Integrantes da banda Pussy Riot são soltas após breve detenção em Sochi

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Nenhum acusação foi feita contra Tolokonnikova e Alekhina, que foram detidas por caso envolvendo roubo em hotel

Duas integrantes da banda punk Pussy Riot foram soltas depois de terem sido detidas pela polícia em Sochi, cidade-sede das Olimpíadas de Inverno. Nenhum acusação foi imposta contra Nadezhda Tolokonnikova e Maria Alekhina, que foram presas com várias outras pessoas perto do terminal de balsas da cidade, uma área popular para os torcedores que celebram os Jogos. As outras oito pessoas que foram detidas juntamente com elas também foram soltas.

Dezembro: Rússia liberta duas integrantes da banda Pussy Riot após anistia

AP
Integrantes do grupo Pussy Riot Nadezhda Tolokonnikova (capuz azul) e Maria Alekhina (capuz rosa) são vistas após serem soltas de delegacia em Sochi, Rússia

Após serem soltas por anistia: Integrantes da banda Pussy Riot criticam Putin

A polícia justificou a detenção afirmando que tinha conexão com um roubo em um hotel onde estavam hospedadas. Em 2012, Tolokonnikova e Alekhina foram condenadas por protestar contra o presidente Vladimir Putin.

Elas realizaram seu protesto juntamente com outras integrantes do grupo na maior catedral de Moscou e só foram soltas em dezembro.

"Agora há uma ocupação desse território, porque a cidade está sob controle total da polícia e da segurança", disse Tolokonnikova aos repórteres. "Chegamos aqui no domingo e estamos sendo presas todo o tempo. Mesmo quando estamos dirigindo nossos carros ou caminhando na rua. Eles buscam quaisquer razões para nos prender."

Segundo Tolokonnikova, elas ficaram presas durante dez horas na segunda-feira depois de chegar "para fazer uma declaração polícia sobre as Olimpíadas de Sochi". "Não há espaço para o protesto político aqui", disse. "Se você quiser dizer algo crítico, será detido."

Alyokhina relatou que as duas lançarão uma nova música e prepararão um vídeo "com base ao que aconteceu conosco nesse um dia e meio".

No início deste mês, seis integrantes do Pussy Riot assinaram uma carta aberta insistindo que Alyokhina e Tolokonnikova não deveriam mais ser descritas como membros da coletividade do punk rock.

As integrantes remanescentes do grupo disseram que a dupla se esqueceu das "aspirações e ideais de nosso grupo" e estavam erradas por terem participado do concerto internacional da Anistia em Nova York.

*Com BBC e AP

Leia tudo sobre: pussy riotrússiasochi

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas