Governo espanhol quer permitir aborto apenas em casos de estupro ou perigo grave para saúde da mãe

Reuters

Milhares de pessoas marcharam na capital da Espanha, neste sábado (1º),  para protestar contra um plano do governo de limitar o aborto. O projeto de lei tem causado divisões no partido conservador governista, o Partido Popular.

Conheça a home do Último Segundo

Manifestantes de todo o país se juntaram contra um projeto de lei para restringir o aborto a casos de estupro ou perigo grave para a saúde da mãe.

Há quatro anos, a Espanha se alinhou com a maior parte do resto da Europa, quando o então governo socialista legalizou o aborto nas primeiras 14 semanas de gravidez.

"Este é um passo para trás. Vamos voltar 30 anos", disse Pilar Abad, 58 anos, entre os manifestantes que marcharam da principal estação de trem até o parlamento nacional.

"Nós realmente esperamos que eles mudem essa lei durante o debate parlamentar, é por isso que estamos aqui", disse ela.

O gabinete do primeiro-ministro Mariano Rajoy aprovou o projeto de lei sobre o aborto em dezembro - em um movimento visto como tentativa de apaziguar a direita descontente do seu partido -, mas o projeto ainda não foi enviado ao Parlamento para debate.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.