Conferência sobre paz na Síria começa com impasse sobre futuro de Assad

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

EUA defendem saída de líder sírio, mas chanceler diz que somente população tem direito de tirar Assad do poder

As negociações de paz na Síria começaram nesta quarta-feira na Suíça com uma disputa amarga sobre o futuro do presidente Bashar al-Assad.

Conheça a home do Último Segundo

AP
Secretário de Estado dos EUA, John Kerry (E), conversa com secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, antes de conferência de paz da Síria em Montreux, Suíça

Perfil: Conheça a trajetória do presidente da Síria, Bashar al-Assad

O secretário de Estado dos EUA, John Kerry, disse que a decisão de Assad de responder a uma dissidência pacífica com força brutal lhe usurpou toda a legitimidade, enquanto o chanceler de Assad declarou que ninguém de fora da Síria tem o direito de remover o governo. A oposição síria disse que a principal questão da conferência era criar um governo de transição sem Assad.

Menos de três horas em negociações de paz que estiveram á beira do colapso desde que foram inicialmente planejadas, os dois lados pareciam estar sem possibilidade de conciliação.

Desde 2011: Relatório mostra tortura e execução de 11 mil detentos pela Síria

Sexta: Síria oferece trocar prisioneiros de guerra com forças da oposição

"Realmente precisamos lidar com a realidade", disse Kerry. "Não há nenhuma forma - nenhuma forma possível na imaginação - de que o homem que liderou essa resposta brutal contra sua própria população possa reconquistar a legitimidade para governar. Nenhum homem nem aqueles que o apoiaram podem manter como reféns por mais tempo uma nação inteira e uma região."

"O direito de liderar um país não vem da tortura nem de bombas ou mísseis Scud. Vem do consentimento da população", acrescentou Kerry.

A Kerry se seguiu o chanceler sírio, Walid al-Moallem, que se recusou a desistir de fazer seu pronunciamento apesar de pedidos repetidos do secretário-geral da ONU. "Você vive em Nova York. Eu vivo na Síria", disse com raiva a Ban Ki-moon. "Tenho o direito de dar a versão síria aqui neste fórum. Depois de três anos de sofrimento, esse é meu direito."

Infográfico: Saiba o que está em jogo para o Oriente Médio com guerra síria

Al-Moallem disse que ninguém pode derrubar Assad, exceto os sírios. Ele também acusou o Ocidente e países vizinhos - notavelmente a Arábia Saudita, que ele não nomeou - de encaminhar dinheiro, armas e combatentes estrangeiros para a rebelião.

"O Ocidente publicamente alega combater o terrorismo enquanto o alimentam secretamente", disse. "Os sírios aqui presentes participaram em tudo o que aconteceu, eles implementaram, facilitaram o banho de sangue e tudo às custas da população síria que alegam representar", disse em referência à oposição síria presente à conferência.

Veja imagens do conflito sírio no ano passado:

