Brasil vê como "primeiro passo" decisão dos EUA de proibir espionagem de aliados

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Governo brasileiro informou que vai acompanhar com atenção os desdobramentos da promessa de Obama

Reuters

O governo brasileiro informou neste domingo (19) que vai acompanhar com atenção os desdobramentos da promessa do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, de proibir espionagem contra líderes de países aliados.

Conheça a home do Último Segundo

O porta-voz da Presidência da República, Thomas Traumann, classificou de "primeiro passo" o anúncio feito por Obama na sexta-feira (17). "O governo brasileiro irá acompanhar com extrema atenção os desdobramentos práticos do discurso", disse Traumann, segundo nota publicada no Blog do Planalto.

A presidente Dilma Rousseff teria sido um dos alvos de espionagem por parte da Agência de Segurança Nacional (NSA, na sigla em inglês). Também teria sido objeto de vigilância dos arapongas norte-americanos a estatal Petrobras.

Relembre:

ONU aprova resolução contra espionagem apresentada por Brasil e Alemanha

Telefones da França foram alvo de espionagem dos EUA, diz jornal

Milhões de telefonemas da Espanha foram alvo de espionagem dos EUA

Diante dessas revelações, feitas pelo ex-funcionário de inteligência Edward Snowden, Dilma chegou a adiar uma visita de Estado a Washington em protesto.

Obama anunciou na sexta-feira que proibiu a espionagem de líderes de países amigos e aliados e começou a frear a vasta coleta de dados telefônicos de norte-americanos como parte de uma série de reformas desencadeada pelas revelações de Snowden.

"Os líderes de nossos países amigos e aliados merecem saber que, se eu quiser saber o que eles pensam de um assunto, eu vou pegar o telefone e ligar para eles, em vez de recorrer à vigilância", afirmou Obama na ocasião.

Sem fazer avaliação sobre a fala do presidente dos EUA, Traumann limitou-se a informar, segundo a nota, que o governo brasileiro analisou "detidamente" o anúncio sobre as mudanças na atuação da NSA.

Leia tudo sobre: POLITICABRASILESPIONAGEMobamaeuansasnowden

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas