Rebeldes sírios libertam centenas de prisão em Aleppo, dizem ativistas

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Ação que teria soltado ao menos 300 presos acontece em meio à incansável campanha de Damasco contra oposição

Rebeldes da Síria fizeram um novo esforço nesta quinta-feira na Província de Aleppo, norte da Síria, para capturar símbolos-chave do governo e invadiram uma grande área de uma prisão lá, libertando centenas de prisioneiros no processo, disseram ativistas.

Drama: Refugiados em fuga de Aleppo estão encurralados na fronteira turca

AP
Reprodução de vídeo mostra homem retirando menino de prédio que desmorou pelo que ativistas descrevem como ataque com bomba de barris em Aleppo, Síria

Divisão: Al-Qaeda se distancia de grupo extremista sírio

A ação aconteceu em meio a uma incansável campanha área de forças do governo que deixaram ao menos 11 mortos em um bairro ocupado pela oposição na capital provincial de Aleppo. Ativistas disseram que a aeronave do governo jogou as chamadas bombas de barris - contâineres empacotados com explosivos, combustíveis e pedaços de metal que infligem fortes danos no impacto.

Similares bombardeiros na cidade deixaram ao menos 246 mortos, incluindo 73 crianças, de acordo com o Observatório Sírio para os Direitos Humanos.

Os rebeldes declararam nesta quinta-feira sua intenção de libertar a prisão central de Aleppo e a base aérea de Kweiras, no leste da cidade. Militantes da oposição tentam capturar as instalações há meses.

Vídeo: Sírios fazem resgate dramático de bebê de 14 meses em Aleppo

A prisão, em particular, foi pega no impasse da guerra civil síria. Os rebeldes vinham cercando a instalação, que teria estimados 4 mil prisioneiros, há quase um ano. Eles lançaram carros-bomba contra os portões da prisão por duas vezes, jogaram bombas contra o complexo e entraram em choque frequentemente com os centenas de guardas e soldados que ficam dentro do local.

A ação desta quinta-feira começou quando um homem-bomba da brigada Frente al-Nusra, afiliada à Al-Qaeda, se explodiu nos portões. A isso se seguiu uma ofensiva terrestre durante a qual os rebeldes conseguiram obter o controle da maior parte da instalação.

O Observatório Sírio para os Direitos Humanos disse que ao menos 300 prisioneiros foram soltos pelos rebeldes. O antigovernista Centro de Média de Aleppo disse que os rebeldes assumiram o controle da prisão. Entretanto, a televisão síria estatal disse que o Exército frustrou uma tentativa de "grupos terroristas" de atacar a prisão.

Família síria acena a parentes após entrar em ônibus em direção a aeroporto para ir à Alemanha, onde foram aceitos como asilados temporários, em Beirute, Líbano (10/10). Foto: APTanque velho sírio é cercado por fogo após explosão de morteiros nas Colinas do Golan, território controlado por Israel (16/07). Foto: APCombatentes do Exército Sírio Livre carregam suas armas e se preparam para ofensiva contra forças leais a Assad em Deir al-Zor (12/07). Foto: ReutersCombatente do Exército Livre da Síria corre para buscar proteção perto de aeroporto militar de Nairab, em Aleppo (12/06). Foto: ReutersProtesto em Beirute contra a participação do Hezbollah na guerra síria (09/06). Foto: APFumaça é vista no vilarejo sírio de Quneitra perto da fronteira de Israel´(06/06). Foto: APLibanês foi ferido após segundo foguete de rebeldes sírios atingir sua casa em Hermel (29/05). Foto: APRefugiados sírios são abrigados em prédio da cidade turca de Reyhanli, perto da fronteira com a Síria (12/05). Foto: APHomens carregam ferido após explosão em cidade turca perto da fronteira síria (11/05). Foto: ReutersExplosão em cidade turca perto da fronteira com a Síria deixa dezenas de mortos (11/05). Foto: ReutersResidente caminha sobre destroços de prédios em rua de Deir al-Zor, Síria (09/05). Foto: ReutersCombatente do Exército Livre da Síria descansa em pilha de sacos de areia em campo de refugiados (06/05). Foto: APIsrael atacou instalações militares na área de Damasco, acusa Síria (05/05). Foto: BBCReprodução de vídeo mostra fumaça e fogo no céu sobre Damasco na madrugada deste domingo (05/05). Foto: APPresidente da Síria, Bashar al-Assad (D), visita universidade em Damasco (04/05). Foto: APReprodução de vídeo mostra corpos em Bayda, Síria (03/05). Foto: APBombeiros apagam fogo de carro em chamas em cena de explosão no distrito central de Marjeh, Damasco, Síria (30/04). Foto: APReprodução de vídeo mostra bombardeio em Daraya, Síria (25/04). Foto: APDruso carrega retrato do presidente sírio em que se lê 'Síria, Deus protege você', nas, Colinas do Golan (17/04). Foto: APFumaça e carros destruídos na praça Sabaa Bahrat, em Damasco, após explosão de carro-bomba (08/04). Foto: APMembro de Exército da Libertação da Síria segura arma em rua de Deir al-Zor (02/04). Foto: ReutersReprodução de vídeo mostra militantes do Exército Livre da Síria durante combates em Damasco (25/03). Foto: APManifestantes protestam contra Bashar al-Assad em Aleppo, na Síria (23/03). Foto: ReutersMesa de xeque Mohammad Said Ramadan al-Buti, aliado de Assad, é vista após ataque em Damasco (21/03). Foto: APSírio vítima de suposto ataque químico recebe tratamento em Khan al-Assal, de acordo com agência estatal (19/03). Foto: APSírias são vistos perto de corpos retirados de rio perto de bairro de Aleppo (10/03). Foto: APReprodução de vídeo mostra soldado do governo sírio morto em academia de polícia em Khan al-Asal, Aleppo (03/03). Foto: APHomem chora em local atingido por míssil no bairro de Ard al-Hamra, em Aleppo, Síria (fevereiro). Foto: ReutersMembro do Exército Livre da Síria aponta arma durante supostos confrontos contra forças de Assad em Aleppo (26/02). Foto: ReutersMembros de grupo islâmico seguram armas durante protesto contra regime em Deir el-Zor (25/02). Foto: ReutersMorador escreve em lápide nome de neta morta em ataque contra vila em Idlib, Síria (24/02). Foto: APChamas e fumaça são vistas em local de ataque no centro de Damasco, Síria (21/02). Foto: APRebeldes do Exército Livre da Síria preparam munições perto do aeroporto militar de Menagh, no interior de Aleppo (25/01). Foto: ReutersRebeldes da Frente al-Nusra, afiliada à Al-Qaeda, seguram sua bandeira no topo de helicóptero da Força Aérea da Síria na base de Taftanaz (11/01). Foto: APCrianças sírias viajam em caminhonete em Aleppo (02/01). Foto: Reuters

Crise: Onda de refugiados pressiona tecido social e econômico de vizinhos

A revolta da Síria começou em março de 2011 com protestos amplamente pacíficos que lentamente escalaram para uma guerra civil. O conflito deixou mais de 130 mil mortos, forçou mais de 2,3 milhões a buscar refúgio no exterior e enviou tensões sectárias por toda a região.

À medida que a guerra se torna cada vez mais indefinida em campo, a comunidade internacional aumentou seus esforços para encontrar uma solução por meio de negociações.

No mês passado, o governo do presidente Bashar al-Assad e o principal grupo de oposição apoiado pelo Ocidente se reuniram na Suíça em suas primeiras negociações bilaterais. O tumultuado diálogo de uma semana de duração terminou sem qualquer progresso significativo, mesmo em questões humanitárias - mas os lados em disputa pelo menos se encontraram.

Genebra: Síria e oposição trocam duras críticas no fim de conferência

Em um aparente progresso, embora pequeno, o governo sírio disse nesta quinta-feira que alcançou um acordo com a ONU para garantir a segurança da retirada de centenas de civis que estão presos em partes sitiadas de Homs, no centro do país. "Segundo a TV síria, a retirada poderia acontecer "muito em breve".

Armas químicas

Também nesta quinta-feira, o secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, disse estar confiante de que a Síria poderá cumprir o prazo de 30 de junho para eliminar todo o seu programa de armas químicas sob plano liderado por EUA e Rússia.

A Síria não cumpriu o prazo de entrega de um lote de armas químicas até 5 de fevereiro, o que provocou temores de descumprimento do plano que ajudou a evitar um ataque com mísseis liderado pelos EUA contra o governo de Assad.

AP
Em Aleppo, na Síria, maioria das vítimas mortas é composta de civis (foto de arquivo)

"Sobre essas armas químicas, acredito que o processo tem andado sem percalços, apesar de ter havido alguns atrasos", disse Ban depois de discursar em uma sessão do Comitê Olímpico Internacional (COI) na cidade russa de Sochi.

"Nossa meta é 30 de junho. Isso pode ser uma meta apertada, mas acredito que pode ser cumprida com todo o apoio do governo sírio", disse Ban, que participará da abertura dos jogos de Inverno em Sochi na sexta-feira.

*Com AP e Reuters

Leia tudo sobre: síriamundo árabeassadprimavera árabealeppoal qaeda

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas