No dia mais violento na crise de 3 meses, contagens vão de ao menos 21 a 70 manifestantes mortos, com centenas de feridos

Confrontos violentos entre a polícia e manifestantes – inclusive com uso de franco-atiradores –quebraram uma breve trégua acertada no dia anterior em Kiev , capital da Ucrânia, nesta quinta-feira (20), desatando uma onda de violência que deixou dezenas de mortos, em uma contagem que vai de um total de ao menos 21 a 70 manifestantes.  Em resposta à violência, a União Europeia anunciou a imposição de sanções contra a Ucrânia .

Quarta: Presidente da Ucrânia e oposição anunciam trégua

Ativistas seguram bandeira 'Pela Ucrânia' diante dos corpos de manifestantes mortos em confronto com a polícia, na Praça da Independência, em Kiev (20/02)
AP
Ativistas seguram bandeira 'Pela Ucrânia' diante dos corpos de manifestantes mortos em confronto com a polícia, na Praça da Independência, em Kiev (20/02)


Terça: Polícia invade acampamento de manifestantes em Kiev e deixa mortos

Testemunhas disseram à BBC que alguns morreram como resultado de um ferimento feito por uma única bala, típico de franco-atiradores. Autoridades disseram que um policial foi morto e que outros 67 foram capturados pelos manifestantes. Não ficou claro como eles foram capturados. Segundo um senador opositor, eles estão presos na prefeitura ocupada de Kiev.

As novas mortes aconteceram horas após o presidente ucraniano, Viktor Yanukovych, e os líderes da oposição, que exigem sua demissão, anunciarem uma trégua para tentar resolver a crise política do país.

Obama critica repressão:  Franco-atiradores disparam em manifestantes na Ucrânia

O presidente e os manifestantes da oposição estão presos em um impasse sobre a identidade dessa nação de 46 milhões de habitantes, cujas lealdades estão divididas entre Rússia e o Ocidente. Partes do país – principalmente na região ocidental – declararam revolta contra o governo de Yanukovych no final de novembro, depois que ele abriu mão de um acordo há muito tempo esperado com a União Europeia em troca de um pacote de resgate de US$ 15 bilhões da Rússia .

Veja a galeria de fotos dos protestos na Ucrânia:

Obama adverte contra violência: Presidente da Ucrânia nomeia novo chefe militar

Um repórter da Associated Press contou 21 corpos expostos na beira do acampamento em que os manifestantes estão concentrados no centro de Kiev. Por sua vez, Oleh Musiy, o principal coordenador médico dos manifestantes, disse que ao menos 70 foram mortos nesta quinta-feira, dia que também deixou 500 feridos. Não há como confirmar a informação de forma independente. Além do policial morto, 28 sofreram ferimentos por causa de tiros, segundo o porta-voz do Ministério do Interior Serhiy Burlakov.

Vídeo: Kiev vira campo de batalha entre policiais e manifestantes

À medida que a violência explodia e a densa fumaça da queima de barricadas subia no acampamento dos manifestantes, chanceleres de três países europeus reuniram-se com Yanukovych.

Kremlin: Rússia descreve protestos na Ucrânia como 'tentativa de golpe'

Corpos de manifestantes antigoverno mortos em confrontos com a polícia são vistos na Praça da Independência, em Kiev (20/2)
AP
Corpos de manifestantes antigoverno mortos em confrontos com a polícia são vistos na Praça da Independência, em Kiev (20/2)

Dizendo que os EUA estão ultrajados com a violência, o presidente Barack Obama emitiu uma declaração conclamando Yanukovych a retirar suas forças do centro de Kiev imediatamente. Os EUA consideram a possibilidade de se unir às sanções que a União Europeia adotou contra os que forem considerados responsáveis pela violência .

Previamente às mortes desta quinta, o Ministério da Saúde ucraniano confirmou 28 mortes e 287 internações nesta semana. Manifestantes que improvisaram uma instalação de cuidados médicos no centro da catedral disseram, porém, que os números de feridos são significantemente maiores – possivelmente até o triplo do anunciado pelo governo.

Galeria de fotos: Protestos da Ucrânia parecem uma batalha medieval

O surto de violência de rua no país começou na terça-feira (18), quando manifestantes atacaram as linhas policiais e colocaram fogo do lado de fora do Parlamento, acusando Yanukovych de ignorar suas demandas - eles pedem reformas constitucionais que limitam o poder do presidente. No entanto, o Parlamento, dominado por seus partidários, vinha adiando assumir uma reforma constitucional que limitaria os poderes presidenciais.

*Com AP

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.