Pelo menos 60% da cidade localizada ao nordeste do país foi incendiada. Homens traziam explosivos e pistolas

Reuters

Homens armados da seita islamita Boko Haram mataram 51 pessoas em ataque a uma cidade no nordeste da Nigéria, disseram testemunhas nesta quarta-feira, numa região onde as tropas do presidente Goodluck Jonathan estão tendo dificuldades para conter a insurgência.

Cidade ao nordeste da Nigéria vira cinzas após ataque da seita Boko Haram. Grupo trazia explosivos e pistolas automáticas
AP
Cidade ao nordeste da Nigéria vira cinzas após ataque da seita Boko Haram. Grupo trazia explosivos e pistolas automáticas


Dezenas de combatentes do Boko Haram em caminhões pintados em cores militares e armados com pistolas automáticas e explosivos invadiram a área do governo local de Konduga, no Estado de Borno, na terça-feira, queimando casas e atirando em moradores em fuga, segundo duas testemunhas.

Lei da Nigéria proíbe casamento gay e criminaliza instituições homossexuais

Os insurgentes também levaram 20 jovens garotas de um colégio local como reféns, disse um professor. As Forças Armadas confirmaram o ataque, mas disseram que ainda estavam avaliando o número de vítimas.

"É bárbaro e lamentável", disse o governador de Borno, Kashim Shettima, ao visitar a cidade nesta quarta-feira. "Cerca de 60 a 70 por cento da cidade foi incendiada, mas estamos dispostos a reconstruí-la", acrescentou ele, prometendo gastar 609.000 dólares em materiais de emergência.

Nigeriano sobrevive dois dias em bolha de ar dentro de navio naufragado

A seita Boko Haram, que quer impor a lei islâmica (sharia) em um país dividido de forma aproximadamente igual entre cristãos e muçulmanos, matou milhares de pessoas nos últimos quatro anos e meio e é considerada o maior risco de segurança no maior exportador de petróleo e segunda maior economia da África, atrás apenas da África do Sul.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.