Manifestantes protestam contra lei que pode permitir ao governo fechar sites sem autorização judicial na Turquia

Uma manifestação que levou centenas de pessoas a região da praça Taksim, no centro de Istambul, na Turquia, desta vez contra a aprovação de uma lei que permite ao governo fechar sites sem autorização judicial, terminou em confronto com a tropa de choque da polícia turca neste sábado (08).

Junho de 2012: Protestos na Turquia intensificam tensão em região tumultuada

Na Turquia, o acesso à internet já é restrito por parte das autoridades, que, nos últimos anos, têm impedido milhares de sites de funcionar. Desde que manifestantes fizeram grande uso de redes sociais como Facebook e Twitter durante os protestos Gezi , o primeiro-ministro Recep Tayyip Erdogan chegou a criticar publicamente a utilização da internet. Há relatos de que vários jornalistas
perderam seus empregos por expressar as suas opiniões ou postar informações sobre os protestos no Twitter.

No protestos deste sábado (07), a tropa de choque da polícia turca disparou canhões de água e bombas de gás lacrimogêneo contra centenas de manifestantes que tentavam marchar até a praça principal da cidade. Os manifestantes responderam com rojões e pedras contra os policiais, que isolaram a praça.

Análise: Protestos na Turquia revelam luta mais ampla pela identidade do país

Os manifestantes tentam impedir a aprovação da nova legislação que pode dar às autoridades o poder de bloquear sites por violação de privacidade, sem uma decisão judicial. Provedores de internet também seriam obrigados a manter os dados dos usuários e disponibilizá-los às autoridades.

O primeiro-ministro Erdogan negou as acusações de censura no sábado, insistindo que a legislação tornaria a internet "mais seguro e livre."

* Com informações da AP e El País

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.