Premiê rejeita renúncia após onda de violência se agravar na Tailândia

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Yingluck Shinawatra descarta a hipótese de deixar o governo tailandês. Nova explosão matou duas crianças em Bangcoc

A primeira-ministra tailandesa, Yingluck Shinawatra, acuada por protestos em Bangcoc, descartou nesta segunda-feira a hipótese de renúncia. Visitando uma exposição comercial na província de Saraburi, 100 quilômetros ao norte de Bangcoc, Yingluck defendeu o diálogo como forma de resolver uma crise que já dura meses.

Violência: Confronto entre manifestantes e polícia deixa quatro mortos na Tailândia

AP
Tayakorn Yos-ubon chora ao velar corpo dos dois filhos mortos após ataque com bombas anti-governo (24/02)


No início do mês: Tiros e explosões agitam protestos na Tailândia 

"É hora de todos os lados conversarem entre si", disse Yingluck a jornalistas. "Muita gente me pediu para renunciar, mas pergunto: a renúncia é a resposta? E se ela criar um vazio de poder?"

Os protestos são pontuados por tiroteios e explosões de bombas, inclusive uma que no domingo matou três irmãos, sendo dois deles crianças. O gabinete de Yingluck não confirmou há quantos dias ela se encontra despachando de fora da capital. Ela foi vista em público na cidade pela última vez no dia 11, uma terça-feira, quando os protestos já eram intensos. Na quinta-feira, ela deve comparecer a uma audiência sobre corrupção em Bangcoc.

Os manifestantes querem que Yingluck deixe o poder e que o irmão dela, o bilionário ex-premiê populista Thaksin Shinawatra, deixe de interferir na política local. Os irmãos Shinawatra são especialmente populares entre os tailandeses pobres do norte e nordeste do país, ao passo que os protestos atraem o apoio principalmente das elites monarquistas e da classe média de Bangcoc e do sul.

O Exército, que depôs Thaksin em 2006, no último dos 18 golpes ou tentativas de golpe na Tailândia desde a implantação da monarquia constitucional, em 1932, disse que desta vez não irá interferir.

"Alguém precisa assumir a responsabilidade, mas isso não significa que os soldados possam intervir sem trabalhar sob o marco ", disse o comandante militar Prayuth Chan-ocha num raro pronunciamento televisivo, também propondo o diálogo. "Como podemos ter a certeza de que, se usarmos soldados, a situação voltará à paz?"

Os manifestantes, que perturbaram e boicotaram a eleição geral deste mês, foram orientados por seu líder a atacarem empresas ligadas a Thaksin, e por isso se concentraram na segunda-feira em frente a um canal de TV dirigido por um filho do ex-premiê.

Não está claro por enquanto quem cometeu o atentado de domingo em um movimentado bairro comercial, fato que Yingluck descreveu como terrorismo. Uma jovem e seu irmão de cinco anos já haviam perdido a vida no domingo, e na segunda-feira foi anunciada a morte de uma terceira vítima, irmã dos outros dois mortos.

No sábado, uma menina de cinco anos morreu em circunstâncias semelhantes, na província de Trat (leste).

*Com Reuters


Leia tudo sobre: protestos na tailandiacarro bombathaksinshinawatra

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas