Líder, que assumiu em 2013 chefia de órgão de reforma, consolida-se como o mais poderoso em duas décadas

O presidente chinês, Xi Jiping , foi designado pela cúpula do Partido Comunista como chefe da nova Comissão de Segurança Nacional da China, disse a agência de notícias estatal Xinhua em seu microblog nesta sexta-feira, no sinal mais recente da rápida consolidação de seu poder e de seu status como o líder chinês mais poderoso em duas décadas.

Conheça a home do Último Segundo

Xi Jinping em foto tirada no dia 1º de setembro
AP
Xi Jinping em foto tirada no dia 1º de setembro

Relatório:  Elite da China tem empresas secretas em paraísos fiscais

Xi já é líder do governista Partido Comunista e chefe das comissões que comandam as Forças Armadas. No mês passado, ele foi nomeado chefe da comissão de reforma, dando-lhe total controle sobre a segunda maior economia do mundo e pondo de lado o premiê Li Keqiang, uma espécie de rival.

A nova posição como presidente da Comissão de Segurança Nacional dá a Xi o poder de decisão final sobre a polícia e sobre o aparato de segurança estatal. Antes essa autoridade ficava nas mãos do chefe de segurança doméstica do partido. Li e Zhang Dejiang, número três na hierarquia do partido e chefe do Parlamento, serão vice-presidentes da comissão, disse a Xinhua.

2012: Congresso confirma Xi Jinping como novo líder da China

"Sem sombra de dúvida Xi tornou-se um homem forte, com significativamente mais poder do que seus antecessores Hu Jintao e Jiang Zemin", disse Willy Lam, um cientista político na Universidade Chinesa de Hong Kong que acompanha de perto a liderança da China.

A medida coloca Xi no comando de uma comissão que lida com crises internas e externas e surge quase um mês após o governo dizer que o presidente chinês chefiará um grupo de líderes para conduzir reformas gerais no país.

Especialistas dizem que a nova comissão será inspirada no Conselho de Segurança Nacional dos Estados Unidos e aumentará a coordenação entre várias alas da burocracia de segurança da China, hoje dividida entre a polícia, os militares e os serviços de inteligência e diplomacia.

*Com Reuters e AP

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.