Família síria acena a parentes após entrar em ônibus em direção a aeroporto para ir à Alemanha, onde foram aceitos como asilados temporários, em Beirute, Líbano (10/10). Foto: APTanque velho sírio é cercado por fogo após explosão de morteiros nas Colinas do Golan, território controlado por Israel (16/07). Foto: APCombatentes do Exército Sírio Livre carregam suas armas e se preparam para ofensiva contra forças leais a Assad em Deir al-Zor (12/07). Foto: ReutersCombatente do Exército Livre da Síria corre para buscar proteção perto de aeroporto militar de Nairab, em Aleppo (12/06). Foto: ReutersProtesto em Beirute contra a participação do Hezbollah na guerra síria (09/06). Foto: APFumaça é vista no vilarejo sírio de Quneitra perto da fronteira de Israel´(06/06). Foto: APLibanês foi ferido após segundo foguete de rebeldes sírios atingir sua casa em Hermel (29/05). Foto: APRefugiados sírios são abrigados em prédio da cidade turca de Reyhanli, perto da fronteira com a Síria (12/05). Foto: APHomens carregam ferido após explosão em cidade turca perto da fronteira síria (11/05). Foto: ReutersExplosão em cidade turca perto da fronteira com a Síria deixa dezenas de mortos (11/05). Foto: ReutersResidente caminha sobre destroços de prédios em rua de Deir al-Zor, Síria (09/05). Foto: ReutersCombatente do Exército Livre da Síria descansa em pilha de sacos de areia em campo de refugiados (06/05). Foto: APIsrael atacou instalações militares na área de Damasco, acusa Síria (05/05). Foto: BBCReprodução de vídeo mostra fumaça e fogo no céu sobre Damasco na madrugada deste domingo (05/05). Foto: APPresidente da Síria, Bashar al-Assad (D), visita universidade em Damasco (04/05). Foto: APReprodução de vídeo mostra corpos em Bayda, Síria (03/05). Foto: APBombeiros apagam fogo de carro em chamas em cena de explosão no distrito central de Marjeh, Damasco, Síria (30/04). Foto: APReprodução de vídeo mostra bombardeio em Daraya, Síria (25/04). Foto: APDruso carrega retrato do presidente sírio em que se lê 'Síria, Deus protege você', nas, Colinas do Golan (17/04). Foto: APFumaça e carros destruídos na praça Sabaa Bahrat, em Damasco, após explosão de carro-bomba (08/04). Foto: APMembro de Exército da Libertação da Síria segura arma em rua de Deir al-Zor (02/04). Foto: ReutersReprodução de vídeo mostra militantes do Exército Livre da Síria durante combates em Damasco (25/03). Foto: APManifestantes protestam contra Bashar al-Assad em Aleppo, na Síria (23/03). Foto: ReutersMesa de xeque Mohammad Said Ramadan al-Buti, aliado de Assad, é vista após ataque em Damasco (21/03). Foto: APSírio vítima de suposto ataque químico recebe tratamento em Khan al-Assal, de acordo com agência estatal (19/03). Foto: APSírias são vistos perto de corpos retirados de rio perto de bairro de Aleppo (10/03). Foto: APReprodução de vídeo mostra soldado do governo sírio morto em academia de polícia em Khan al-Asal, Aleppo (03/03). Foto: APHomem chora em local atingido por míssil no bairro de Ard al-Hamra, em Aleppo, Síria (fevereiro). Foto: ReutersMembro do Exército Livre da Síria aponta arma durante supostos confrontos contra forças de Assad em Aleppo (26/02). Foto: ReutersMembros de grupo islâmico seguram armas durante protesto contra regime em Deir el-Zor (25/02). Foto: ReutersMorador escreve em lápide nome de neta morta em ataque contra vila em Idlib, Síria (24/02). Foto: APChamas e fumaça são vistas em local de ataque no centro de Damasco, Síria (21/02). Foto: APRebeldes do Exército Livre da Síria preparam munições perto do aeroporto militar de Menagh, no interior de Aleppo (25/01). Foto: ReutersRebeldes da Frente al-Nusra, afiliada à Al-Qaeda, seguram sua bandeira no topo de helicóptero da Força Aérea da Síria na base de Taftanaz (11/01). Foto: APCrianças sírias viajam em caminhonete em Aleppo (02/01). Foto: Reuters

Consequência: Refugiados pressionam tecido social e econômico de vizinhos

O confronto deixou mais de 100 mil mortos - e ativistas estimam mais dezenas de milhares - desde que começou em março de 2011 como um movimento pacífico contra o governo de Assad. A guerra forçou milhões de sírios a fugir de suas casas.

A questão sobre o futuro de Assad vai ao centro da conferência de paz com o objetivo declarado de um governo de transição na Síria. Notavelmente ausente é o Irã que, juntamente com a Rússia, é o mais convicto aliado de Assad.

Entenda: Por que a Rússia e a China apoiam a Síria?

Ban convidou e então desconvidou o Irã no último minuto depois que a oposição síria ameaçou não participar das negociações de paz menos de 48 horas antes de seu início.

Amhad al-Jarba, o líder da Coalizão Nacional Síria, que tem apoio do Ocidente, disse nesta quarta-feira que qualquer discussão sobre a continuidade de Assad no poder efetivamente poria um fim à negociação mesmo antes de seu início. Al-Jarba afirmou que um governo de transição "é o único tópico para nós".

*Com AP

Leia tudo sobre: síriagenebra 2assadmundo árabeprimavera árabe

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas