Parlamento destituiu presidente da Ucrânia e convoca eleições para maio; Ex-primeira-ministra e rival do presidente deposto, Yulia Tymoshenko, é libertada

Reuters

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, disse neste sábado (22) que tem "a maior das preocupações" em relação ao que disse ser a falha da oposição ucraniana em cumprir o acordo desta sexta-feira com o presidente Viktor Yanukovich.

Yanukovich concordou em dar várias concessões por um acordo de paz, alcançado com a mediação das chancelarias de França, Alemanha e Polônia, e que inclui eleições antecipadas e a redução do poder presidencial.

Líder da oposição é libertada na Ucrânia
Parlamento destitui presidente da Ucrânia e convoca eleições para maio


Lavrov conversou neste sábado com o trio de países da União Europeia, de acordo com comunicado divulgado pelo Ministério das Relações Exteriores russo. O ministro expressou a "maior das preocupações" sobre os últimos acontecimentos na Ucrânia.

"A oposição não apenas falhou no cumprimento de apenas uma de suas obrigações, mas também não para de apresentar novas exigências, seguindo as ordens de extremistas armados e bárbaros, cujas ações são uma ameaça direta à soberania da Ucrânia e à ordem constitucional", afirmou Lavrov a seus colegas.

Lavrov ligou para Berlim, Varsóvia e Paris para que essas nações exerçam sua influência com a oposição, assegurem o cumprimento do acordo desta sexta-feira e "contenham os hoolingans raivosos".

Aliado de Moscou, Yanukovich disse neste sábado que o que está acontecendo em Kiev é um golpe, depois que o Parlamento aprovou sua destituição e a libertação de sua rival, Yulia Tymoshenko , enquanto manifestantes tomavam seu gabinete .


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.