas sérias que produziram ideias criativas e adequadas sobre a forma de resolver isso, temos uma série de ideias sobre a mesa", disse ele após reunião com ministros de Ucrânia, Rússia, Grã-Bretanha e França.

Mais cedo, a Rússia rejeitou as exigências de países ocidentais para retirar as suas forças da região ucraniana da Crimeia e retorná-las às suas bases. Oficialmente, os russos negam ter tropas naquela região.

Negócio paralelo: Navio de guerra fabricado na França zarpa com destino à Rússia

A Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), em uma reunião em Bruxelas, anunciou a suspensão de sua cooperação com a Rússia para tentar pressioná-la a aliviar a tensão na Ucrânia e suspendeu planos de uma missão conjunta para acabar com as armas químicas da Síria. A Otan afirmou que irá intensificar seu envolvimento com a nova liderança da Ucrânia.

A União Europeia ofereceu ao novo governo ucraniano, pró-ocidental, uma ajuda financeira no valor de 11 bilhões de euros nos dois próximos anos desde que o país chegue a um acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI). A Alemanha, maior economia da UE, prometeu ainda uma ajuda financeira bilateral.

O novo ministro das Finanças ucraniano, Oleksander Shlapak, provocou a queda no valor dos títulos ucranianos e no mercado cambial ao dizer que a combalida economia do país poderá iniciar negociações com os credores para reestruturar sua dívida em moeda estrangeira.

Guerra fria

A Rússia e o Ocidente estão estancados na mais grave batalha desde o fim da Guerra Fria: a luta pela influência na Ucrânia, uma ex-república soviética que tem laços históricos com Moscou, é grande exportadora de grãos e é uma ligação estratégica entre o Leste e o Oeste.

Entenda: Saiba quais são os interesses da Rússia na região da Crimeia

Leia: Saiba quais são as opções do Ocidente para lidar com a crise da Ucrânia

Sob pressão da Rússia, a Ucrânia abandonou um acordo comercial que estava sendo negociado com a UE no ano passado, o que desencadeou meses de protestos em Kiev, culminando na destituição do presidente Viktor Yanukovich - aliado dos russos -, em 22 de fevereiro.

Comboio de caminhões brancos com ajuda humanitária deixa Alabino, nos arredores de Moscou, Rússia (12/08). Foto: APManifestante ao lado de transeuntes na Praça da Independência em Kiev (9/08). Foto: ReutersManifestante segura coquetel molotov enquanto tenta impedir que trabalhadores municipais e voluntários limpem barricadas em Kiev (9/08). Foto: ReutersMembro de equipe antibomba inspeciona cratera com os restos de um projétil depois de uma noite de combates em Donetsk, Ucrânia (6/08). Foto: APMulher deixa prédio danificado por suposto bombardeio levando seus pertences na área central de Donetsk, Ucrânia (29/07). Foto: ReutersRebeldes pró-Rússia em um tanque com a bandeira da Rússia em uma estrada a leste de Donetsk, Ucrânia (21/07). Foto: APPrimeiro-ministro ucraniano Arseniy Yatsenyuk, à dir., conversa com um oficial durante inspecção ao Exército fora da cidade de Slovyansk, Ucrânia (16/07). Foto: APPremiê ucraniano, Arseniy Yatsenyuk (E), cumprimenta soldado ao inspecionar tropas em Slovyansk, leste da Ucrânia (16/07). Foto: APMulher chora perto de prédio que desmoronou após ataque aéreo em Snizhne, a 100 km a leste da cidade de Donetsk, no leste da Ucrânia (15/07). Foto: APCombatente da República Popular de Donetsk se despede de sua família, que deixa essa cidade no leste da Ucrânia para refugiar-se na Rússia (14/07). Foto: APCombatentes separatistas pró-russos esperam atrás de sacos de areia em posto de controle em Donetsk, Ucrânia (10/07). Foto: ReutersMilitares ucranianos perto das armas apreendidas de separatistas pró-russos perto Slaviansk, Ucrânia (8/07). Foto: ReutersMilitante mascarado pró-Rússia organiza o trânsito em posto de controle após ataque das tropas ucranianas em Slovyansk (24/4). Foto: APAtiradores mascarados pró-Rússia guardam entrada de escritório regional ucraniano do Serviço de Segurança em Luhansk com bandeira russa ao fundo (21/4). Foto: APAtivista mascarado pró-Rússia guarda barricada em prédio da administração regional capturado em Donetsk. Cartaz diz: 'EUA, tirem as mãos do leste da Ucrânia' (19/4). Foto: APAtivista mascarado pró-Rússia olha para o lado de fora de janela em prédio da administração regional de Donetsk, Ucrânia (18/4). Foto: APAtirador pró-Rússia abre caminho para veículo de combate com homens armados em seu topo em Slovyansk, Ucrânia (16/4). Foto: APAtivista mascarado pró-Rússia guarda barricada em prédio da administração regional em Donetsk, Ucrânia (15/4). Foto: APAtivista pró-Rússia é visto durante invasão de delegacia na cidade de Horlivka, leste da Ucrânia (14/4). Foto: APAtivistas armados pró-Rússia ocupam a delegacia de polícia no leste da Ucrânia, na cidade de Slaviansk (12/04). Foto: APAtivistas pró-Rússia ocupam delegacia de polícia e constroem uma barricada na cidade ucraniana oriental de Slovyansk (12/04). Foto: APHomens armados não identificados caminham em área perto de unidade militar ucraniana em Simferopol, Crimeia (18/3). Foto: APSoldado armado, provavelmente russo, anda perto de uma base militar ucraniana na aldeia de Perevalnoye (9/3). Foto: ReutersUm homem armado, que se acredita ser um soldado russo, anda perto da base naval ucraniana na Crimeia, no porto de Yevpatory (8/3). Foto: ReutersMarinheiro observa navio inativo Ochakov, que foi afundado por tropas russas e bloqueou o tráfego de cinco embarcações ucranianas em Myrnyi, oeste da Crimeia, Ucrânia (6/3). Foto: APCriança brinca perto de soldado russo (D) enquanto soldados ucranianos observam do outro lado do portão de base em Perevalne, Crimeia (4/3). Foto: APSoldado pró-Rússia bloqueia base naval na vila de Novoozerne, Crimeia, na Ucrânia (3/3). Foto: APGrupo de homens armados sem emblemas em uniformes cortam luz do Quartel-General das forças navais ucranianas em Sevastopol, Crimeia, Ucrânia (2/3). Foto: APComboio russo se move de Sevastopol para Sinferopol na Crimeia, Ucrânia (2/3). Foto: APHomem com uniforme sem identificação monta guarda enquanto tropas tomam controle de escritórios da Guarda Costeira em Balaklava, em Sevastopol (Crimeia), na Ucrânia (1/3). Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda em Balaklava, nos arredores de Sevastopol, na ucraniana Península da Crimeia (1/3)
. Foto: APEmblema em veículo e placas de outros carros indicam que tropas são do Exército russo (1/3). Foto: APHomens armados não identificados e vestidos com uniformes de camuflagem bloqueiam a entrada do prédio do Parlamento da Crimeia em Simferopol, Ucrânia (1/3). Foto: APHomens armados não identificados bloqueiam entrada de Parlamento da Crimeia em Simferopol, Ucrânia (1/3). Foto: APHomem armado não identificado com uniforme de camuflagem bloqueia estrada que leva a aeroporto militar em Sevastopol, na Crimeia. Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda durante tomada de controle de escritórios da Guarda Costeira em Balaklava, Crimeia, na Ucrânia (1/3). Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda durante tomada de controle de escritórios da Guarda Costeira em Balaklava, Crimeia, na Ucrânia (1/3). Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda nos arredores de Sevastopol, na ucraniana Crimeia. Foto: APHomem com uniforme sem identificação patrula aeroporto de Simferopol, na Ucrânia (28/2). Foto: AP


A Ucrânia diz que a Rússia ocupou a Crimeia, onde está a base da frota russa no Mar Negro, o que provocou protestos de vários países e fortes quedas nos mercados financeiros na segunda-feira, embora depois eles tenham se recuperado.

Lavrov declarou que as discussões sobre a Ucrânia continuarão, mas ele não se reuniu com o chanceler ucraniano, Andriy Deshchitsya, cujo novo governo Moscou não reconhece.

Ao sair do Ministério das Relações Exteriores em Paris, Lavrov foi questionado se ele havia se reunido com Deshchitsya. "Quem é ele?", respondeu o chanceler russo.

Deshchitsya disse acreditar em um "resultado positivo". Perguntando por que ele não havia se reunido com Lavrov, ele levantou os ombros e as sobrancelhas.

O chanceler francês admitiu que a situação não estava fácil.

"Estamos felizes que essa reunião em Paris nos permitiu colocar as coisas em andamento. Concordamos em tentar encontrar uma solução pacífica nos próximos dias para sair desta crise... algo está indo na direção correta."

Relatos negados

Uma autoridade do Departamento de Estado dos EUA negou relatos russos de que Moscou e o Ocidente haviam concordado que o governo da Ucrânia e a oposição deveriam se ater a um acordo de paz mediado pela UE.

"Não houve acordos neste encontro, e nunca haverá sem o envolvimento direto do governo ucraniano e adesão absoluta", disse a autoridade.

As negociações desta quarta-feira em Paris foram um esforço da França de aproveitar a presença de grandes ministros de Relações Exteriores na capital francesa para uma reunião previamente agendada sobre o Líbano.

Reuniões envolvendo os chanceleres de França, Rússia, Estados Unidos, Polônia, Alemanha, Polônia e Ucrânia ocorreram em várias combinações durante o dia, mas nunca com os ministros russo e ucraniano juntos na mesma sala.

Mais tarde, o presidente dos EUA, Barack Obama, falou por telefone com o primeiro-ministro britânico, David Cameron, e expressou "profunda preocupação com a clara violação da soberania ucraniana pela Rússia", disse a Casa Branca.

Mais cedo, Lavrov repetiu a afirmação de Moscou - ridicularizada pelo Ocidente - de que as tropas que tomaram o controle da península do Mar Negro não estavam sob comando russo.

Perguntado se Moscou pediria que as forças na Crimeia voltassem às suas bases, Lavrov disse em Madri: "Se você quer dizer as unidades de autodefesa criadas pelos habitantes da Crimeia, nós não lhes damos nenhuma ordem, elas não recebem nenhuma ordem de nós."

Um enviado especial da Organização das Nações Unidas (ONU) teve de abandonar uma missão para a Crimeia depois de ter sido parado por homens armados e cercado em um café por uma multidão hostil que gritava "Rússia! Rússia".

O diplomata holandês, Robert Serry, concordou em deixar a Crimeia para encerrar o impasse e partiu para a Turquia.

Em um sinal de tensões elevadas no leste da Ucrânia, uma multidão pró-Rússia, em Donetsk, cidade natal de Yanukovich, recapturou o prédio da administração regional que haviam ocupado antes de serem expulsos pela polícia.

Leia tudo sobre: ucrâniarússiarússia na ucrâniacrimeiaue

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas