Emboscada do Exército mata ao menos 175 rebeldes sírios perto de Damasco

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Operação foi lançada perto da capital Damasco e teve como alvo rebeldes em sua maioria de grupo alinhado à Al-Qaeda

O Exército sírio matou 175 rebeldes em uma emboscada na área de Ghouta, nos arredores da capital Damasco, informou a Sana, agência de notícias estatal da Síria, nesta quarta-feira (26). De acordo com a agência, o grande ataque tinha como alvo em sua maioria rebeldes pertencentes à Frente Nusra, ligada à Al-Qaeda. Se confirmado, o ataque será um dos mais mortais realizados pelo governo na área.

Janeiro: Conflitos entre rebeldes da Síria mataram mais de 1 mil, diz Observatório

AP
Em Damasco, Síria, manifestantes pró-governo levantam bandeira do país, demonstrando solidariedade às forças de Bashar Assad


Disputa: Rebeldes sírios lutam entre si e desestabilizam fronteira com Turquia

O ataque lançado ao amanhecer pelas forças do presidente Bashar al-Assad provavelmente empurrará os grupos rebeldes contra seu governo bem longe de Damasco, seu centro de poder. Os subúrbios da capital têm sido redutos da oposição desde março de 2011, quando começou a revolta contra a família que governa o país há décadas.

O Observatório Sírio para Direitos Humanos, cuja base fica no Reino Unido, também relatou o ataque, dizendo que 70 rebeldes foram mortos. O Observatório, que tem documentado o conflito de quase três anos da Síria contando com informações de campo, diz que o número de mortos provavelmente aumentará porque há relatos de que 89 rebeldes estão desaparecidos.

O conflito na Síria começou como protestos amplamente pacíficos contra o governo de Assad em março de 2011. Gradualmente eles se tornaram uma guerra civil que adquire cada vez mais tons sectários, contrapondo rebeldes em sua maioria sunitas contra o governo de Assad dominado por alauítas, uma seita dos muçulmanos xiitas.

O conflito de quase três anos deixou mais de 140 mil mortos, segundo ativistas, enquanto estimados 2 milhões fugiram do país e 6,5 milhões estão desalojados internamente.

* Com Reuters e AP

Leia tudo sobre: al qaedadamascomundo árabeprimavera árabeassad

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas