Crítica de comissão à posição sobre homossexualismo foi influenciada por ideólogos pró-gays, reage arcebispo

O Vaticano rejeitou nesta quarta-feira um relatório da ONU sobre abuso sexual na Igreja Católica, afirmando que ele era distorcido, injusto e ideologicamente tendencioso. Segundo o chefe da delegação da Santa Sé na ONU em Genebra, o arcebispo Silvano Tomasi, pareceu que a Comissão da ONU sobre os Direitos das Crianças simplesmente não ouviu quando a Santa Sé detalhou todas as medidas que adotou para proteger as crianças.

Crítica: ONU acusa Vaticano de adotar políticas que permitiram abuso sexual

Relatório põe nova pressão sobre o papa Francisco para atuar de forma mais decisiva na questão do abuso (foto de 13/1)
AP
Relatório põe nova pressão sobre o papa Francisco para atuar de forma mais decisiva na questão do abuso (foto de 13/1)

Janeiro: ONU pressiona Vaticano a revelar dimensão de abuso sexual

Respondendo às críticas que o relatório também faz às posições da Igreja sobre homossexualismo, aborto e contracepção, o chefe da delegação da Santa Sé na ONU em Genebra, o arcebispo Silvano Tomasi, afirmou que o órgão não pode pedir que a Igreja mude seus ensinamentos morais "não negociáveis". À Rádio do Vaticano, Tomasi acusou a comissão que redigiu o documento de ter traído os próprios objetivos do órgão internacional ao se permitir ser influenciado por ideólogos pró-gays.

De acordo com o relatório da comissão, o Vaticano "sistematicamente" adotou políticas que permitiram aos padres estuprar e molestar dezenas de milhares de crianças durante décadas, conclamando-o a abrir seus arquivos sobre os pedófilos e os religiosos que esconderam seus crimes.

Arcebispo: Vaticano reconhece que 'não há desculpas' para o abuso de crianças

Em um relatório devastador saudado pelas vítimas de abuso, a comissão da ONU também criticou duramente a Santa Sé por suas atitudes em relação ao homossexualismo, à contracepção e ao aborto e disse que a Igreja deveria mudar seu direito canônico para assegurar os direitos das crianças e para que seu acesso à assistência à saúde seja garantido.

Aceno a conservadores: Papa diz que aborto prova 'cultura do descartável'

O relatório, que pegou o Vaticano de surpresa, põe uma nova pressão sobre o papa Francisco para atuar de forma mais decisiva na questão do abuso e cumprir promessas de criar uma comissão do Vaticano para estudar o abuso sexual , recomendando melhores práticas para combatê-lo. A comissão foi anunciada em dezembro, mas poucos detalhes foram revelados desde então.

A comissão fez suas recomendações depois de submeter a Santa Sé a um interrogatório de um dia de duração no mês passado sobre sua implementação da Convenção da ONU sobre os Direitos da Criança, o principal tratado internacional para garantir os direitos infantis, que a Santa Sé ratificou em 1990.

Auxílio às vítimas: Papa estabelecerá comissão para combater abuso infantil

De forma crítica, a comissão da ONU rejeitou o antigo argumento do Vaticano de que não controla os bispos ou seus padres abusivos, dizendo que a Santa Sé era responsável por implementar o tratato não apenas na Cidade do Vaticano, mas ao redor do mundo "como o poder supremo da Igreja Católica por meio de indivíduos e instituições postos sob sua autoridade".

Kirsten Sandberg, presidente da comissão de direitos humanos da ONU sobre direitos das crianças, fala durante coletiva em Genebra, Suíça
AP
Kirsten Sandberg, presidente da comissão de direitos humanos da ONU sobre direitos das crianças, fala durante coletiva em Genebra, Suíça

O arcebispo Tomasi, que chefiou a delegação do Vaticano na sessão de 16 de janeiro em Genebra, ficou claramente surpreso com o tom do relatório. "É como se esse documento tivesse sido preparado antes da reunião, na qual o Vaticano deu respostas detalhadas em vários pontos que não foram relatos nesse documento final ou parecem não ter sido levados em conta", afirmou.

Julho: Vaticano reforma leis e amplia crimes de pedofilia

Em seu relatório, o órgão criticou o "código de silêncio" que há muito tempo é usado para calar as vítimas, afirmando que a Santa Sé tem "sistematicamente colocado a preservação da reputação da Igreja e do alegado agressor acima da proteção das vítimas infantis". O documento pede que a Santa Sé ofereça uma indenização às vítimas e faça com que prestem contas não apenas os autores dos abusos, mas também os que encobriram seus crimes.

"A comissão está gravemente preocupada que a Santa Sé não reconheceu a extensão dos crimes cometidos, não adotou as medidas necessárias para lidar com os casos de abuso sexual infantil e para proteger as crianças e estabeleceu políticas e práticas que levaram à continuidade do abuso pelos perpetradores e à sua impunidade", disse o relatório.

O documento pede que a incipiente comissão de abuso sexual do papa conduza uma investigação independente de todos os casos de abusos e da forma como a hierarquia católica respondeu com o passar do tempo, requisitando que a Santa Sé crie regras claras para a denúncia mandatória de abuso à polícia.

Papa: Francisco pede 'determinação' contra casos de abusos sexuais na Igreja

Nenhum bispo católico foi alguma vez punido pelo Vaticano por proteger um padre abusivo, e apenas em 2010 a Santa Sé ordenou que os bispos denunciassem os autores de abuso à polícia quando requerido por lei. Funcionários do Vaticano reconheceram que a prestação de contas dos bispos continua um grande problema e sugeriram que, sob Francisco, as coisas podem começar a mudar.

As recomendações da comissão não são obrigatórias e não há nenhuma mecanismo que force o cumprimento das medidas. Em vez disso, a ONU pediu que o Vaticano implemente as recomendações e entregue um relatório sobre a questão até 2017. O Vaticano teve um atraso de 14 anos em submeter seu relatório mais recente.

Enquanto a maior parte da atenção do documento deu ênfase ao abuso sexual infantil, as recomendações da comissão vão bem além, entrando em questões como discriminação das crianças e seus direitos a uma adequada assistência à saúde.

A comissão, por exemplo, conclamou o Vaticano a emendar seu direito canônico para identificar circunstâncias em que o acesso ao aborto possa ser permitido às crianças, tal como salvar a vida de uma jovem mãe. Ela pede também que a Santa Sé garanta que a educação sexual, incluindo o acesso à informação sobre contracepção e a prevenção do HIV, seja mandatória nas escolas católicas. Além disso, requisitou que a Santa Sé use sua autoridade moral para condenar a discriminação contra crianças homossexuais ou crianças criadas por casais do mesmo sexo.

A Igreja ensina que a vida começa na concepção. O Vaticano, que portanto se opõe ao aborto e à contracepção artificial, pede o respeito aos gays, mas considera os atos homossexuais como sendo "desordenados de forma intrínseca". O Vaticano tem um histórico de confronto diplomático com a ONU em tais questões.

Tomasi disse que o pedido para que a posição sobre o aborto seja reconsiderada vai contra os próprios objetivos do tratado de proteger a vida das crianças antes e depois do nascimento e acusou grupos de defesa dos direitos gays e do casamento gay de ter "reforçado uma linha ideológica" com a comissão.

*Com AP

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.