China captura suspeitos por ataque que matou 29 a facadas em estação de trem

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

'Gangue terrorista' de 6 homens e 2 mulheres é responsável por ataque com 143 feridos, afirma Ministério de Segurança Pública

A polícia capturou os últimos três suspeitos de envolvimentos em um ataque lançado com facas no sábado em uma estação de trem no sudoeste da China que deixou 29 mortos, disse a mídia nesta segunda-feira. Segundo autoridades, o ataque na cidade de Kunming, que também deixou 143 feridos, foi perpetrado por separatistas da região do extremo oeste de Xinjiang.

Quase 30 mortos: Estação de trem é alvo de ataque na China

AP
Parentes e amigos de uma vítima morta em ataque de sábado esperam para ver seu corpo do lado de fora de funerária em Kunming, China

Muçulmanos uigures: China acusa militantes separatistas por ataque

Citando uma declaração do Ministério de Segurança Pública, a agência de notícias Xinhua (Nova China) disse que uma "gangue terrorista" de seis homens e duas mulheres liderada por uma pessoa identificada como Abdurehim Kurban era responsável pelo ataque.

Xinhua afirmou que a polícia matou a tiros quatro dos agressores, que usaram facas para cortar multidões de pessoas, e capturou uma suspeita no local.

Xinjiang é lar de uma fervente rebelião contra o governo chinês de membros da população uigur muçulmana, e o governo respondeu a essa ameaça com uma segurança pesada. A breve nota da Xinhua não identificou a etnicidade dos oito suspeitos.

Ataque de sábado ressaltou de maneira sangrenta o risco de as tensões étnicas ultrapassarem as fronteiras da irrequieta região de Xinjiang.

A China prometeu reprimir o que disse serem grupos extremistas que querem transformar Xinjiang em um Estado independente chamado Turquestão do Leste, mas também procurou enfatizar a unidade étnica na esteira do que descreveu como um ataque terrorista.

Grande parte da etnia muçulmana uigur de Xinjiang diz se irritar com as restrições chinesas à sua cultura e religião. 

*Com AP e Reuters

Leia tudo sobre: uigurchinaxinjiang

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas