Chefes das delegações querem promover encontros assíduos das famílias separadas pela guerra no país

Os líderes coreanos Won Tong Yon, vice-diretor do Departamento da Frente Unida do Partido dos Trabalhadores, do norte, e Kim Kyou-hyun, secretário-geral do Conselho de Segurança Nacional do Escritório Presidencial, na região sul do país, se reuniram nesta quarta-feira (12) na Aldeia de Panmunjom, fronteira entre as duas regiões, para tratar, entre outros assuntos, dos encontros entre as famílias separadas pela guerra coreana.

Chefes de delegação, Kim Kyou-hyun, do sul, à direita, cumprimenta Won Tong Yon, do lado norte, em Panumjom, região sul da fronteira da Coreia
AP
Chefes de delegação, Kim Kyou-hyun, do sul, à direita, cumprimenta Won Tong Yon, do lado norte, em Panumjom, região sul da fronteira da Coreia


Kim já havia manifestou à imprensa seu desejo de promover encontros assíduos entre as famílias. O primeiro deles deve acontecer entre 20 e 25 deste mês, no complexo turístico do monte norte-coreano de Kumgang. Ele disse que o encontro foi marcado a pedido do lado norte.

Coreias concordam em realizar encontros entre famílias separadas pela guerra

Em setembro de 2013, a Coreia do Norte cancelou, de última hora, um encontro pré-agendado entre famílias de ambos os lados do país. 

Apesar de não ter uma agenda pré-definida, a reunião deve ser pautada também pelos exercícios militares conjuntos entre a região sul-coreano e os Estados Unidos, marcadas para acontecer a partir do dia 24 de fevereiro. A Coréia do Norte manifestou-se contra essa atividade. 

A fronteira de Panmunjom já foi cenário para outro encontro entre as autoridades: em 1953, o armistício que deu fim às hostilidades foi assinado na região.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.