Venezuela expulsa três funcionários consulares dos EUA

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Expulsão é ordenada depois de Washington se posicionar em defesa de opositor buscado por atos de violência em protesto

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, ordenou no domingo a expulsão de três funcionários da embaixada dos EUA depois que Washington se pronunciou em defesa de um opositor acusado pelo líder venezuelano de responsabilidade em atos de violência em protestos antigoverno.

López: Líder oposicionista venezuelano afirma que vai participar de protesto na terça

Maduro não identificou os funcionários consulares, mas disse que autoridades de inteligência que os seguem há dois meses encontraram provas de que eles tentavam se infiltrar nas universidades venezuelanas, local de organização da recente mobilização, sob a desculpa de fazer triagem para vistos. O chanceler Elías Jaua deve fornecer mais detalhes nesta segunda.

Polícia nacional da Venezuela dispara gás lacrimogêneo enquanto manifestante antigoverno se ajoelha segurando pedra durante confrontos em Caracas (6/4). Foto: ReutersManifestantes mostram cartazes com fotos de ativistas mortos durante protestos antigoverno na Plaza Altamira em Caracas, Venezuela (20/3). Foto: APPartidários do líder da oposição Leopoldo López se reúnem para protesto que pede a libertação do político após um mês de sua prisão, na Venezuela (18/03). Foto: APGuardas das forças bolivarianas patrulham a Plaza Altamira após tomarem o controle do local em Caracas, Venezuela (17/3). Foto: APEstudante da Universidade Central da Venezuela grita contra governo de Nicolás Maduro durante protesto em Caracas (12/3). Foto: APManifestante antigoverno corre em meio ao gás lacrimogêneo lançado pela polícia durante protesto em Caracas, Venezuela (12/3). Foto: ReutersManifestante joga lata de gás lacrimogêneo em direção à polícia durante protesto antigoverno em Caracas, Venezuela (11/3). Foto: APGuardas prendem manifestante durante conflitos entre ativistas e motociclistas em Los Ruices, Venezuela (10/3). Foto: APPolícia impede passagem de manifestantes que protestavam contra escassez de alimentos (8/3). Foto: APManifestantes se preparam para jogar coquetéis molotov durante confrontos em Caracas, Venezuela (6/3). Foto: APOficiais da Guarda Nacional Bolivariana se protegem de fogos de artifício lançados contra eles por manifestantes em Caracas, Venezuela (março/2014). Foto: APManifestantes seguram cartazes com imagens de venezuelanos que foram mortos nas duas últimas semanas durante marcha em Caracas (28/2). Foto: APManifestantes rolam cano de água na tentativa de bloquear uma rodovia importante em Caracas, Venezuela (27/02). Foto: APOficiais da Guarda Nacional Bolivariana avançam em direção a protestos antigoverno em Valencia, Venezuela (26/2). Foto: APManifestante segura placa em frente de cordão da Guarda Nacional Bolivariana durante protesto perto da Embaixada de Cuba em Caracas, Venezuela (25/2). Foto: APObjetos colocados por manifestantes da oposição bloqueiam estrada no bairro de Altamira, em Caracas, Venezuela (20/2). Foto: APOpositor caminha perto de acusação feita a presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, em rua no bairro de Altamira, Caracas (21/2). Foto: ReutersManifestante envolto com a bandeira da Venezuela coloca mais objetos em barricada em chamas no bairro de Altamira, em Caracas, Venezuela (20/2). Foto: APPartidários do governo venezuelano marcham no centro de Caracas (20/2). Foto: APManifestante levanta os braços em direção à polícia que lança gás lacrimogêneo em bairro de Caracas, Venezuela (19/2). Foto: APMiss Génesis Carmona é levada de moto a hospital. Ela morreu após ter sido atingida por disparo na cabeça em 18/2. Foto: Reprodução/TwitterManifestante usa máscara caseira para se proteger de gás durante protestos em avenida de Caracas, Venezuela (18/02). Foto: APEstudantes gritam slogans contra o presidente Nicolás Maduro durante marcha em Caracas, Venezuela (18/2). Foto: APLeopoldo López, líder da oposição da Venezuela, é preso vestido de branco e segurando flor em Caracas, Venezuela (18/2). Foto: APManifestante cobre a boca com pano durante protesto contra a censura do governo venezuelano em Caracas (17/2). Foto: APManifestante atira pedras na Força Nacional Bolivariana durante protesto na Venezuela (15/2). Foto: APManifestantes fecham a principal via da Venezuela (15/2). Foto: ReutersManifestantes na Venezuela são dipersados com canhões de água e gás lacrimogêneo (15/2). Foto: Carlos Garcia Rawlins/ReutersUniversitária segura cartaz em que se lê 'E quem tem as armas?' enquanto se manifesta contra o presidente Nicolás Maduro em Caracas, Venezuela (13/2). Foto: APEstudantes choram durante vigília em Caracas por dois jovens mortos em confrontos violentos na Venezuela (13/2). Foto: APEstudantes comparecem à vigília em Caracas por dois jovens mortos em confrontos violentos na Venezuela (13/2). Foto: APJovem segura livro marcado em espanhol com a frase 'Esta é a minha arma' durante protesto contra repressão de estudantes em Caracas, Venezuela (13/2). Foto: APEstudante segura cartaz em que se lê 'Paz e liberdade' durante manifestação em Caracas, Venezuela (13/2)
. Foto: APEstudantes gritam slogans contra o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, durante protesto em Caracas (13/2)
. Foto: AP

Jornal: Juíza da Venezuela ordena prender opositor após protestos com 3 mortos

O detonador para a expulsão está o fato de o governo de Barack Obama ter-se posicionado a favor do líder opositor Leopoldo López, que está sendo buscado pela polícia enquanto a polícia o acusa de liderar uma conspiração "fascista" para derrubar o governo socialista dois meses depois de os governistas terem vencido eleições municipais de lavada.

Maduro disse que o funcionário do Departamento de Estado Alex Lee, em uma conversa por telefone com o embaixador da Venezuela na Organização de Estados Americanos, alertou que a prisão do ex-prefeito de 42 anos de Chacao traria consequências muito negativas com ramificações internacionais.

"Essas são demandas inaceitáveis, insolentes", disse Maduro em um discurso na noite de domingo. "Não recebo ordens de ninguém no mundo."

Não houve reação imediata do governo americano, que negou as acusações de que conspira com a oposição contra Maduro. Os EUA não têm um embaixador em Caracas desde 2010.

López, economista educado em Harvard, está no centro de tensões crescentes na Venezuela desde a realização da maior manifestação contra Maduro em seus dez meses de governo, mobilizando mais de 10 mil pessoas na quarta-feira em protestos pacíficos que criticavam desde a alta criminalidade à inflação de 56%.

O governo culpou pela confusão que começou depois do fim da marcha, com um grupo de estudantes tendo entrado em choque com forças de segurança e milícias pró-governo armadas, deixando três mortos. A maioria dos manifestantes havia ido para casa antes do início da violência.

AP
Em Caracas, Leopoldo López participa de debate (foto de arquivo)

Em seu discurso na TV, Maduro convocou uma marcha de trabalhadores do petróleo na terça-feira, começando na mesma praça central em Caracas onde López disse que marchará com partidários vestidos de branco no mesmo dia, criando o cenário para confrontos entre as duas forças de oposição.

López anunciou seus planos um pouco antes do discurso de Maduro, aparecendo em um vídeo de um local não identificado. Eles disse não temer ser preso, mas acusou as autoridades de tentar violar seu direito constitucional de protestar contra Maduro.

"Se houver alguma decisão de ilegalmente me prender, estarei aí para assumir essa decisão e essa perseguição infame por parte do Estado", disse no vídeo de três minutos.

Na madrugada de domingo, de posse do mandado de prisão, militares armados realizaram buscas na casa de López e de seus pais. Também no domingo, quinto dia de protestos em Caracas e em outras cidades importantes, a polícia voltou a usar gás lacrimogêneo para dispersar os manifestantes. Não houve confrontos tão graves quanto nas vezes anteriores.

Os manifestantes, a maioria estudantes, permanecem firmes nas ruas e dizem que não vão sair enquanto não receberem a notícia da renúncia de Maduro, herdeiro político do líder socialista Hugo Chávez. Nada indica, entretanto, que essa renúncia aconteça.

Maduro, que se diz alvo de uma tentativa de golpe em gestação, diz que não tolerará manifestações que bloqueiem vias importantes ou destruam o patrimônio público.

*Com AP e Reuters

Leia tudo sobre: venezuelamaduroleopoldo lópezeua

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas